Menu
Busca quinta, 21 de março de 2019
(67) 9860-3221

Código Florestal gera crise na base aliada do governo

13 maio 2011 - 07h10

A suspensão da votação do Código Florestal explicitou, na madrugada de ontem, a dissonância interna do PT e expôs uma crise com o PMDB, principal aliado do governo Dilma Rousseff.

Em descompasso com o Planalto, a base ameaça emperrar a votação da medida provisória que agiliza a contratação de obras destinadas à realização da Copa e da Olimpíada no Brasil.

Sob o risco de derrota, o governo interrompeu a votação do Código Florestal em plena discussão. Para evitar que o fracasso se consumasse, o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), se comprometeu a não votar mais nada antes da conclusão do Código.

"Vou tentar ganhar esses dias não para mudar o plenário. Mas para mudar a posição do governo, que tem de respeitar o que esta Casa quer num dos momentos mais legítimos", discursou.

Ele queixou-se da resistência do governo a fixar, em lei, casos em que o plantio em áreas de proteção já esteja consolidado.

PARALISAÇÃO

Mantida a ameaça do PMDB, a Câmara ficará paralisada ao longo da próxima semana, pois o presidente da Casa, Marco Maia (RS), e o líder do PT, Paulo Teixeira (SP), viajaram ontem para a Coreia do Sul, de onde só voltam no dia 20.

Eduardo Alves acompanhará o vice-presidente Michel Temer em viagem à Rússia até a quarta-feira. Sem os principais líderes na Casa, restariam ao governo as MPs.

Ontem, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), disse que as medidas provisórias serão votadas e aposta que a promessa do PMDB não será mantida.

Já o ministro das Relações Institucionais, Luiz Sérgio, atribuiu o discurso a um momento de "desgaste físico e emocional".

Só que Eduardo Alves reiterou a ameaça feita anteontem: "Se tentasse votar a 521 [MP que inclui as obras da Copa] antes de um entendimento, a Casa não vai querer votar, nem o PMDB. Nesse clima de frustração, poderia ter uma reação de não votar".

A interrupção em plenário evidenciou a desarmonia do PT. Na noite de quarta, Paulo Teixeira recebeu um texto mais duro com os ruralistas.

Horas depois, apoiou o projeto apresentado pelo relator Aldo Rebelo (PC do B-SP) sem saber que fora flexibilizado. No plenário, protestou contra as mudanças: "O acordo do PT é com o texto que recebemos às 21h", reafirmou ontem.

Hoje, 11 medidas provisórias trancam a pauta da Câmara. Sete delas só têm validade até o dia 1º de junho.

A mais sensível ao governo é a 521, que dribla parte das regras da Lei das Licitações para as obras da Copa e nas Olimpíadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Uma pessoa morre após veículo cair no leito do rio Anhanduí
TEMPO
Quinta-feira nublada com possiblidade de chuva em Dourados
SHOWBIZZ
Vanessa Mesquita posa seminua após sessão de bronzeamento artificial
BRASIL
Maia critica Moro e diz que ministro 'copiou e colou' projeto anticrime
ABIGEATO
Idosa procura polícia após ter 15 porcos furtados de chácara
EDUCAÇÃO
Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem
CONCURSO
Prefeitura abre inscrições para Procurador com salário de R$ 10 mil
JUSTIÇA
Após criar drone, estudante de MS é selecionado para evento no Japão
COSTA RICA
Quatro são presos com 84 quilos de cocaína em rodovia BR-359
BRASÍLIA
Secretário de MS participa de reunião com representantes da Senad

Mais Lidas

PREJUÍZO
Chuva forte derruba árvores e deixa ruas alagadas em Dourados
IMPETUS
“Central de inteligência” do PCC que planejava matar servidores de MS é desarticulada na PED
PONTA PORÃ
Chuva forte causa transtornos e casal cai de moto em meio a enxurrada; veja vídeo
DOURADOS
Defesa Civil mantém alerta com “chuvarada” que deve continuar na região