Menu
Busca quarta, 22 de maio de 2019
(67) 9860-3221

Para não contrariar ‘desejo do povo’, DEM pode largar PMDB em 2014

09 dezembro 2012 - 15h09

Em encontro estadual do DEM, o presidente regional, deputado estadual Zé Teixeira (DEM), indicou a possibilidade de o partido largar a tradicional aliança com o PMDB se o “desejo do povo” for por mudança, como ocorreu nas eleições de Campo Grande com o fim da hegemonia de 20 anos dos peemedebistas à frente da prefeitura.

Segundo ele, relações pessoais não vão nortear o destino do partido nas eleições de 2014 porque “o desejo do povo não pode ser contrariado”. A declaração surgiu em resposta a questionamento sobre a possibilidade de a ligação do deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM) com o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) pesar na hora de o DEM definir seu rumo em 2014.

“Não podemos fazer política por ligação pessoal de um com o outro. É preciso ser partidário”, defendeu Zé Teixeira. Segundo ele, o DEM está de portas abertas para todas as legendas, inclusive para o PT, rival no plano nacional. “Vamos conversar com todos”, avisou.

O deputado, inclusive, indicou existir “um namoro” com o senador Delcídio do Amaral (PT), pré-candidato à sucessão do governador André Puccinelli (PMDB). “Não existe casamento sem namoro”, ponderou Zé Teixeira. Ele, no entanto, deixou claro que a voz do povo irá determinar o destino no partido na sucessão estadual. “O desejo do povo não pode ser contrariado”, reforçou.

Resistência

Mandetta, por sua vez, considerou normal o “flerte” de Zé Teixeira com Delcídio, mas sinalizou não deixar de tentar ajudar seu primo Nelsinho Trad. “A paquera é livre, todo namoro começa com um assobio”, disse. Para ele, “quem for melhor de paquera” vai ganhar a disputa. “E olha que eu sou bom de paquera”, avisou a Zé Teixeira.

Também fiel aliado de Nelsinho, o vereador Airton Saraiva, presidente municipal do DEM, não pensa em largar o PMDB e aproveitou a presença de Puccinelli no evento para cobrar apoio do governo aos seis prefeitos eleitos pelo partido. “Sempre fiel a vossa excelência, espero que nos retribua dando condições de trabalho aos nossos prefeitos”, apelou ao governador.

Indagado sobre a possibilidade de perder o apoio do tradicional aliado, Puccinelli reagiu com tranqüilidade. “É um direito que eles têm de paquerar”, afirmou sobre as conversas de Zé Teixeira com Delcídio. Sobre a possibilidade de intervir para assegurar o DEM em seu arco de aliança, ele ponderou que “2014 está tão longe”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE
Motorista pega no sono e bate caminhão na traseira de outro na BR-163
FUTEBOL
Fifa desiste de fazer Copa do Mundo do Catar com 48 seleções
CRIME AMBIENTAL
Ambiental fecha suinocultura instalada em área protegida de nascentes
JUSTIÇA
Banco é condenado a ressarcir cheque extraviado de R$ 29 mil
UEMS
Estão abertas as inscrições para a VI edição do Enepex
CULTURA
Sexta edição do Bonito Blues & Jazz Festival acontece no feriado de Corpus Christi
CAPITAL
Após horas de terror, motorista feito refém diz que vai deixar a profissão
REFORMA ADMINISTRATIVA
Câmara aprova redução do nº de ministérios e mantém Coaf na Economia
TRÊS LAGOAS
Jovem é flagrado com plantação de maconha em casa: 'Fiz para evitar traficantes'
JUDICIÁRIO
STF restringe acesso a remédios de alto custo sem registro na Anvisa

Mais Lidas

DOURADOS
Presos fazem motim na PED em ala ocupada por membros de facção criminosa
POLÍCIA
Após pescaria, marido encontra desconhecido na frente de casa e ameaça mulher com arma em Dourados
ACIDENTE
Motociclista avança preferencial, colide com outra moto e morre
EDUCAÇÃO
Greve atinge escolas em Dourados e prejudica merenda, inspeção e limpeza