Menu
Busca domingo, 25 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221

PT quer eleger de 25 a 30 prefeitos, diz Zeca

14 dezembro 2003 - 12h29

O governador Zeca do PT disse hoje que a meta do PT é eleger de 25 a 30 prefeitos. Políticos do partido administram 11 das 77 cidades de Mato Grosso do Sul, entre elas Dourados e Ponta Porã. Hoje, o partido escolhe candidatos à sucessão via prévias em 17 cidades, incluindo Campo Grande.Segundo o governador, haverá empenho para o fortalecimento político nos municípios. Ele citou que definidas as candidaturas, o PT vai agora avaliar alianças. Entre os partidos que são prioridade na articulação citou os que compõem a base aliada, com destaque para o PL, PTB e PDT.O governador já havia dito que será cabo eleitoral de todos os candidatos do PT e dos aliados onde o partido não tiver candidatura própria. As declarações do governador foram feitas há pouco, após ele votar na prévia em Campo Grande. Concorrem à indicação pelos filiados o deputado federal Vander Loubet e o estadual Pedro Teruel.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUU!!
Débora Oliver faz cliques quentes para o Diamond Brazil
ASSEMBLEIA
Seminário sobre regularização fundiária urbana é o destaque da semana
LOTERIA
Apostas para a Dupla de Páscoa já podem ser feitas
PM E BOMBEIROS
ACS elege novo presidente em MS
ESTADO
Começa em abril inventário de plantas e solo do Cerrado de Mato Grosso do Sul
Veículos roubados que seriam levados para o Paraguai são recuperados
BRASIL
Conta-salário poderá ser transferida para instituições não financeiras
RECOMENDAÇÃO
Prefeito vai revogar doação de área a Arquidiocese de Campo Grande
MS/PR
Assaltantes se escondem em pântano e acabam presos
ESTADUAL
Federação adia fim da primeira fase após ajuste de tabela

Mais Lidas

NOVO HORIZONTE
Foragido da Justiça é preso após trocar tiros com policiais em Dourados
WILLIAM DENTE PODRE
Ladrão baleado após atirar contra a polícia morre em hospital
DOURADOS
Idoso morre ao ser atropelado na Monte Alegre
FÁTIMA DO SUL
População faz protesto e pedem Justiça no caso Débora