Menu
Busca segunda, 20 de maio de 2019
(67) 9860-3221

Uems usa fotos como critério para definir vagas para negros

15 dezembro 2003 - 16h14

A Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) usou fotos enviadas pelos estudantes - coloridas, de 5 por 7 polegadas - como critério para selecionar quais deles tinham direito às vagas nas cotas para negros.Entre 530 candidatos que se declararam negros, 76 foram rejeitados porque não possuíam o "fenótipo" exigido, ou seja, "lábios grossos, nariz chato e cabelos pixaim", na definição do presidente do Cedin (Conselho Estadual dos Direitos dos Negros), Naércio Ferreira Fernandes de Souza, 34, que fez parte de uma comissão a qual analisou as fotos apresentadas pelos candidatos.Outros 126 foram recusados, pois, embora considerados negros, não eram de escolas públicas ou bolsistas em particulares.Quem ficou de fora das cotas disputou as vagas normais no vestibular. Foi o primeiro na Uems a reservar 328 vagas (20% do total) para negros. Diferentemente das universidades federais do Rio de Janeiro e da Bahia, que também adotam cotas, a Uems não aceitou uma simples declaração do estudante dizendo que é negro ou afrodescendente. Era preciso apresentar uma fotografia.No total, foram cinco avaliadores de fotos: três membros do movimento negro e dois da universidade. Criada há dez anos, a Uems tem cerca de 6.000 alunos e 38 cursos em 14 municípios."A nossa vantagem aqui é que a lei foi direcionada. No mínimo, 20% para negros, e não para afrodescendentes", disse Souza, referindo-se à lei aprovada pela Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, criando o sistema de cotas no vestibular deste ano."Garantimos [vagas] de fato às pessoas que tinham o fenótipo, ao negro preto. Nós fizemos isso apenas para não deixar uma brecha para um branco ou para um negro rico [de escola particular] participar das cotas da Uems."Souza defende o uso de fotos na seleção dos candidatos. "Vou dar um exemplo: quando você vai a uma agência de emprego ou a uma firma, eles pedem a foto. Por meio da foto, a pessoa é contratada. Se a pessoa é negra da pele bem escura, não olham nem o currículo", explicou o presidente.A explicação de Souza para os chamados afrodescendentes não serem incluídos na cota é a seguinte: "A sociedade discrimina o negro pela sua cor. Não é pelo gene, não é pelo sangue, mas pelos seus traços físicos".Segundo a pró-reitora de Ensino da Uems, Maria José Jesus Alves Cordeiro, 41, que é negra e diz já ter sido discriminada, a decisão de usar foto foi do movimento negro. Ela disse que houve audiências públicas para apresentar as regras. Por enquanto, nenhum estudante excluído das cotas entrou na Justiça ou reclamou na Uems.Além de reservar 20% de suas vagas para negros, a Uems guardou 10% (160) para índios.Dez foram recusados nas cotas porque não tinham "uma declaração de descendência indígena", informou Cordeiro. Esse documento era concedido por uma comissão formada por "anciões das aldeias e por um representante da Funai [Fundação Nacional do Índio]", explicou a pró-reitora.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
IFMS abrirá 80 vagas para cursos de graduação no 2º semestre
SEGUNDA LEVE!
Peito de frango recheado com frutas secas no molho de laranja
DOURADOS
Ex-líder da prefeita Délia Razuk é alvo de pedido de cassação
TRÂNSITO
Homens correspondem a 69% dos motoristas indenizados em MS
DOURADOS
Sindicato Rural comemora melhor edição da Expoagro dos últimos anos
BRASIL
Cai confiança do empresário industrial pelo quarto mês, avalia CNI
VISITA GUIADA
Casa baiana histórica tem peças do artesanato brasileiro
DOURADOS
Comad promove capacitação sobre enfrentamento às drogas e workshop sobre engajamento nas redes sociais
SAÚDE
Gripe: quando se preocupar?
ARTIGO
Conturbado mundo violento

Mais Lidas

DOURADOS
Mulheres são presas ao tentar levar droga para maridos na PED
RODOVIÁRIA
Mulher é presa em Dourados com maconha que seria entregue no RS
DOURADOS
Guarda flagra adolescentes bebendo vodka durante a madrugada no Centro
EDUCAÇÃO
Inscrições do Encceja 2019 começam nesta segunda-feira