Menu
Busca quarta, 21 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

TJ-MS suspende quebra de sigilo bancário da Assembleia Legislativa

04 janeiro 2013 - 08h05

O Tribunal de Justiça em Mato Grosso do Sul (TJ-MS) derrubou liminar que determinava a quebra do sigilo bancário da Assembleia Legislativa, conforme pedido feito em ação popular protocolada por um grupo de advogados. A solicitação foi feita com base nas investigações na Operação Uragano, da Polícia Federal, que apurou desvio de verbas e fraudes em licitações em Dourados.

A suspensão da liminar foi dada no dia 27 de dezembro, durante o plantão do recesso do fim do ano, pelo desembargador João Batista da Costa Marques, vice-presidente do tribunal. O magistrado acatou os argumentos da assessoria jurídica da Assembleia Legislativa. “(...) não é razoável a decretação da quebra de sigilo bancário quando o processo não se mostra maduro o suficiente para concessão de tal medida (...)”.

O advogado Jully Heyder da Cunha Souza, um dos requerentes do processo, disse que o grupo reuniu-se na quarta-feira (2) e irá recorrer da decisão. Souza explicou que inicialmente será protocolado um agravo de instrumento para que um órgão especial, formado por 15 desembargadores, avalie a decisão dada pelo vice-presidente. Caso seja negado, um outro recurso será impetrado no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

###Decisão
Na decisão que suspendeu a quebra, Marques avalia que o processo protocolado pelos advogados está baseado em reportagens veiculadas sobre a Operação Uragano, entre elas, o vídeo em que ex-deputado estadual Ary Rigo, fala sobre um suposto esquema de pagamentos que envolveria Assembleia Legislativa e ocupantes de cargos públicos no Executivo e Judiciário.

No despacho, consta: “(...) é certo que reportagens jornalísticas não podem ser consideradas como prova robusta para concessão de medida tão drástica como a quebra de sigilo bancário”. À época, Rigo negou envolvimento no caso e disse que o vídeo foi retirado de um contexto.

Segundo a decisão, o desembargador avalia que não há perigo imediato caso a quebra de sigilo não seja concedida, pois os dados podem ser solicitados a qualquer momento.

###Operação Uragano
A operação foi deflagrada pela Polícia Federal no dia 1º de setembro de 2010, em investigação a desvio de verbas e fraudes em licitações em Dourados. Segundo a Justiça em Mato Grosso do Sul, 60 pessoas foram denunciadas, acusadas de se beneficiar do esquema.

Na ação popular, o grupo pede a restituição dos valores que teriam sido desviados e, para isso, a quebra de sigilo seria necessária para averiguar esse montante.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LOTERIA
Prêmio da Mega deve pagar R$ 31 milhões nesta quarta
MIRANDA
Prefeita é afastada por compra de votos e TRE/MS determina novas eleições
DOURADOS
Na ExpoMundi, stand sulista mata a saudade das delícias do Rio Grande
BRASIL
Lava Jato cumpre mandados de prisão por propina paga a 2 ex-ministros
CAMPO GRANDE
Nelsinho Trad intervém pela proposta do irmão em transformar hotel em casas populares
JUDICIÁRIO
Casos de facções rivais e de serial killer estão entre os júris da semana
JAPORÃ
Suspeito de tentativa de homicídio é preso no Sul do MS
REGIÃO
Em Jateí, programa de combate ao tabagismo incentiva mudança de hábitos e promove qualidade de vida
LEGISLATIVO DE MS
Proposta quer penalizar locadora com veículo licenciado fora de MS
ESTADO
Com a inauguração em Ribas do Rio Pardo, 34 municípios passam a contar com Procon

Mais Lidas

DOURADOS
Ladrão é preso acusado no furto de carro, R$ 30 mil em joias e eletrônicos
ESTUPRO
Homem é preso após dormir com a namorada de 11 anos
POLÍCIA
Integrante de quadrilha especializada em roubo à famílias é apresentado pelo SIG
JOAQUIM TEIXEIRA ALVES
Mulher perde quase R$ 4 mil em assalto no Centro de Dourados