Menu
Busca quinta, 22 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

Juiz obriga prefeitura a prestar inofrmações para Assocuaição Comunitária em Ivinhema

14 dezembro 2012 - 15h00

O juiz Mário José Esbalqueiro Junior, em substituição legal na 1ª Vara da Comarca de Ivinhema, julgou procedente a ação movida pela Associação Comunitária Cultural Itapoã (Itapoã FM) para determinar que a Prefeitura Municipal de Ivinhema apresente os documentos solicitados pelo autor no prazo de cinco dias a contar da intimação, sob pena de multa pessoal a ser paga pelo Prefeito no valor de R$ 10.000,00 por dia de atraso no cumprimento.

De acordo com a rádio, no dia 25 de junho de 2012 protocolou na sede do Município uma solicitação de documentos baseada na Lei de Acesso à Informação. No entanto, os documentos solicitados não foram fornecidos.

A emissora buscava acesso aos valores repassados para uma agência publicitária, além dos valores gastos com aluguéis de imóveis, valores repassados ao Ivinhema Futebol Clube e uma relação de todos os servidores públicos que ocupam cargos de confiança, contratados e comissionados, suas funções e respectivos salários.

A autora foi intimada a informar se tinha fins eleitorais. Em resposta, afirmou que inexistem razões políticas para o pedido e que seus dirigentes possuem filiações em diversos partidos. Argumentou que a finalidade é a divulgação aos ouvintes dos fatos ocorridos no município.

Em contestação, o Município de Ivinhema afirmou que a emissora de rádio não apontou motivo suficiente e não esclareceu a finalidade pretendida. Sustentou que os membros da rádio são inimigos políticos da atual administração e que os atos do Prefeito são publicados no Diário Oficial do Município.

Para o juiz, “não se pode chamar de ingerência na administração, tampouco perseguição política o mero pedido de acesso a informações acerca de assuntos pontuais como os tratados na petição inicial”. O magistrado salientou ainda que todos os documentos solicitados se tornaram públicos de acordo com a Lei de Acesso à informação e devem ser disponibilizados em tempo real.

O juiz ressaltou que “o fato de os atos praticados pela municipalidade serem publicados no Diário Oficial não justifica a negativa, posto que a publicidade é requisito do ato administrativo sob pena de nulidade, sendo que, no caso em tela fala-se em acesso à informação. A municipalidade não pode imiscuir-se de apresentar os documentos pretendidos sob esse argumento”. A sentença foi publicada no Diário da Justiça de segunda-feira, dia 10 de dezembro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO
Polícia apreende carretas com droga estimada em 5 toneladas
MS
Paciente deverá receber atendimento domiciliar pelo SUS
CAMPO GRANDE
Justiça concede tutela antecipada para que Estado deixe de realizar obra no Parque dos Poderes
BRASIL
Parecer da previdência dos militares será apresentado em setembro
DOURADOS
Igreja forma nova turma de músicos e apresenta concerto
COSTA RICA
Polícia encontra armas na casa de empresário suspeito de violência doméstica
ALERTA
Saúde confirma casos de sarampo em mais 7 estados
SANGUE FRIO
MPF recorre de sentença que absolveu dois acusados em uma das ações
LOMBADAS
Detran-MS negocia dívida e pede rescisão de contrato com empresa de radares no Estado
ECONOMIA
Dólar fecha em queda após início de nova atuação do BC no câmbio

Mais Lidas

BR-163
Pedaço de pneu na pista causou acidente com morte que envolveu quatro carretas
POLÍCIA
Travesti furta veículo e é presa em Dourados
CAARAPÓ
Colisão frontal entre carretas deixa um morto na BR-163
CAARAPÓ
Ferido em acidente com morte na BR-163 é transferido para Dourados