Menu
Busca quinta, 19 de setembro de 2019
(67) 9860-3221
JUDICIÁRIO

STF impede Bolsonaro de extinguir via decreto conselhos criados por lei

13 junho 2019 - 19h50Por G 1

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira, dia 13 de junho, por unanimidade impedir que o presidente Jair Bolsonaro extinga, por decreto, conselhos da administração federal que tenham amparo em lei.

Durante o julgamento, o plenário se dividiu em duas posições: os que votaram para impedir o presidente de extinguir, por ato unilateral, qualquer conselho da administração pública federal, e os que entenderam que a proibição ficava restrita apenas aos conselhos mencionados em leis.

A decisão é liminar (provisória) e o tema ainda terá de ser discutido definitivamente pelo plenário da Corte em julgamento ainda sem data marcada.

Esta foi a primeira vez que a Suprema Corte analisou uma ação que contesta ato de Bolsonaro como presidente da República.

O caso começou a ser julgado nesta quarta-feira (12) e foi finalizada na sessão desta quinta, com os votos do presidente Dias Toffoli e do ministro Gilmar Mendes.

A ação julgada, apresentada pelo PT, contesta dois dispositivos do decreto assinado em abril por Bolsonaro nas comemorações dos primeiros 100 dias de governo.

O ato presidencial determinou a extinção, a partir de 28 de junho, de conselhos, comissões, fóruns e outras denominações de colegiados da administração pública.

Com os votos de Gilmar Mendes e Dias Toffoli nesta quinta, aderindo à última corrente, o plenário decidiu por maioria impedir, provisoriamente, Bolsonaro de fechar os colegiados previstos em lei.

“Nenhuma dúvida de que o decreto não poderia extinguir colegiados criados por lei”, afirmou Gilmar Mendes nesta quinta-feira. ”O Executivo não pode legislar por decreto”, ressaltou o ministro, para quem “norma malfeita causa confusão”.

Gilmar e Toffoli aderiram ao voto do relator, ministro Marco Aurélio Mello, que já havia sido acompanhado por Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski e Luiz Fux.

Os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Celso de Mello votaram para ampliar a proibição de extinção a todos os conselhos, mas acabaram vencidos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
Seleção brasileira recua para 3ª posição no ranking masculino da Fifa
DOURADOS
Prefeitura vai licitar empresa para gerenciamento e manutenção da frota
DOURADOS
Polícia fecha “boca do Matrix” e prende acusado de vários furtos no Centro
CAPITAL
Com ajuda de cães farejadores, polícia apreende 36,2 kg de cocaína
POLÍTICA
Minirreforma eleitoral divide bancada de MS ao ser aprovada na Câmara dos Deputados
OBRA PARADA
Prazo para retirada dos primeiros editais do Aquário do Pantanal termina dia 27
CLIMA
Dourados pode ter setembro mais seco em 40 anos
BRASIL
PF cumpre mandados em gabinetes do líder do governo e de seu filho
COMBATE AO TRÁFICO
Após apreensão de 1,6t de maconha na fronteira, polícia cumpre mandados de prisão na Capital
TELEVISÃO
'A Fazenda' começa morna e com famosos que poucos conhecem

Mais Lidas

DOURADOS
De assaltante frustrado a autor de furto, jovem agora é apontado como assassino frio e cruel
DOURADOS
“Terror”: Empresário foi agredido e ameaçado de morte durante roubo de joias
CRIME BRUTAL
Após matar pai e filho, assassino arrancou cérebro de menor e manteve fogo aceso para queimar corpos
DOURADOS
Interno foge da PED durante trabalho de manutenção