Menu
Busca quinta, 24 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

TJ-MS suspende quebra de sigilo bancário da Assembleia Legislativa

04 janeiro 2013 - 08h05

O Tribunal de Justiça em Mato Grosso do Sul (TJ-MS) derrubou liminar que determinava a quebra do sigilo bancário da Assembleia Legislativa, conforme pedido feito em ação popular protocolada por um grupo de advogados. A solicitação foi feita com base nas investigações na Operação Uragano, da Polícia Federal, que apurou desvio de verbas e fraudes em licitações em Dourados.

A suspensão da liminar foi dada no dia 27 de dezembro, durante o plantão do recesso do fim do ano, pelo desembargador João Batista da Costa Marques, vice-presidente do tribunal. O magistrado acatou os argumentos da assessoria jurídica da Assembleia Legislativa. “(...) não é razoável a decretação da quebra de sigilo bancário quando o processo não se mostra maduro o suficiente para concessão de tal medida (...)”.

O advogado Jully Heyder da Cunha Souza, um dos requerentes do processo, disse que o grupo reuniu-se na quarta-feira (2) e irá recorrer da decisão. Souza explicou que inicialmente será protocolado um agravo de instrumento para que um órgão especial, formado por 15 desembargadores, avalie a decisão dada pelo vice-presidente. Caso seja negado, um outro recurso será impetrado no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

###Decisão
Na decisão que suspendeu a quebra, Marques avalia que o processo protocolado pelos advogados está baseado em reportagens veiculadas sobre a Operação Uragano, entre elas, o vídeo em que ex-deputado estadual Ary Rigo, fala sobre um suposto esquema de pagamentos que envolveria Assembleia Legislativa e ocupantes de cargos públicos no Executivo e Judiciário.

No despacho, consta: “(...) é certo que reportagens jornalísticas não podem ser consideradas como prova robusta para concessão de medida tão drástica como a quebra de sigilo bancário”. À época, Rigo negou envolvimento no caso e disse que o vídeo foi retirado de um contexto.

Segundo a decisão, o desembargador avalia que não há perigo imediato caso a quebra de sigilo não seja concedida, pois os dados podem ser solicitados a qualquer momento.

###Operação Uragano
A operação foi deflagrada pela Polícia Federal no dia 1º de setembro de 2010, em investigação a desvio de verbas e fraudes em licitações em Dourados. Segundo a Justiça em Mato Grosso do Sul, 60 pessoas foram denunciadas, acusadas de se beneficiar do esquema.

Na ação popular, o grupo pede a restituição dos valores que teriam sido desviados e, para isso, a quebra de sigilo seria necessária para averiguar esse montante.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Arquitetura e Urbanismo do IFMS tem maior concorrência no 1º dia do Sisu
NAVIRAÍ
Trio é preso com revólver e maconha quando iam dar uma ‘voltinha’
EDUCAÇÃO
Em Semana Pedagógica, Senai alinha ações e calendário de atividades para 2019 no Estado
INSPIRE-SE
Apartamento de 46 m² com cozinha escondida e adega suspensa
CAPITAL
Governo reforça segurança no Aquário do Pantanal
DOURADOS
Festa com adolescentes e bebidas alcoólicas termina com 12 pessoas na delegacia
DADOS
Detran-MS é o primeiro do país a dispor de painel atualizado com números do trânsito
GOVERNO
Na Capital Federal, Reinaldo Azambuja se reúne com governadores do Brasil Central e ministros de Bolsonaro
FUTEBOL
Sorteio de grupos da Copa América será feito hoje no Rio de Janeiro
PRESIDENTE
Tudo o que falamos em Davos temos condições de fazer, diz Bolsonaro

Mais Lidas

OPERAÇÃO PREGÃO
Ex-secretário de Fazenda João Fava Neto é preso na Capital
POLÍCIA
Rapaz vai parar na cadeia após ser flagrado empinando moto em Dourados
POLÍCIA
Homem é flagrado com mais de 150 kg de cocaína em fundo falso de caminhão
PARANHOS
Sogro de narcotraficante é executado a tiros na região de fronteira