Menu
Busca domingo, 18 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
PROTESTO NA CAPITAL

Professores distribuem pizzas na Câmara em alusão a 45 dias em greve

08 julho 2015 - 13h30

Professores da Rede Municipal de Ensino (Reme) de Campo Grande levaram pizzas à Câmara Municipal, na sessão desta quarta-feira (8). O G1 MS informou que segundo eles, o movimento é em alusão aos 45 dias de greve da categoria, que por várias vezes foi à Casa de Leis pedir apoio dos vereadores na luta por melhoria salarial, e também ao Dia da Pizza.

A assessoria de imprensa da Câmara disse que "qualquer protesto desde que maneira ordeira é legítimo" e que a Casa é democrática, aberta a qualquer pessoa e a qualquer tipo de manifestação.

De acordo com o presidente do Sindicato Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP), Geraldo Gonçalves, foram compradas 50 pizzas com o Fundo de Greve.
Os professores montaram uma mesa em frente à Câmara e distribuíram as fatias, que eles chamam de 'lanche', a motoristas e outras pessoas que passam pelo local. Nas embalagens, os manifestantes escreveram nome dos vereadores representando os sabores das pizzas.
Para o plenário, foram levadas apenas as embalagens. Os professores oferecem as pizzas pelos 'sabores' e até fizeram uma espécie de 'rodízio'. Por várias vezes, os vereadores pediram que os grevistas fizessem silêncio para que a sessão continuasse.

"A Câmara pode ser considerada a melhor pizzaria da cidade. O prefeito propôs a lei, aprovada pelos vereadores, sancionada, porém não cumpriu. Tudo acabou em pizza", justifica o professor Deroci da Silva Feitosa, de 32 anos.

Para o vereador Chocolate (PP), os parlamentares estão levando "puxão de orelha" e não podem solucionar a questão. "Estão puxando nossa orelha como se tivéssemos poder para resolver esse impasse".

Greve

Ainda de acordo com informações do G1 MS, os professores estão parados desde 25 de maio. Segundo Gonçalves, eles já foram 13 vezes à Câmara Municipal pedir apoio dos vereadores para reunião com o prefeito Gilmar Olarte (PP). Eles afirmam que o chefe do Executivo não se reuniu com a categoria em nenhum momento.

A classe quer a integralização do piso e o reajuste mínimo de 13,01%. A prefeitura já fez várias propostas e todas foram rejeitadas. Os professores já fizeram vários protestos. A Justiça até impôs limites às manifestações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Comissão sobre Escola sem Partido faz nova tentativa de votar relatório
POLÍTICA
Em encontro com Maia e Bolsonaro, governadores defendem votação de projetos para enfrentar crise
ECONOMIA
União já pagou este ano R$ 3,5 bi em dívidas atrasadas dos estados
TRÊS LAGOAS
Homem cai em golpe ao tentar comprar carro na internet
MATO GROSSO DO SUL
Edital para inserção de jovens no mercado de trabalho está aberto até dezembro
Processo visa a seleção de entidades que possam atuar, em parceria com a SED, no acompanhamento de estudantes, matriculados no ensino médio, para a atuação profissional.
TV
Samantha Schmütz celebra papel dramático em 'Carcereiros': 'Porta para o público me ver de uma maneira diferente'
CAPITAL
Motorista sem CNH fura sinal, foge da polícia e acaba preso dentro de casa
BRASIL
Defensoria Pública pede à Justiça manutenção de regras do Mais Médicos
FAMOSA
Susana Vieira abre o jogo sobre luta contra a leucemia: “Perguntei ao médico quando vou morrer”
CAPITAL
Mais de 20 acidentes foram registrados nesta madrugada em Campo Grande

Mais Lidas

DOURADOS
Bandido armado faz arrastão do Flórida ao Centro durante a noite
DOURADOS
Dupla desobedece ordem de parada, é perseguida e acaba presa em flagrante por porte de arma
CAMPO GRANDE
Homem se joga do 9° andar de hotel luxuoso na Capital
NOVA ALVORADA DO SUL
Acidente entre dois veículos termina com dois feridos e BR-163 interditada