Menu
Busca terça, 14 de agosto de 2018
(67) 9860-3221
POLITICA

Senado adia decisão sobre afastamento de Aécio determinado pelo STF

04 outubro 2017 - 06h36Por Agência Brasil

Após três horas de discussões, os senadores decidiram adiar a votação que pode revisar o afastamento do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG), determinado na semana passada pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Por 50 votos a 21, os parlamentares aprovaram um requerimento subcrito por cinco senadores pedindo que a votação ocorra somente no dia 17 de outubro.

O motivo é o julgamento pelo STF de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, marcado para o próximo dia 11, que questiona a necessidade ou não de aval do Legislativo para que o Judiciário possa aplicar medidas cautelares contra parlamentares. Como a decisão pode, na prática, reverter as medidas impostas pelos ministros do Supremo contra Aécio, a maioria dos senadores preferiu adiar a votação em busca de um consenso entre os Poderes Legislativo e Judiciário.

A maioria dos parlamentares se posicionou favorável aos seis pedidos feitos para adiar a sessão. Além da bancada do PSDB, apenas alguns senadores defenderam que a votação ainda ocorresse ontem, entre eles Renan Calheiros (PMDB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA), Roberto Requião (PMDB-PR) e Lasier Martins (PSD-RS).

Antes de abrir o painel para a votação nominal do requerimento, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse que, com o adiamento, a Casa daria uma "oportunidade de a própria Suprema Corte, em seu poder de autotutela" revisar a decisão tomada pela Primeira Turma "por meio do pleno". "Chegado o dia 17, no entanto, essa Casa poderá decidir-se à deliberação do ofício [que trata do afastamento de Aécio], que estará prejudicada uma vez que se for reformada a decisão pelo Supremo", afirmou.

"Nós acabamos de 'desvotar'. Meus cumprimentos à maioria do Senado", criticou o senador Jader Barbalho. Como hoje o ministro Edson Fachin decidiu rejeitar os mandados de segurança apresentados por Aécio e o PSDB, o senador permanece afastado de suas funções e em recolhimento domiciliar noturno.

Após a sessão, Eunício Oliveira disse que o resultado "demonstra interesse" da Presidência do Congresso Nacional de dialogar com os demais Poderes. "O plenário [do STF] pode rever uma posição que era de divergência interna em uma das suas turmas, mas não fulanizando. Não sendo para A ou para B, mas para a preservação do que é mais importante da democracia, que é a obediência à Constituição brasileira".

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUUU!!
Susana Werner posa de biquíni fio e rende elogios no Instagram
AUDIÊNCIA
Gestores cobram da União percentual fixo para gastos com saúde
DOURADOS
Pais são homenageados pelo grupo ABV
EDUCAÇÃO
Simpósio de Cirurgia Plástica será realizado em Dourados
MEIO AMBIENTE
Onça-pintada resgatada recebe tratamento em universidade de MS
ELEIÇÕES 2018
Amôedo registra e já são seis candidatos à presidência oficializados no TSE
RIBAS DO RIO PARDO
Polícia faz operação contra revendas clandestinas de botijões
BRASIL
Governo e concessionárias discutem relicitação no setor de transportes
MS-376
Motorista perde controle e carreta cai em ribanceira
SECURA
Após dias chuvosos, umidade do ar volta a baixar e bate 25% em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Homem encontrado morto em obra estava desaparecido desde sexta-feira
DOURADOS
Homem é encontrado morto em obra com as mãos e pés amarrados
DOURADOS
Rapaz foi morto com duas facadas no pescoço
DOURADOS
Corpo é encontrado no Jardim Carisma