Menu
Busca quarta, 20 de junho de 2018
(67) 9860-3221
ELEIÇÕES 2018

Marun defende general com passagem por Dourados à presidência

03 outubro 2017 - 09h53Por Adriano Moretto

“Cão de guarda” do governo Michel Temer (PMDB) e relator da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) da JBS, o deputado federal por Mato Grosso do Sul, Carlos Marun (PMDB) defendeu o nome do general Sérgio Etchegoyen, que comandou a 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Dourados, por dois anos, como o nome para a presidência. 


O militar ocupa atualmente o cargo de ministro do Gabinete de Segurança Institucional e teria sido convidado a ingressar no PMDB.


O depoimento de Marun foi dado em entrevista ao site Congresso em Foco, publicada na manhã desta terça-feira (3).


“Eu defendo a candidatura do general Sérgio Etchegoyen. A filiação do general ao PMDB e um projeto de rumo para o Brasil. O Brasil não tem rumo. A liberdade virou libertinagem”, disse em entrevista.

O parlamentar também aproveita para provocar o colega de Congresso, deputado Jair Bolsonaro (PSC), a qual chama de factoide.


“Para mim, o Bolsonaro é um factoide neste momento, com todo respeito. Mas, na verdade, ele saiu daqueles 10% e mobilizou um outro grupo de pessoas. Mas defendo o nome do general não para contrapor Bolsonaro. Não tenho preconceito. Se um general for eleito, pode ser. Não quero um general presidindo o país pela força de um destacamento policial, um pelotão do Exército, isso não. As esquerdas já apoiaram o Marechal Lott. No final da ditadura militar, o MDB apoiou um general contra o Figueiredo [Euler Bentes Monteiro, que em 1978 enfrentou o general João Figueiredo no colégio eleitoral]. Entendo que o Brasil precisa ter um rumo, que não estamos tendo. Virou a casa da mãe Joana. Entendo que o general Etchegoyen seria um excelente candidato. Espero que ele aceite se filiar e se transformar numa opção do PMDB”, contou.


Na mesma entrevista, Marun diz que, caso o seu partido não tenha nomes à presidência no ano que vem, apoiar o atual prefeito de São Paulo, João Dória Júnior, hoje no PSDB, seria mais viável, desde que troque de partido.


“O DEM busca a filiação do Doria. Se o PMDB não tiver candidato a presidente, o apoio ao Doria é o que vejo com maior viabilidade. Tem sido mais claro em algumas posições”, resumiu. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Dólar fecha em alta, de olho no exterior e à espera de decisão do Copom
BRASIL
STF valida delações premiadas negociadas pela Polícia Federal
ORDEM DO DIA
Aprovada atualização de lei sobre devolução de troco em espécie
PRIVACIDADE VIRTUAL
Europa sugere lei que pode acabar com os memes da internet
COPA DO MUNDO
Espanha vence com “gol estranho” de brasileiro
EDUCAÇÃO
Vagas do ProUni estão disponíveis para consulta
SAÚDE
Mortes por gripe em MS voltam a aumentar e chegam a 20
MIRANDA
Caminhoneiro é multado e tem veículo apreendido com carga de madeira ilegal
TRÁFICO
Caminhão com 3t de maconha é encontrado abandonado em MS
CAMPO GRANDE
Presidente do TRE diz que cheque de R$ 165 mil era para “segurar” veículo

Mais Lidas

COMPLICAÇÃO APÓS CIRURGIA
Juiz aposentado e ex-diretor da Agepen, Ailton Stropa, morre em São Paulo
RESERVA INDÍGENA
Homem é flagrado nu sobre menina de 7 anos em Dourados
DOURADOS
Dupla é presa por tentativa de homicídio contra vendedor de espetinhos
DEFRON
Traficante condenado a mais de 12 anos é preso em Dourados