Menu
Busca sexta, 22 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
POLÍTICA

Elias Ishy questiona falta de diálogo sobre o Plano Municipal de Educação

30 junho 2015 - 12h15

Assessoria

O vereador Elias Ishy (PT) questionou a falta de diálogo sobre o Plano Municipal de Educação (PME), que foi votado em duas sessões na segunda-feira (22), na Câmara de Dourados, sem discutir as alterações e supressões realizadas pela Prefeitura ao documento elaborado por profissionais da Educação e representantes de entidades públicas e civis, no decorrer de um ano e 15 dias em que foram feitas 376 estratégias para as 20 metas. No entanto, ao encaminhar o Plano para votação pelos vereadores, a Prefeitura retirou 20% das propostas aprovadas e modificou 80% das demais, de forma unilateral e sem justificativas.

“O mais grave não foi a redução do número de estratégias, mas a importância delas para a Educação douradense. Com as supressões e alterações, todas as 20 metas do Plano ficaram gravemente prejudicadas, permitindo que a Prefeitura se exima de cumprir estratégias dentro dos prazos aprovados pelo fórum do Plano. A Prefeitura se vangloria de avanços, mas houve muitos retrocessos, como o crescente estrangulamento da Educação de Jovens e Adultos; extinção do Programa de Acompanhamento Escolar; fechamento de salas do Projovem Urbano; substituição de professores capacitados das salas de tecnologias por estagiários; falta de critérios claros para a contratação de professores temporários, entre muitas outras questões que a Prefeitura não debate com os profissionais da Educação e que extirpou do Plano. A grande marca da atual administração é a falta de diálogo”, afirmou Ishy.

O projeto de lei chegou aos vereadores no dia 15 de junho. Ishy fez diversas tentativas de diálogo, mas a Prefeitura se recusou a debater e apresentar justificativas para tantas alterações e supressões ao texto original do Plano.

“A minha proposta era votar até o dia 23 de junho, garantindo o debate das supressões entre a comunidade escolar, Câmara e Governo. Ao se recusar a dialogar, Prefeitura feriu o próprio Plano, que no artigo segundo afirma que a gestão democrática será uma diretriz. Por causa dessa intransigência e falta de explicações sobre as modificações, apresentamos 194 emendas, visando restituir a maioria das propostas originais. Infelizmente, não foram colocadas em votação, contrariando o artigo 104 do Regimento Interno da Câmara, que não permite a votação de um projeto sem discutir as emendas”, lamentou Ishy, que está recorrendo da decisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PASSOU MAL
Atriz Fernanda Montenegro recebe alta de hospital no Rio
RIOS DE MS
Decreto é publicado e cota zero começa no ano que vem
DIVERSÃO
Jogos divertidos que melhor transitaram para o mundo virtual
DOURADOS
Pacientes ficam "reféns" de único mamógrafo no Centro de Atendimento à Mulher
PREVENÇÃO
Com distribuição de informativos e preservativos, SES reforça combate à aids durante carnaval
ESTADUAL
Sete e Operário de Dourados fazem clássico local no final de semana
MEDICINA
Chega ao Brasil uma nova vacina para meningite B
BRASIL
Confiança do consumidor recua 0,5 ponto em fevereiro
RIO DE JANEIRO
Belezas naturais e excelente gastronomia, conheça Nova Friburgo
SETE QUEDAS
Carro furtado é recuperado com mais de 300kg de maconha na MS-160

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
Prorrogadas inscrições em processo seletivo para contratação de Assistentes de Atividades Educacionais
MAIS UM
Délia exonera secretário de Saúde e adjunta assume o posto
TURISMO
Deputado "mata" trabalho para passar nove dias em peregrinação
AMAMBAI
Homem mata a ex-mulher a facadas na frente dos sete filhos