Menu
Busca sábado, 15 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
ELEIÇÕES 2018

Marun defende general com passagem por Dourados à presidência

03 outubro 2017 - 09h53Por Adriano Moretto

“Cão de guarda” do governo Michel Temer (PMDB) e relator da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) da JBS, o deputado federal por Mato Grosso do Sul, Carlos Marun (PMDB) defendeu o nome do general Sérgio Etchegoyen, que comandou a 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Dourados, por dois anos, como o nome para a presidência. 


O militar ocupa atualmente o cargo de ministro do Gabinete de Segurança Institucional e teria sido convidado a ingressar no PMDB.


O depoimento de Marun foi dado em entrevista ao site Congresso em Foco, publicada na manhã desta terça-feira (3).


“Eu defendo a candidatura do general Sérgio Etchegoyen. A filiação do general ao PMDB e um projeto de rumo para o Brasil. O Brasil não tem rumo. A liberdade virou libertinagem”, disse em entrevista.

O parlamentar também aproveita para provocar o colega de Congresso, deputado Jair Bolsonaro (PSC), a qual chama de factoide.


“Para mim, o Bolsonaro é um factoide neste momento, com todo respeito. Mas, na verdade, ele saiu daqueles 10% e mobilizou um outro grupo de pessoas. Mas defendo o nome do general não para contrapor Bolsonaro. Não tenho preconceito. Se um general for eleito, pode ser. Não quero um general presidindo o país pela força de um destacamento policial, um pelotão do Exército, isso não. As esquerdas já apoiaram o Marechal Lott. No final da ditadura militar, o MDB apoiou um general contra o Figueiredo [Euler Bentes Monteiro, que em 1978 enfrentou o general João Figueiredo no colégio eleitoral]. Entendo que o Brasil precisa ter um rumo, que não estamos tendo. Virou a casa da mãe Joana. Entendo que o general Etchegoyen seria um excelente candidato. Espero que ele aceite se filiar e se transformar numa opção do PMDB”, contou.


Na mesma entrevista, Marun diz que, caso o seu partido não tenha nomes à presidência no ano que vem, apoiar o atual prefeito de São Paulo, João Dória Júnior, hoje no PSDB, seria mais viável, desde que troque de partido.


“O DEM busca a filiação do Doria. Se o PMDB não tiver candidato a presidente, o apoio ao Doria é o que vejo com maior viabilidade. Tem sido mais claro em algumas posições”, resumiu. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Caso João de Deus pode ter envolvimento de 4 funcionários
DOURADOS
Sábado quente e com probabilidade de chuva
MS
Governador reeleito fala sobre regionalização da saúde e de "transparência", em diplomação
BRASIL
Temer assina extradição de Cesare Battisti
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar R$ 42 milhões neste sábado
MS
Diplomados pelo TRE/MS 24 deputados estaduais eleitos em 2018
SHOWBIZ
De biquíni, Bia e Bianca Feres fazem pose de ioga e brincam: "esquenta"
EDUCAÇÃO
Matrículas da Reme seguem até o dia 13 de janeiro pela internet
CAMPO GRANDE
Justiça mantém prisão de militar que usou veículo de motorista pagar agiota
UEMS
DVD do Festival da Canção será lançado em congresso internacional

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é assassinado a facadas horas após sair da prisão
DOURADOS
Homem morto a facadas foi preso em novembro por tentar atropelar a mulher
ITAPORÃ
Operação mira roubos encomendados de dentro da PED
CRIME AMBIENTAL
Polícia fecha rinha de galo em Dourados e homem é multado em mais de R$ 16 mil