Menu
Busca quarta, 29 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Tomar café não corta efeitos do álcool

11 dezembro 2009 - 16h38

Um estudo realizado nos Estados Unidos sugere que tomar café não acaba com os efeitos de uma bebedeira, diferentemente do que diz a crença popular.  

Segundo os cientistas responsáveis pela pesquisa, o que o café parece fazer é tornar mais difícil para o alcoolizado perceber que está bêbado.

No estudo, da Universidade de Temple, na cidade de Filadélfia, camundongos foram submetidos a ruídos altos e luzes brilhantes, ficando assustados e sendo forçados a seguir por um labirinto para fugir.

Não tome café durante a ressaca, pois ele tem ação diurética e pode agravar a desidratação causada pelo álcool

Os animais receberam doses de bebidas alcoólicas e cafeína em várias combinações diferentes, e o desempenho deles no labirinto foi comparado ao desempenho de outros ratos que receberam apenas uma solução salina neutra.

Os camundongos que receberam doses de álcool aparentaram estar mais relaxados, porém menos capazes de se moverem pelo labirinto para fugir dos sustos.

Os que receberam doses de cafeína ficaram mais alertas e se movimentaram melhor na fuga pelo labirinto.

Mas a combinação entre cafeína e bebida alcoólica, embora tenha resultado em camundongos um pouco mais alertas, não garantiu que eles conseguissem fugir pelo labirinto, evitando os sustos.

‘Mito’
Os pesquisadores acreditam que, em humanos, a combinação faz com que as pessoas sintam que não estão bêbadas, quando, na verdade, elas ainda estão sob efeito do álcool.
´´É importante acabar com o mito sobre o poder do café de cortar o efeito do álcool, pois o consumo de cafeína e álcool pode na verdade levar a decisões erradas com resultados desastrosos´´, afirmou o líder da pesquisa, Thomas Gould.

´´Pessoas que se sentem cansadas e embriagadas depois de consumir bebidas alcoólicas podem ter maior probabilidade de admitir que estão bêbadas.´´

´´Por outro lado, pessoas que consumiram bebidas alcoólicas e cafeína podem sentir que estão em condições de lidar com situações potencialmente perigosas, como dirigir sob efeito da bebida´´, acrescentou.

A pesquisa foi publicada na publicação especializada Behavioural Neuroscience.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Jovem de 23 anos morre em acidente de motocicleta em Campo Grande
SAÚDE
Ministério da Agricultura identifica mais 10 lotes de cerveja contaminada
CAMPO GRANDE
Após 4 horas, suspeito de roubar caminhonete é preso em matagal
ESPORTE
Corrida de rua abre inscrições para prova com percurso de 30 km
CHAPADÃO DO SUL
Suspeita de matar menina de 13 anos é transferida para Capital
ECONOMIA
Dispensa de alvará beneficiará 10,3 milhões de empresas de baixo risco
CHAPADÃO DO SUL
Homem é preso com pornografia infantil, paga fiança e é solto
DOURADOS
Matrículas dos veteranos da UFGD começarão na próxima sexta-feira
TRÊS LAGOAS
Homem furta celular, pede R$ 50 para devolver e acaba preso
ALERTA
Brasil monitora casos suspeitos de coronavírus em MG, RS e PR

Mais Lidas

VÍDEO
Ventania derruba árvores e destelha casas na região sul de Dourados
REGIÃO
Condutor de caminhonete é preso após atingir sete veículos estacionados
IVINHEMA
Confusão em posto termina com um morto e outro ferido por PM de folga
DOURADOS
Mulher deixa carro com chave na ignição e tem surpresa 15 horas depois