Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 9860-3221

MS cria políticas para ajudar no custeio dos hospitais

18 dezembro 2003 - 15h51

Com o Programa de Apoio à Alimentação e aos Medicamentos Hospitalares, o governo de Mato Grosso do Sul demonstra que não se preocupa apenas em construir, reformar e equipar hospitais, mas também em criar políticas públicas para ajudar na manutenção das unidades hospitalares, afirmou o governador Zeca do PT, na manhã desta quinta-feira, no lançamento da ação, que aconteceu na Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos (CDRH), em Campo Grande. Zeca elogiou a postura dos diretores dos hospitais que serão beneficiados com o programa, que em alguns casos chegam a aplicar recursos próprios para manter a qualidade do atendimento a população, e disse que o governo do Estado pretende aumentar ainda mais o auxilio a essas instituições de saúde, desenvolvendo em um futuro próximo, um programa de qualificação profissional, que possibilitará que o Executivo Estadual ajude na remuneração dos profissionais de saúde que trabalham nessas unidades. “Queremos acabar com ‘ambulancioterapia’, em que uma pessoa ficava doente no interior, e colocavam ela numa ambulância e mandavam para Campo Grande. À medida que vamos construindo e equipando novos hospitais, reformando os que já existiam, construindo novos postos de saúde da família e organizando a nossa rede de atendimento criamos condições para que as pessoas primeiro sejam atendidas em suas casas, através do Programa de Saúde da Família, e só depois, caso não seja resolvido o problema pelo hospital do município, os casos mais graves pelo hospital pólo e somente os casos mais complexos pelos hospitais de referência. Mas não é só isso, sabemos das dificuldades que vivem os nossos hospitais, e à medida que sobram recursos desses obras, temos mais condições de ajudar no custo operacional desses hospitais, para desenvolver programas como este, e depois como o programa de qualificação profissional”, comentou o governador. O programa atenderá os 78 hospitais públicos ou mantidos por sociedades beneficentes de 66 municípios do Estado, fornecendo a essas instituições bolsas de alimentos compostas por 27 itens e bolsas de medicamentos com 43 itens. O número de bolsas alimentação (na razão de uma para cada dez pacientes internados) e medicamento (uma para cada 20 pacientes internados) foi definido pela Secretaria de Saúde (gestora do programa) tomando por base o número de pessoas internadas em cada hospital. Segundo o secretário de Saúde, João Paulo Barcellos Esteves, que também participou da solenidade, o programa não é assistencialista, mas sim um co-financiamento destinado apenas as instituições não lucrativas

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Homem é preso após furtar tela de Associação de Moradores
ECONOMIA
Dólar fecha em queda com foco no Fed e aposentadoria dos militares
CRIME AMBIENTAL
Desmatamento gera multa de R$ 41 mil a produtor rural
IBOPE
Aprovação do governo Bolsonaro cai 15 pontos e chega a 34%
TEMPO
Caarapó é castigada com mais de 70 mm de chuva
TJMS
Juiz da infância de Dourados é promovido a desembargador do TJ
TRAGÉDIA
Brumadinho: total de mortes confirmadas sobe para 209
FUTEBOL DE MS
Primeira fase do Estadual termina sem troca de técnicos
DOURADOS
Defesa Civil mantém alerta com “chuvarada” que deve continuar na região
RESSOCIALIZAÇÃO
Artesã ensina detentas a confeccionar bonecas de pano

Mais Lidas

PREJUÍZO
Chuva forte derruba árvores e deixa ruas alagadas em Dourados
DOURADOS
Pai e madrasta de criança morta por agressão vão a júri popular
FRONTEIRA
Homem é executado enquanto tomava tereré na frente de açougue
IMPETUS
“Central de inteligência” do PCC que planejava matar servidores de MS é desarticulada na PED