Menu
Busca quinta, 19 de abril de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CRA

Para não contrariar ‘desejo do povo’, DEM pode largar PMDB em 2014

09 dezembro 2012 - 15h09

Em encontro estadual do DEM, o presidente regional, deputado estadual Zé Teixeira (DEM), indicou a possibilidade de o partido largar a tradicional aliança com o PMDB se o “desejo do povo” for por mudança, como ocorreu nas eleições de Campo Grande com o fim da hegemonia de 20 anos dos peemedebistas à frente da prefeitura.

Segundo ele, relações pessoais não vão nortear o destino do partido nas eleições de 2014 porque “o desejo do povo não pode ser contrariado”. A declaração surgiu em resposta a questionamento sobre a possibilidade de a ligação do deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM) com o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) pesar na hora de o DEM definir seu rumo em 2014.

“Não podemos fazer política por ligação pessoal de um com o outro. É preciso ser partidário”, defendeu Zé Teixeira. Segundo ele, o DEM está de portas abertas para todas as legendas, inclusive para o PT, rival no plano nacional. “Vamos conversar com todos”, avisou.

O deputado, inclusive, indicou existir “um namoro” com o senador Delcídio do Amaral (PT), pré-candidato à sucessão do governador André Puccinelli (PMDB). “Não existe casamento sem namoro”, ponderou Zé Teixeira. Ele, no entanto, deixou claro que a voz do povo irá determinar o destino no partido na sucessão estadual. “O desejo do povo não pode ser contrariado”, reforçou.

Resistência

Mandetta, por sua vez, considerou normal o “flerte” de Zé Teixeira com Delcídio, mas sinalizou não deixar de tentar ajudar seu primo Nelsinho Trad. “A paquera é livre, todo namoro começa com um assobio”, disse. Para ele, “quem for melhor de paquera” vai ganhar a disputa. “E olha que eu sou bom de paquera”, avisou a Zé Teixeira.

Também fiel aliado de Nelsinho, o vereador Airton Saraiva, presidente municipal do DEM, não pensa em largar o PMDB e aproveitou a presença de Puccinelli no evento para cobrar apoio do governo aos seis prefeitos eleitos pelo partido. “Sempre fiel a vossa excelência, espero que nos retribua dando condições de trabalho aos nossos prefeitos”, apelou ao governador.

Indagado sobre a possibilidade de perder o apoio do tradicional aliado, Puccinelli reagiu com tranqüilidade. “É um direito que eles têm de paquerar”, afirmou sobre as conversas de Zé Teixeira com Delcídio. Sobre a possibilidade de intervir para assegurar o DEM em seu arco de aliança, ele ponderou que “2014 está tão longe”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MALHA VIÁRIA
Investimento na MS-156 diminui tempo da viagem pela metade
MINAS GERAIS
Brumadinho guarda uma das maiores preciosidades cultural e natural do país
TRANSPORTE AÉREO
Demanda por voos domésticos tem melhor 1º trimestre desde 2015
MODA
Inverno 2018 aposta em roupas com veludo
SAUDÁVEL
Receita de panqueca leva banana, pasta de amendoim e calda de cacau
MAIOR RIGOR
Entra em vigor pena maior para motorista bêbado que mata em acidente
VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL
Prêmio Nacional de Educação Fiscal abre inscrições a partir de hoje
DOURADOS
PM realiza operação no trânsito, apreende 13 veículos e oito motocicletas
CINEMA
Cineclube UFGD inicia sessões de gratuitas no sábado
DOURADOS
No Dia do Exército, solenidade homenageia personalidades na 4ª Brigada

Mais Lidas

ITAPORÃ
Mortos em troca de tiros após assalto eram de Dourados
SEGURANÇA PÚBLICA
Em comunicado, PCC convoca integrantes para “alerta geral”
TENSÃO EM MS
Presos tentam impedir pente-fino na PED, mas agentes fazem ‘limpa’
DOURADOS
Após invadir Ceim, dupla ameaça vigia de morte e rouba equipamentos