Menu
Busca sábado, 26 de maio de 2018
(67) 9860-3221
IMOBILIÁRIA CONTINENTAL (BANNER 1 TOPO)

CNMP recusa queixa de Zeca contra MPE de MS e defende papel da imprensa

09 junho 2011 - 19h17

A corregedoria nacional do Ministério Público negou o recurso movido pelo ex-governador José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT, contra os membros do Ministério Público de Mato Grosso do Sul. O acórdão foi publicado na edição desta quinta-feira (9) do Diário Oficial da União.

Na reclamação disciplinar, Zeca afirmou que, enquanto governador, sofreu perseguições “perpetradas” por promotores de Justiça de MS.

O ex-governador acusou também o MPE pelo “uso indevido dos meios de comunicação e por utilização de demandas temerárias”.

No caso, Zeca questionou o fato de seu nome ter sido propagado na mídia como suspeito e as reportagens, nutridas por declarações de promotores, mesmo em casos de as investigações serem tocadas de maneira sigilosa.

Note a interpretação do conselheiro Achiles de Jesus Siquara Filho, que, em cinco tópicos justificou a recusa da queixa de Zeca do PT.

1. Não compete ao Conselho Nacional do Ministério Público promover análise acerca das razões jurídicas que levam os membros do Ministério Público à sua atuação institucional, uma vez que estas encontram-se acobertadas pelo princípio da independência funcional.

2. Os elementos probatórios acostados aos autos demonstram uma atuação ampla e minuciosa do Parquet sul-matogrossense na coleta de elementos de convicção para a necessária fundamentação e propositura das ações judiciais.

3. Não se veda ao membro do Ministério Público o acesso aos meios de comunicação, desde que ocorra de forma profissional, com vistas à satisfação do interesse público. A utilização dos meios de comunicação, se feita em atenção aos postulados acima realçados, ganha importância em face do papel desempenhado pela imprensa, como órgão de fiscalização e informação da sociedade.

4. A Constituição Federal de 1988, em seu art. 5º, inciso LV, determina que aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral seja assegurado o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes. Instaurado o procedimento administrativo disciplinar fica estabelecida relação jurídica entre a administração pública e o investigado.

5. A atividade disciplinar atribuída a este Conselho Nacional detém caráter supletivo. O CNMP atuará quando restar comprovada a inoperância da instância correicional originária.

Fonte: Midia Max/ Celso Bejarano

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
De topless, Bruna Marquezine deixa tatuagem a mostra em foto
11 PAÍSES
Festival América do Sul Pantanal movimenta Corumbá até domingo
JUSTIÇA
Empresa de TV por assinatura é condenada por cobrar valor indevido
COSTA RICA
Bombeiro salva bebê engasgado orientando a mãe através do telefone
FUTEBOL
Lista de 35 de Tite para a Copa tem três novatos: Dedé, Maicon e Paquetá
PRESO
OAB caça registro de ex-juiz condenado por tentar matar magistrado
CAMINHONEIROS
Greve faz TRT/MS adiar prova do processo seletivo de estagiários
CASO DOROTHY STANG
Ministro do STF manda soltar fazendeiro condenado em 2ª instância
BANDEIRA VERMELHA
Bandeira tarifária ficará no patamar mais alto em junho, diz Aneel
ECONOMIA
Parceria garante indústria de fertilizantes para Rio Brilhante

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é preso revendendo gasolina em lava-rápido
R$ 6,50 O LITRO
Preso vendendo gasolina em lava-rápido responderá por crime ambiental
PROTESTOS
Temer autoriza uso de forças federais para desbloquear rodovias
DOURADOS
Dupla invade contramão, rouba jovem e acaba presa