Menu
Busca sexta, 17 de agosto de 2018
(67) 9860-3221
MEIO AMBIENTE

Carvoeiro é autuado por uso de motosserra na exploração de madeira

28 setembro 2017 - 12h35

Policiais Militares Ambientais de Rio Negro realizavam fiscalização de prevenção e combate a crimes ambientais no Pantanal na região do Paiaguás, no município de Aquidauana quando utuaram um carvoeiro, por uso de um motosserra ilegal.

O infrator realizava o corte de lenha para produzir carvão em fornos de sua carvoaria. A carvoaria, que possuía licença ambiental localizava-se em uma fazenda que não pertencia ao carvoeiro.

A motosserra não possuía Documento de Porte e Uso (LPU), que é a licença ambiental para transporte e utilização deste tipo de máquina e foi apreendida. O infrator (56), residente em Aquidauana, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 1.000,00.

O uso de motosserra sem o documento de Porte e Uso (LPU) caracteriza-se crime ambiental, com pena prevista de três meses a um ano de detenção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUUU!!
Giovanna Ewbank exibe bumbum e impressiona fãs com biquíni cavado
MATO GROSSO DO SUL
Cassems aparece no ranking das melhores e maiores empresa do Brasil pelo 10º ano consecutivo
INDÚSTRIA 4.0
Realidade aumentada é alternativa para aumentar produtividade do trabalhador
ELEIÇÕES 2018
Comitê da ONU pede que Lula participe de eleição
EDUCAÇÃO
Capacitação para quem atuará no Enem em MS acontece amanhã
PANTANAL
Acesso à MS-228 entre Lampião Aceso e MS-184 é liberado parcialmente
ECONOMIA
Seguradora lança programa de emprego para beneficiários do DPVAT
ELEIÇÕES 2018
TSE nega novo pedido de Lula para participar de debate na TV
COTAÇÃO
Dólar sobe e termina a semana acima de R$ 3,90
CONTRABANDO
PM apreende carga de cigarros e volume de apreensões bate recorde no ano

Mais Lidas

DOURADOS
Madrasta de criança morta é autuada por homicídio
DOURADOS
Além da madrasta, delegado autua o pai e ambos responderão pela morte de criança
DOURADOS
Criança de 1 ano teve trauma no tórax e laceração hepática
DOURADOS
Defesa questiona "condenação social" e diz que pai de criança não tem ligação com morte