Menu
Busca sexta, 22 de março de 2019
(67) 9860-3221

Reforma Tributária trará mais perdas do que lucro para MS

19 dezembro 2003 - 15h19

O governo do Estado calcula um incremento financeiro na economia de Mato Grosso do Sul de cerca de R$ 70 milhões, a partir de 2004, com a Reforma Tributária da União. No entanto, os lucros podem a começar a dar lugar a perdas substanciais, de entre R$ 80 milhões e R$ 100 milhões, a partir de 2005.Os cálculos são do assessor de Política Econômica e Tributária da Secretaria de Receita e Controle do Estado, Gladiston Riekstins de Amorim, ao analisar os efeitos positivos e negativos da reforma, já aprovada pelo Congresso Nacional e promulgada pelo governo federal. Em termos de lucros com a reforma, Amorim prevê que já a partir do primeiro semestre do ano que vem entrem nos cofres do Estado R$ 50 milhões, divididos em parcelas mensais. Cerca de R$ 10 milhões viriam do Fundo de Exportações e R$ 40 milhões decorrentes da Cide(Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico). No caso da Cide, segundo Amorim, ela depende da aprovação de uma lei ordinária, mas também pode ser oficializada através de uma Medida Provisória pelo governo federal. O assessor de Política Econômica e Tributária do governo estadual explica que, no caso do Fundo de Desenvolvimento Regional, que garantiria mais R$ 20 milhões para Mato Grosso do Sul em 2004, os recursos viriam só a partir do segundo semestre do ano que vem, após a matéria seguir para análise e aprovação da Câmara dos Deputados.Segundo Amorim, as perdas com a reforma Tributária poderiam começar a ser registradas em meados de 2005. No entanto, segundo o assessor, elas viriam de forma lenta e gradual. O assessor diz que os prejuízos virão de acordo com o número de produtos da cesta básica que passarão a ter isenção do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Os prejuízos, então neste campo, segundo Amorim, poderiam atingir entre R$ 80 milhões e R$ 100 milhões e Mato Grosso do Sul é um dos Estados que mais perdem nesta área, por ter sua economia baseada principalmente em produtos alimentícios, como carnes e grãos, principalmente. O assessor também lembra que outros prejuízos podem vir a partir de 2008, como no caso da equalização de alíquotas, quando o incidente sobre o setor de comunicação pode ser reduzido no Estado de 27% para 25%.Amorim, no entanto, lembra também que Mato Grosso do Sul, em contrapartida,vai ter uma compensação financeira adicional, a partir de 2004, com a divisão, pelos Estados, de um incremento de R$ 2 bilhões a mais provenientes do FPM (Fundo de Participação dos Estados).

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL
Mulher é presa acusada de simulou sequestro para a própria família
TECNOLOGIA
Anatel inicia bloqueio de celulares 'piratas' em 15 estados no domingo
CAPITAL
Homem tenta matar a irmã com golpes de facão e acaba preso
MAIS CARO
Preço da gasolina sobe nos postos pela 4ª semana seguida, diz ANP
BATAYPORÃ
Ladrões furtam 14 instrumentos musicais da banda marcial
ITINERANTE
Atendimento da Carreta em Guia Lopes bate recorde de ações
CRIME AMBIENTAL
Campo-grandense é multado em R$ 15 mil por desmatamento ilegal
MARCO AURÉLIO
Ministro do STF nega liberdade ao ex-governador Moreira Franco
TRÊS LAGOAS
Para mulher reatar, homem envia foto com facão e filha no colo
TELEVISÃO
Atriz Claudia Rodrigues é internada em UTI de clínica no Rio

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
DOURADOS
Tripla colisão deixa dois feridos em cruzamento movimentado
DOURADOS
Universitária morre no HV quatro dias após acidente de moto
RIO BRILHANTE
Dono de oficina baleado pela manhã morre no Hospital da Vida