Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
BONITO

Audiência debateu a Guavira como atrativo turístico e fonte de renda

18 setembro 2017 - 06h23

"A guavira tem um grande potencial para gerar renda a ajudar a desenvolver o turismo. O passo agora é desenvolver a sua cadeia produtiva", afirmou o deputado estadual Renato Câmara (PMDB) na abertura da audiência pública em Bonito que discutiu o fortalecimento e preservação dos guavirais e o aproveitamento comercial e turístico da fruta. O evento, realizado no Plenário da Câmara, foi promovido pelo Mandato do deputado, em parceria com a Prefeitura e Câmara Municipal.

O prefeito Odilson Arruda Soares parabenizou Renato pela iniciativa de tornar a guavira fruta símbolo de Mato Grosso do Sul - um projeto nesse sentido, de autoria do deputado, tramita na Assembleia - e pela realização da audiência em Bonito. A vereadora Maria Lúcia Gonçalves, presidente da Câmara, também destacou a importância da proposta de Renato.

O secretário de Turismo, Indústria e Comércio de Bonito, Augusto Barbosa Mariano, classificou a visão de Renato de propor o projeto de lei como a de um estadista. Para ele, o desenvolvimento abre importante possibilidade no turismo e na geração de renda. "A guavira é uma planta difícil de lidar e merece a nossa atenção", disse.

O delegado federal do Desenvolvimento Agrário em Mato Grosso do Sul, Dorival Betini, também classificou como muito importante tornar a guavira fruto símbolo do Estado. Para ele, isso vai garantir a proteção da planta e abre possibilidade de geração de renda, principalmente na agricultura familiar.

O gerente regional da Agraer de Bonito, Paulo Cesar Gimene, acredita que manter os gravirais gera diversificação da renda e diversificação do gênero, uma vez que é uma atividade que pode ser desenvolvida na família pela mulher, tanto na coleta dos frutos quanto no seu processamento para a obtenção dos subprodutos. Segundo ele, 60% dos produtores da região de Bonito preserva um capão (porção de área) de guavira na propriedade.

O vereador Pedro Aparecido Rosa?rio, o Pedrinho da Marambaia, disse que Bonito vai ganhar muito com a lei proposta por Renato. Ele disse ainda que é muito importante as ações que o deputado realiza pelo desenvolvimento regional. O também vereador Jorge Luiz Soares de Figueiredo, o Jorginho, falou da necessidade de estudos para que o produtor possa preservar os guavirais sem ter prejuízo com isso. Ele defende um programa de incentivos governamentais para quem desejar preservar. "Essa proposta de Renato é muito boa, porque valoriza as nossas coisas", afirmou.

A pesquisadora da Agraer, Ana Cristina Araújo Ajalla, que engenheira agrônoma, falou um pouco na audiência das pesquisas que a empresa faz desde 2007 para a reprodução e cultivo comercial da guavira. Ela classificou o projeto de Renato como brilhante e que favorecerá o estudo e a preservação da espécie. Edmundo Volpe, também engenheiro agrônomo e pesquisador da Aglaer falou sobre a pesquisa para o sistema de produção consorciada da guavira.

O ex-prefeito José Arthur de Figueiredo disse que é possível desenvolver um sistema de preservação da guavira e produção dentro das normas do meio ambiente e sem prejudicar a agropecuária tradicional. "É uma fruta muito especial e temos de preservar", disse. Fernanda Reverdito destacou a importância cultural da guavira como símbolo cultural de Mato Grosso do Sul.

Durante a audiência foram apresentadas experiências de pessoas que estão extraindo essência da fruta e planta, produzindo condimentos e geleias. Logo após o evento o deputado almoçou, acompanhado dos secretários municipais Augusto e João, em um restaurante de Bonito que serve peixe e porco ao molho da guavira e também sobremesas com sabor da fruta.

Renato explicou que a proposta da lei que torna a guavira fruta símbolo de Mato Grosso do Sul é preservar a planta, já que restam poucas áreas de produção natural no Estado, grande parte do ainda existe em Bonito. "Temos que preservar o que é nosso e encontrar o caminho para desenvolver uma cadeia produtiva que gere renda e desenvolvimento para o Estado, de forma democrática, sem prejudicar a ninguém. Nossa proposta é agregar e não substituir", afirmou, acrescentando. "Quem sabe no futuro não vamos receber gente do mundo todo no Estado na época da cata da guavira".

Participaram também os secretários municipais de Bonito João Antonio Alves de Oliveira (Produção e Desenvolvimento Rural) e Alexandre Augusto Ferreira Ferro (Meio Ambiente), vereadores, pesquisadores e lideranças locais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Bebê é sexta vítima de acidente na Via Dutra, sentido Rio de Janeiro
Unicef
26% das adolescentes brasileiras casam-se antes dos 18 anos
MS 42 ANOS
Identidade do Estado revela “Brasil profundo” nas artes plásticas
TUFÃO
Passagem do Hagibis no Japão provoca pelo menos 24 mortes
DOURADOS
Programação do “Outubro Rosa” tem evento no dia 16
FAMOSOS
Em meio aos rumos sobre affair, Grazi faz trilha com Caio Castro
DOURADOS
Universidade levará serviços à Praça Antônio João dia 23
ESTADO
Judiciário fará Semana da Conciliação no início de novembro
CRIME
Caçador foge da PMA, mas abandona moto, rifle e munições e acaba identificado
BRASIL
Após dez dias internado, general Villas Bôas recebe alta hospitalar

Mais Lidas

CLIMA
Previsão aponta dias chuvosos e queda de temperatura em Dourados
DOURADOS
Acionados para atender queda de moto, Bombeiros só encontram vítima no local
DOURADOS
Clima fica tenso com índios presos em confrontos às margens da Perimetral Norte
MS
Idosa é atingida por jaca durante procissão e precisa ser socorrida