Menu
Busca sexta, 21 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Reconstituição do crime de missionária tira dúvidas

25 fevereiro 2005 - 11h53

Brasília - A reconstituição do assassinato da missionária Dorothy Stang, ocorrido no dia 12, em Anapu (PA), esclareceu as "dúvidas que ainda restavam" para a Polícia Civil. O responsável pela investigação, delegado da Polícia Civil Waldir Freire disse que a simulação foi "esclarecedora" para o caso.
"A reconstituição foi fundamental para a continuidade das investigações e do trabalho da polícia. Se havia alguma dúvida, não há mais." Mais de 100 homens participaram da simulação que durou três horas e meia. Rayfran das Neves Sales, o "Fogoió", Amair Feijoli da Cunha, o "Tato", e Clodoaldo Carlos Batista, o "Du", acusados de envolvimento na morte da religiosa, foram colocados pela primeira vez frente a frente na cena do crime.
A 40 quilômetros de Anapu, local onde foi encontrado o corpo da missionária, os assassinos acusaram Tato de mentir no depoimento, enquanto mostravam o que aconteceu no dia da morte de Dorothy. "Esse foi o primeiro contato deles, desde o dia da morte da irmã. O Rayfran e o Clodoaldo estavam muito firmes e acusaram Tato o tempo todo de ser o mandante do crime", conta o delegado.
 De acordo com Waldir, os policiais foram até a casa de Vicente Soeira, dono do imóvel em que Dorothy dormiu na véspera do crime e de onde saiu até ser abordada na estrada por Rayfran, como confessou o preso em depoimento à Polícia Civil. Rayfran afirmou que a religiosa havia se despedido de um morador da área na estrada e, ao seguir em direção do assentamento Esperança, foi abordada por Rayfran e Clodoaldo.
Vestindo um colete à prova de balas, Rayfran disse também que cercou a irmã e passou a conversar com ela, enquanto Clodoaldo observava. Segundo o delegado, os depoimentos dos acusados se confirmaram na reconstituição, não tendo "um só furo". "Tudo batia no depoimento deles e na forma como mostraram que aconteceu." Os policiais simularam também a reunião dos colonos, ocorrida na casa de Vicente Soeira, na véspera do crime. Rayfran chegou a ir ao local, mas não conseguiu encontrar a irmã.
 De acordo com o depoimento, ele pretendia matá-la nesse dia. O delegado Waldir Freire disse que vai esperar a conclusão do relatório da perícia sobre a reconstituição, que deve ficar pronto em dez dias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEFESA
Major que atirou na cabeça do ex-namorado tinha medida protetiva
OPERAÇÃO LOBO GUARÁ
UEMS é selecionada para participar do Projeto Rondon em 2020
CAPITAL
Diarista cai em buraco na calçada, machuca perna e fica sem trabalhar
STF
Ex-sócio da Telexfree é preso pela PF e pode ser extraditado aos EUA
TRÊS LAGOAS
Técnico de enfermagem apanha em UPA e aciona a polícia
SAÚDE
Brasil monitora apenas um caso suspeito do novo coronavírus
NAVIRAÍ
Por dinheiro, policial facilitava entrada de celulares e droga em presídio
POLÍTICA
Nelsinho Trad oficializa pedido para reativar Parlamento Amazônico
CAMPO GRANDE
Durante discussão, major da PM atira contra o ex-namorado
TENTATIVA
Petroleiros suspendem greve após 20 dias para negociar acordo

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher ameaça se jogar de torre no Jardim Guaicurus
DOURADOS
Júri termina com réu condenado a 15 anos por matar desafeto em 2018
DOURADOS
Fechamento e promoções levam multidão a fazer fila em hipermercado
DOURADOS
Polícia vai ao Guaicurus e prende condenado por pedofilia