Menu
Busca sábado, 14 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221

Saiba os efeitos que a cocaína causa no corpo de um atleta

11 dezembro 2009 - 14h45

O suposto caso de doping por cocaína envolvendo o atacante botafoguense Jobson, um dos destaques do Campeonato Brasileiro, faz voltar à pauta o efeito que o uso dessa substância tem no corpo do atleta profissional. A cocaína realmente faz o desempenho do esportista melhorar dentro de campo? A reportagem do Terra buscou um infectologista para esclarecer a questão.

Irineu Francisco Delfino Silva Massaia, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e infectologista, ajudou a entender melhor o que a cocaína faz no corpo do atleta. Segundo ele, a cocaína pode melhorar o desempenho do esportista em campo, mas o risco para a saúde é alto demais - os efeitos colaterais são muito graves.

"A cocaína funciona tanto na parte neurológica quanto nos órgãos. No sistema nervoso causa um grande prazer, que está ligado a perda do medo e a gerar uma inebriante sensação de poder. O emocional é que simula essa sensação. Mas efetivamente ela não deixa mais forte, mais potente. O que é desencadeado é o ânimo, a sensação de ser um super-homem", disse Massaia.

Diante desse quadro, é razoável supor que, ao usar a droga antes de entrar em campo, a performance do jogador vá ser incrementada.

Mas, embora a cocaína possa de fato gerar aumento da performance em um espaço limitado de tempo, depois tudo pode ficar bem pior. "A ação é muito rápida e quando passa pode desencadear depressão e a necessidade de voltar a usar", disse o médico. "A cocaína aumenta a freqüência cardíaca, a pressão arterial e pode causar inclusive um infarto. Pode gerar sérios danos à estrutura física do atleta porque coloca o corpo em intensa atividade. Como o atleta está sempre em situações de limite físico, a droga destrói agudamente o corpo dele e debilita a parte cardiovascular", disse o médico.

Massaia disse ainda que o efeito desse tipo de droga pode ser substituído por uma preleção muito bem feita antes do jogo. É o doping psicológico, aquele motivado por um discurso que empolga e coloca o time em um estado de espírito totalmente vencedor e moralmente elevado. Um exemplo sempre citado é o de Vanderlei Luxemburgo, cujas palestras conseguem estimular a esse ponto.

Massaia afirmou que conhece atletas amadores que usam cocaína para se beneficiar do efeito motivador antes de um jogo, mas que isso acontece mais em encontros universitários. E lembrou que o excesso do uso pode causar outros graves problemas como, é claro, a dependência química.

"É o que a gente chama de efeito de tolerância. A primeira vez que usamos vai ter um efeito X, depois vai ser menor. Vou ter que usar uma dose maior para preencher o mesmo efeito. E tem horas que mesmo usando a máxima não consegue alcançar o prazer que alcançava. Aí ele apela para outra droga ou tem overdose. Aí vai misturando com outras coisas. Começa a depender quimicamente e não só emocionalmente", explicou Massaia.

Quando questionado se o efeito de o atleta usar a cocaína minutos antes do jogo ou na noite anterior à partida era o mesmo, Massaia disse que o efeito é totalmente diferente, mas que os problemas serão os mesmos.

"Usar, digamos, um dia antes vai fazer o atleta entrar em campo sem a sensação da euforia e poder que ele experimentou após o uso. De um dia para o outro é menos provável que ele tire proveito do que entende como o 'benefício' da droga. Por outro lado, o que pode ficar é a justamente o resíduo nocivo do uso: a forma como ela age e danifica órgãos como o coração. Já o uso no pré-jogo vai fazer ele achar que está se sentindo melhor, e será submetido ao tal efeito psicologicamente revigorante. Nesse caso, ele acha que se sente melhor. O que ele talvez ignore é que está correndo o risco de infartar em campo, de ter falta de ar, pressão alta etc", afirmou Massaia.

Quando comparada à maconha, a cocaína é completamente diferente. Segundo o médico, a única similaridade entre as duas drogas é que ambas dão prazer.

"Os efeitos da canabis para cocaína são bem diferentes. A maconha não é um estimulante, ela dá prazer. A cocaína dá prazer e é um estimulante. Em alguns lugares a maconha é usada na medicina. Mas ambas causam dependência", concluiu.



Deixe seu Comentário

Leia Também

Condenada por morte de namorado, mulher que alegou roleta-russa é presa
RURAL
Meta da agropecuária é abastecer mercado interno, diz Tereza Cristina
CINEMA
Danny Aiello, ator de 'Faça a coisa certa', morre aos 86 anos nos EUA
SIDROLÂNDIA
Polícia apreende carga de 80 pneus de origem estrangeira na MS-162
ERRO
Governo torna sem efeito promulgação da Reforma da Previdência Estadual
RIO BRILHANTE
Homem que teria brigado com pedreiro antes de assassinato se apresenta
SAÚDE
Juiz determina que empresa volte a fornecer alimentação para o HU
CAPITAL
Homem morre ao passar mal após comer paçoca que ganhou de amigo
RIO DE JANEIRO
Ex-deputados Edson Albertassi e Paulo Melo são soltos por engano
RESORT
Morre menino vítima de queda de avião em resort no sul da Bahia

Mais Lidas

CAARAPÓ
Homem é assassinado a golpes de faca após discussão em bar
DOURADOS
Inteligência da PM prende dois por tráfico no bairro Estrela Tovi
GRANDE DOURADOS
Quadrilha especializada em roubo de caminhonetes é desarticulada e seis são presos
FURTO
Polícia recupera objetos e fecha ponto de receptação em Dourados