Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
(67) 99659-5905

1ª Câmara julga 33 processos e total de impugnações soma R$ 186 mil

15 junho 2011 - 08h41

Durante a Sessão da 1ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MS), realizada nesta terça-feira (14.06), os conselheiros Iran Coelho das Neves, José Ricardo Pereira Cabral, conselheiro substituto Joaquim Martins de Araújo Filho e o representante do Ministério Público de Contas, João Antônio de Oliveira Martins Júnior, julgaram 32 processos, dos quais nove foram considerados irregulares totalizando 690 Uferms, em multas aplicadas.

O conselheiro José Ricardo Pereira Cabral relatou o processo de n° 3726/2009 referente ao contrato firmado entre a Prefeitura de Porto Murtinho e a empresa Paulo lima Pinheiro – ME para prestação de serviços de manutenção, reparos mecânicos e elétricos nos veículos pertencentes à Prefeitura, sendo constatada irregularidade na etapa de execução do contrato.

De acordo com o processo, “a autoridade responsável não apresentou qualquer documentação que tivesse o condão de sanar a referida irregularidade, demonstrando total descaso com as normas desta Corte de Contas”. O conselheiro José Ricardo Pereira Cabral aplicou multa ao prefeito de Porto Murtinho, Nelson Cintra Ribeiro no valor equivalente a 100 Uferms e o impugnou com a quantia de R$ 177.250,00 referente a ausência da liquidação da despesa contratual.

Já no processo de n° 3376/2007 referente ao contrato administrativo celebrado entre a Prefeitura de Dourados e a DZM Comunicação e Eventos Ltda., para a prestação de serviços de publicidade aos órgãos da administração direta, referente a elaboração de campanhas publicitárias, informativas, educativa e de utilidade pública foi detectada irregularidade e ilegalidade na execução financeira.

O conselheiro relator Iran Coelho aplicou multa à ordenadora de despesas à época, Dalva de Melo Gonçalves no valor de 50 Uferms e a impugnou na quantia equivalente a R$ 8.781,40 em face de pagamentos realizados sem respaldo legal, acima do valor pactuado pelas partes, com o prazo de 60 dias para a comprovação do recolhimento ao cofre público municipal.

Após publicação no Diário Oficial Eletrônico do TCE/MS, os gestores dos respectivos órgãos jurisdicionados poderão entrar com pedido de recurso, revisão e/ou reconsideração, conforme os casos apontados nos processos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DINHEIRO
Auxílio emergencial: Onyx promete pagar R$ 300 a partir de quarta
CORUMBÁ
Cão fica preso em buraco de concreto ao tentar retornar para casa
VÔLEI
STJD denuncia Carol Solberg após fala política "Fora Bolsonaro"
ANGÉLICA
Mulher de 29 anos é presa com arma e munições irregulares
UEMS
Curso sobre Cultura Chinesa recebe inscrições até a próxima sexta-feira
CORONEL SAPUCAIA
Empresa é autuada em R$ 5,5 mil por desmatamento de vegetação protegida
PANTANAL
Combate às queimadas no MS ganha reforço de mais 120 brigadistas
TECNOLOGIA
Aplicativos da Microsoft saem do ar no Brasil e no exterior
RURAL
Cenário externo favorecem a expansão da área plantada de soja em MS
PONTA PORÃ
Ex-funcionário rouba espingardas e R$ 30 mil de empresa e ameaça família do dono

Mais Lidas

ATO DE FÉ
Após vigílias em frente a hospital, família celebra 'milagre' por homem que caiu do telhado
CAMPO GRANDE
Gêmeos são executados dentro de quitinete
POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
DEODÁPOLIS
Homem morre ao bater moto de frente com caminhonete da patroa