Menu
Busca quinta, 21 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
ASSEMBLEIA

Imunidade tributária a hospitais públicos vai à redação final

06 novembro 2019 - 18h50Por Da Redação

Os deputados estaduais da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS) aprovaram, por unanimidade, duas matérias em segunda discussão, durante a Ordem do Dia desta quarta-feira (6). O Projeto de Resolução 49/2019, de autoria do deputado Marçal Filho (PSDB) e coautoria dos deputados estaduais Antônio Vaz (Republicanos), Cabo Almi (PT), Coronel David (PSL), Jamilson Name (PDT), Lidio Lopes (PATRI), Neno Razuk (PTB), Pedro Kemp (PT) e Renato Câmara (MDB), segue agora à redação final, por ter sofrido emendas durante o período de pauta.

O projeto aprova a apresentação à Câmara dos Deputados de uma Proposta de Emenda à Constituição Federal (PEC), para conceder a hospitais públicos, unidades básicas de saúde e de pronto atendimento, imunidade tributária quanto à seguridade social. Para isto acontecer, é necessária a modificação do parágrafo 7º do artigo 195 da Constituição Federal. A proposta é originada no movimento nacional dos Legislativos Estaduais, encabeçado pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (ALESC).

Marçal Filho, autor da proposta, explicou a realidade dos hospitais brasileiros. “Hoje, os hospitais filantrópicos brasileiros que fazem pelo menos 60% dos atendimentos pelo Sistema Único de Saúde [SUS] têm direito a imunidade fiscal sobre a seguridade social. Já os hospitais públicos, postos de saúde e Unidades de Pronto-Atendimento [UPAs], mesmo atendendo integralmente pelo SUS, não recebem o mesmo benefício”, afirmou o parlamentar.

O segundo projeto aprovado foi o Projeto de Lei 173/2019, de autoria do deputado Evander Vendramini (PP). O projeto regula a realização de testes de aptidão física por candidata gestante em concurso público em Mato Grosso do Sul, de forma que a gestante terá direito à realização das provas de aptidão física em data diversa da prevista em edital. Solicitada a remarcação, a banca realizadora do concurso determinará o dia, o local e o horário para a aplicação das provas em prazo não inferior a 30 dias e não superior a 90 dias da data do término da gravidez. Agora a proposta segue a sanção do governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB).

Também foram aprovadas pelos parlamentares durante a Ordem do Dia desta quarta-feira (6), 23 indicações, cinco Requerimentos, dez Moções de Congratulação e uma Moção de Pesar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Bolsonaro participa nesta quinta-feira de ato de fundação de novo partido
JUSTIÇA
Acusado de matar ‘amante’ da namorada é condenado a 15 anos de prisão
DOURADOS
UEMS e WWF-Brasil firmam acordo para Centro de Estudos de Fronteira
ECONOMIA
Pagamento do 13º do Bolsa Família está garantido, diz porta-voz
NOVA ANDRADINA
Mulher faz rifa para ajudar no tratamento de marido vítima de acidente
CASO MARIELLE
Porteiro volta atrás e diz que errou ao dizer que havia falado com 'seu Jair'
ROTA BIOCEÂNICA
Itaipu licita em dezembro o projeto executivo da ponte do Rio Paraguai
ECONOMIA
2020 terá o dobro de feriados prolongados; Confira as datas
ARTIGO
Dourados por três dias é sede do governo
TRÊS LAGOAS
Crianças ficam sob mira de revólver durante assalto em residência

Mais Lidas

TENTATIVA DE FEMINICÍDIO
Ex esperou mulher chegar de curso para tentar matá-la no Estrela Verá
DOURADOS
Corregedoria abre sindicância para apurar ação da Guarda que terminou em morte
JÚRI POPULAR
Primeira tentativa de feminicídio do ano ocorre às vésperas de julgamento por crime de 2018
DOURADOS
Secretaria de Saúde contrata pessoal para limpeza com salários de R$ 1 mil a R$ 1,4 mil