Menu
Busca quinta, 22 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
BRASIL

Luiz Fux diz que decisão do STF sobre afastamento de Aécio deve prevalecer

02 outubro 2017 - 15h05Por Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux afirmou hoje (2) que “por força da Constituição, o único poder que pode proferir decisões finais é o Poder Judiciário”, em referência ao afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato e recolhimento noturno decidido na semana passada pela 1ª Turma do STF.

O senador Aécio Neves foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações premiadas dos administradores da J&F. Em pronunciamentos, vários senadores disseram que o afastamento é uma interferência entre os poderes.

O ministro Luiz Fux enfatizou que “a cultura do descumprimento da decisão judicial é condicente ao caos político e institucional e à destruição da ideia de um Estado de Direito”. Mas, segundo ele, o caso não deve gerar uma crise entre os poderes Legislativo e Judiciário no país.

“Eu acho que não surgirá uma crise, até porque surgirá, certamente, alguma solução institucionalmente legítima. As relações institucionais ficaram um pouco diferentes, porque nesse tempo o Judiciário atuou de acordo com interesses institucionais nacionais, em consonância com os demais poderes. A diferença agora é que, por força da Constituição Federal, o STF tem competência constitucional para julgar os membros de outros poderes, mas isso não deve ser uma regra que viole o princípio da harmonia e independência dos poderes”.

Ele disse que respeita a dialética e as opiniões divergentes sobre a questão e lembrou que “o STF vai votar no dia 11 de outubro [ação que questiona se é necessário submeter ao Congresso o afastamento de parlamentares], e a decisão colegiada será respeitada por todos”.

O plenário do Senado deve votar nesta terça-feira (3) o afastamento do senador do senador Aécio Neves.

O ministro Luiz Fux participou do seminário Questões de Gênero – Abordagem Social e Jurídica, organizado pela Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj), no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), onde falou sobe o tema Dignidade da Pessoa Humana e Cidadania. Proteção Jurídica à União Homoafetiva.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
IFMS abre 190 vagas para cursos técnicos de nível médio presenciais
DOURADOS
Homem incendeia própria casa após brigar com a mulher
TELEVISÃO
Grazi Massafera diz que fizeram macumba para ela na Globo
BRASIL
Operação contra a pedofilia cumpre mandados em MS e 17 Estados
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 70 milhões
CAMPO GRANDE
Com 14 processos por estelionato, velho conhecido da polícia é preso
UFGD
Jornada Acadêmica de Medicina começa nesta 6ª-feira em Dourados
OPORTUNIDADE
PF realiza leilão de carros e bens oficiais com lances a partir de R$ 200
SAÚDE
Médicos cubanos começam a deixar Brasil nesta quinta-feira, diz Opas
DOIS IRMÃOS DO BURITI
Após assalto com reféns, quarteto é preso em "boca de fumo"

Mais Lidas

TERRA ROXA
Homem é encontrado morto com lesão na cabeça em Dourados
JARDIM SÃO PEDRO
Foragido da Justiça há oito meses é preso durante rondas da PM em Dourados
RIO BRILHANTE
Homem atropela mulher ao cobrar dívida
DOURADOS
Homem preso por energizar cerca e matar adolescente é solto após audiência de custódia