Menu
Busca Sexta, 20 de Outubro de 2017
(67) 9860-3221
Corpal Novo site
MS

Produtor quer popularizar o preço da pitaya

12 Agosto 2017 - 09h30

Popularizar o preço da pitaya. Essa é a intenção do produtor Gervásio Graeff, atendido pelo Programa de Assistência Técnica e Gerencial – ATeG "Hortifrúti Legal", do Senar/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Foi no cultivo da fruta que ele encontrou a alternativa para diversificar as atividades da propriedade rural, baseada na pecuária de corte, com a cria de animais.

Em uma área de um hectare, onde havia pasto, 500 pés de pitaya passaram a ocupar o espaço. "Aqui se planta a fruta para ganhar dinheiro", afirma Graeff. A primeira safra rendeu 180 quilos. As vendas foram por encomendas e entregues também a um sacolão. A freguesia: os campo-grandenses. A comercialização da "produção piloto" variou de R$ 20 a R$ 40 o quilo. "Não deu para quem quis", declara.

De acordo com o técnico do Hortifrúti Legal, José Loreto, as despesas dependem da adoção do sistema de implantação pelo produtor. Segundo ele, o custo de produção – implantação, manutenção, embalagem, transporte - é de R$ 4,70 por quilo. A taxa de retorno do produtor, considerando uma média de R$ 30 o quilo, foi cinco vezes maior que o custo de produção.

Os resultados satisfatórios vieram após investimentos em mudas, infraestrutura para sustentação dos pés, correção do solo e sistema de irrigação, por meio das fitas gotejadoras. O pomar vem dando frutos, literalmente. Como a cultura é anual, ele consorciou com a melancia. Graeff almeja para a próxima safra, nos meses de janeiro e fevereiro, o montante de 2 mil quilos de pitaya. Para isso, já preparou o solo e fez as covas para o plantio de mais 500 pés da frutífera.

"É resistente à seca e pode ser cultivada em qualquer época, assim é a pitaya. Estamos trabalhando, pesquisando, para impulsionar a produção. É um mercado ainda pouco conhecido, mas bem promissor. Os produtores querem ampliar a produção para atingir o preço ideal entre R$ 10 e R$ 15 o quilo. Quanto mais vender, mais se produz, e vice-versa", diz o técnico de campo.

Vitrine da pitaya – Esses dados foram apresentados no 1º Encontro de Produtores sobre a cultura da Pitaya promovido pelo Sindicato Rural de Figueirão. O evento contou com a participação de 30 produtores interessados na atividade. Entre eles, Olídia Ferreira Barbosa, que ficou impressionada com o sucesso do cultivo do conterrâneo. "É uma possibilidade e tanta. Jamais imaginava que em Figueirão pudéssemos produzir pitaya. Eu mesma desconhecia a fruta, mesmo assim vou levar uma muda para casa, quem sabe darei continuidade a esse trabalho. O ATeG tem sido fundamental, pois nos tem motivado com conhecimento e tecnologias", reforça a produtora sobre a assistência técnica e gerencial do Senar/MS.a

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Cartão de confirmação da inscrição do Enem já está disponível
DOURADOS
Ladrão invade metalúrgica e leva computadores
CHUVOSO
Sol tira folga e final de semana deve ser com chuva em Dourados
PARQUE DO IVINHEMA
Incêndio que consumiu 28 mil hectares de parque é controlado
EDUCAÇÃO
Termina hoje prazo de inscrição do Enem para privados de liberdade
TELEVISÃO
Internautas se surpreendem com Vinicius D'black no 'The Voice Brasil'
FRONTEIRA EM GUERRA
Brasileiros são executados em Pedro Juan Caballero
DOURADOS
Atendimento de ônibus deve zerar fila de exames de mamografia
ESPORTES
27ª edição da Corrida e da Caminhada da Saúde será no domingo
SAÚDE&ESTÉTICA
Conhecida também como faringite, dor de garganta é comum nesta época do ano

Mais Lidas

VENTO E TERRA
Ventos e ‘tempestade de terra’ deixa douradenses em estado de atenção
VENTANIA
Internautas captam várias imagens da ‘tempestade de terra’ em Dourados; confira
VENTOS DE 46KM/H
Vídeo mostra árvore “esmagando” veículo em Dourados
ESTRELA PORÃ
Pai é suspeito de ter estuprado a filha em Dourados