Menu
Busca segunda, 24 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Zeca quer “vingar” derrota para prefeitura da capital em 96

18 janeiro 2004 - 11h20

Oito anos depois de perder a prefeitura por apenas 411 votos, em 1996, o governador Zeca do PT tem condições de dar o troco no prefeito de Campo Grande, André Puccinelli (PMDB). Além da popularidade do seu governo, com mais de 60% de aprovação, ele conta com as contas estaduais em dia e com previsão de investir R$ 240 milhões este ano em Mato Grosso do Sul.Outro fator favorável ao petista é que Puccinelli, um administrador com altos índices de aprovação, não disputará a eleição e estará na mesma posição de Zeca do PT, a de transferir a popularidade para o seu candidato. O peemedebista também largará em desvantagem, já que o PT definiu, com 10 meses de antecedência, que o candidato a prefeito será o deputado federal Vander Loubet (PT). O prefeito chegará atrasado “ao baile”, já que o PMDB só deverá definir o candidato em maio, quando as alianças estarão definidas e os candidatos com a campanha na rua. Outro fator no processo será a falta de recursos para investir em Campo Grande. A “torneira” de recursos federais secou. No ano passado, a prefeitura esperava a liberação de R$ 45 milhões, mas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) só autorizou irrisório R$ 1 milhão. Apesar de minimizar o fato, Puccinelli terá problemas para concluir obras de relevância em ano eleitoral, como o contorno ferroviário (faltam as obras do pátio e o porto seco), a urbanização dos córregos Bandeira e Sóter (já iniciadas) e do Imbirussú (prevista). O ritmo de pavimentação dos bairros poderá ser reduzido. Puccinelli corre o risco de repetir o mais novo companheiro, o ex-governador Pedro Pedrossian (PMDB), cujas obras, como o terminal rodoviário e o mercado do produtor, servem para abrigo de bichos e marginais. A eleição para prefeito em 2004 não repetirá 2000, quando Puccinelli concluiu grandes obras, estava com a popularidade muito maior que a de Zeca e o petista Ben-Hur Ferreira teve de arcar com o ônus do funcionalismo público estar recebendo os salários com atraso. Candidato, Puccinelli foi reeleito com mais de 65% dos votos. Na semana passada, o governador deu o tom da disputa. “O PMDB destruiu o Estado e nós vamos destruir o PMDB”, afirmou, durante entrevista coletiva, numa frase de efeito semelhante a proferida por Puccinelli em 1996, quando afirmou que “o PT é igual catapora, só dá uma vez”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Governo facilitará exportações de produtos voltados à Defesa
BRASIL
Síndrome metabólica em adolescentes é tema de pesquisa da Capes
DOURADOS
Campanha sobre tuberculose e hanseníase será realizada em março
POLÍCIA
DOF flagra cinco com 400 quilos de contrabando em Dourados
BRASIL
Trabalho infantil aumenta 38% durante o carnaval; saiba como denunciar
STF
Liminar garante ao RS fixar contribuição previdenciária de militares sem sanções por parte da União
DOURADOS
Com ponto facultativo, sessão da Câmara foi antecipada
MS
Um dos pilares da ressocialização, a religião promove ambiente de fé em presídios
ESTADO
Judiciário de MS retomará expediente na quinta-feira
MUNDO
Cientistas descartam que novo vírus tenha origem em mercado em Wuhan

Mais Lidas

CRIME
Ex-integrante de grupo de Rap é morto a tiros em Dourados
WEIMAR TORRES
Mulher morre após bater em carro que roletou avenida
FÁTIMA DO SUL
Polícia prende homem que matou namorada a marteladas
FRONTEIRA
Suspeitos de matar jornalista são presos em operação