Menu
Busca sexta, 21 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Governo propõe 'nova CPMF' para taxar saques e depósitos em 0,40%

10 setembro 2019 - 20h05Por G 1

O secretário-adjunto da Receita Federal, Marcelo de Sousa Silva, apresentou nesta terça-feira, dia 10 de setembro, as alíquotas em estudo pelo governo federal do imposto sobre pagamentos, que vem sendo comparado à antiga Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Segundo ele, cada saque e cada depósito em dinheiro deverá ser taxado com uma alíquota inicial de 0,40%. Cada operação de débito e de crédito deve ser submetida a uma alíquota de 0,20%.

A proposta foi apresentada durante o Fórum Nacional Tributário, organizado pelo SIndifisco Nacional.

A ideia da equipe econômica é que a contribuição sobre pagamentos substitua gradativamente a contribuição patronal sobre salários (folha de pagamentos), a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) e, também, o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

"É uma alíquota de 0,20% no débito e crédito para poder desonerar parcialmente a folha em algo equivalente a um FGTS [7%]", disse o secretário-adjunto ao final do evento.

A área econômica do governo avaliou que a tributação atual sobre a folha de pagamentos (patrão e empregado juntos), que soma atualmente 43,5%, é “muito acima” de outros países da região, como México (19,7%) e Chile (7%), representando um “desestímulo à contratação de mão de obra”.

Por outro lado, o secretário-adjunto da Receita Federal afirmou que a reforma proposta pelo governo deve propor benefícios como ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), e o reembolso de impostos às pessoas com baixa renda.

A reforma tributária a ser apresentada pelo governo também deve prever a unificação de impostos. O novo imposto deve se chamar Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS) e unificará PIS, COFINS, CIDE e IPI.

Pela proposta divulgada nesta terça pela Receita Federal, a unificação seria gradual e começaria pela unificação de PIS e COFINS. O novo tributo teria um regime não cumulativo por valor agregado com uma alíquota única de 11%. A CIDE e o IPI seriam incorporados posteriormente.

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, foi questionado nesta terça sobre o novo imposto, que vem sendo chamado de "nova CPMF".

"É imposto sobre movimentações financeiras... É uma ideia que o governo tem. Conversei com o Cintra, mas não foi apresentado ao governo ainda. Quem decide é o presidente", respondeu.

Consenso

Há duas propostas de reforma tributária em discussão no Legislativo, uma na Câmara e outra no Senado. A sugestão do governo, quando apresentada, deve ser incluído no texto em discussão na Câmara.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), já declarou que o governo e o Congresso devem tentar elaborar, em conjunto, uma proposta de reforma tributária.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEFESA
Major que atirou na cabeça do ex-namorado tinha medida protetiva
OPERAÇÃO LOBO GUARÁ
UEMS é selecionada para participar do Projeto Rondon em 2020
CAPITAL
Diarista cai em buraco na calçada, machuca perna e fica sem trabalhar
STF
Ex-sócio da Telexfree é preso pela PF e pode ser extraditado aos EUA
TRÊS LAGOAS
Técnico de enfermagem apanha em UPA e aciona a polícia
SAÚDE
Brasil monitora apenas um caso suspeito do novo coronavírus
NAVIRAÍ
Por dinheiro, policial facilitava entrada de celulares e droga em presídio
POLÍTICA
Nelsinho Trad oficializa pedido para reativar Parlamento Amazônico
CAMPO GRANDE
Durante discussão, major da PM atira contra o ex-namorado
TENTATIVA
Petroleiros suspendem greve após 20 dias para negociar acordo

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher ameaça se jogar de torre no Jardim Guaicurus
DOURADOS
Júri termina com réu condenado a 15 anos por matar desafeto em 2018
DOURADOS
Fechamento e promoções levam multidão a fazer fila em hipermercado
DOURADOS
Polícia vai ao Guaicurus e prende condenado por pedofilia