Menu
Busca domingo, 20 de outubro de 2019
(67) 9860-3221

Vacas clonadas produzem anticorpos humanos

12 agosto 2002 - 15h55

Cientistas do Japão e dos Estados Unidos clonaram vacas capazes de produzir anticorpos humanos, um avanço que poderá ajudar no tratamento de doenças. Pesquisadores já desenvolveram camundongos geradores de anticorpos, mas as vacas conseguem produzir quantidades muito maiores. No entanto, muito trabalho precisa ser feito antes dos anticorpos serem usados em humanos.
Cientistas precisam purificar os anticorpos humanos das proteínas de vaca e garantir que o produto final esteja livre de vírus animais. O processo de usar vacas como fábricas de anticorpos ainda está em fase inicial. Mas a abordagem pode evitar muitas dificuldades na produção de quantidades suficientes de anticorpos.
A pesquisa foi realizada pela Hematech, companhia de biotecnologia de South Dakota, e pela empresa japonesa de cervejas Kirin. "A Hematech e a Kirin transferiram com sucesso um importante componente do sistema imunológico humano em vacas. Isso nos dá a capacidade de produzir uma ampla variedade de terapêuticos complexos e naturais que vão ajudar as pessoas a combater muitos tipos diferentes de doenças", disse James M. Robl, presidente e chefe científico da Hematech.
De acordo com Robl, o produto feito pelas vacas é uma mistura complexa de anticorpos conhecidos como anticorpos policlonais, que podem ser usados como um suplemento ou substituto de antibióticos, compostos antivirais e vacinas. Atualmente, os anticorpos policlonais são derivados de sangue humano doado e são infundidos em pacientes para ajudar no combate às infecções.
Esses anticorpos são usados em diversos pacientes, normalmente aqueles que precisam de um reforço no sistema de defesa. E teoricamente esses pacientes poderiam ser candidatos para o produto derivado das vacas. "Ele seria particularmente útil para pacientes com dificuldades para combater doenças, como as crianças, os idosos, aqueles em recuperação de trauma ou cirurgia, outros transplantados e pessoas com certos tipos de defeitos genéticos", disse Robl. O estudo está publicado na edição preliminar online da revista Nature Biotechnology.


Deixe seu Comentário

Leia Também

MS-141
Acidente entre Ivinhema e Angélica envolve dois veículos
Festival
Orquestra paraguaia é atração do Fasp 2019 com instrumentos de materiais recicláveis
MUNDO
Bolivianos vão às urnas para escolher presidente e outras autoridades
CAPITAL
“Corrida Saúde Cassems” leva quase 3 mil pessoas à rua
DOURADOS
Programação do Outubro Rosa terá eventos nesta semana
BRASIL
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia começa nesta segunda-feira
DOURADOS
Interessados em trabalhar como ambulante no Dia de Finados devem ir à Semsur
UFGD
Ação de universidade na praça central de Dourados será nesta semana
DOURADOS
Campanha de vacinação contra o sarampo segue até dia 25
INTERIOR
Veículo capota na MS-134 e motorista é socorrido ferido

Mais Lidas

PONTA PORÃ
Empresário é executado por pistoleiros na fronteira
CAMPO GRANDE
Cantor Ivo de Souza morre em acidente no macro anel da BR-262
DOURADOS
Homem é assaltado por travesti após parar carro no Centro
DOURADOS
Mãe de criança morta após parto segue internada sob escolta