Menu
Busca domingo, 23 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

PM atropela família e mata bebê de 9 meses no Rio

07 janeiro 2004 - 15h31

O soldado da Polícia Militar Ricardo Oliveira Filho atropelou uma família no fim da noite de terça-feira, matando um bebê de nove meses, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, informou a PM. Segundo testemunhas, o policial estava embriagado e dirigia em alta velocidade quando bateu em um outro veículo que fazia uma manobra. O soldado da PM perdeu o controle do carro, subiu na calçada e atropelou Denílson Oliveira e Marilene Oliveira, pais da criança que morreu, e Kátia Teixeira, uma amiga do casal. O bebê, que estava no colo do pai, foi arremessado contra o painel do carro do soldado. Testemunhas disseram que o policial militar chegou a sacar a arma para impedir o socorro da criança. "Eu conversei com minha tia e ela disse que o policial sacou o revólver e não deixou o Corpo de Bombeiros pegar a criança, socorrer a menina. Ele estava tão bêbado que dizia que o bebê era dele", afirmou Elaine Cristina, prima da criança. Os pais da menina e a amiga do casal foram levados para o Hospital da Posse. Oliveira teve traumatismo craniano, e Marilene sofreu ferimentos leves e já foi liberada. A assessoria do hospital não forneceu informações sobre o estado de saúde de Kátia Teixeira. "Nós queremos justiça. Esse cara estava bêbado e matou uma criança de nove meses", disse uma testemunha que pediu para não ser identificada. Na sua defesa, o policial diz que o acidente foi causado pelo motorista de um Chevette, Hamilton Francisco Machado Martins, que teria feito uma manobra irregular. Conforme o PM, o carro dele ficou desgovernado depois de acertar o Chevette. O motorista do Chevette nega a acusação e diz que a culpa é totalmente do PM. A Polícia Militar vai esperar o resultado do laudo para descobrir quem foi o causador do acidente. Será aberta uma sindicância interna para apurar o acidente. De acordo com a CBN, um laudo do Instituto Médico Legal (IML) diz que o soldado, ao contrário do que disseram testemunhas, não estava embriagado. Mas a PM vai apurar se o carro do policial estava sendo dirigido em alta velocidade. Caso seja comprovada sua culpa, Ricardo será punido administrativamente e poderá ser expulso da corporação.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Governo facilitará exportações de produtos voltados à Defesa
BRASIL
Síndrome metabólica em adolescentes é tema de pesquisa da Capes
DOURADOS
Campanha sobre tuberculose e hanseníase será realizada em março
POLÍCIA
DOF flagra cinco com 400 quilos de contrabando em Dourados
BRASIL
Trabalho infantil aumenta 38% durante o carnaval; saiba como denunciar
STF
Liminar garante ao RS fixar contribuição previdenciária de militares sem sanções por parte da União
DOURADOS
Com ponto facultativo, sessão da Câmara foi antecipada
MS
Um dos pilares da ressocialização, a religião promove ambiente de fé em presídios
ESTADO
Judiciário de MS retomará expediente na quinta-feira
MUNDO
Cientistas descartam que novo vírus tenha origem em mercado em Wuhan

Mais Lidas

WEIMAR TORRES
Mulher morre após bater em carro que roletou avenida
JARDIM GUAICURUS
Jovem resgatada foge da UPA e tenta subir em torre mais uma vez
FÁTIMA DO SUL
Polícia prende homem que matou namorada a marteladas
FRONTEIRA
Suspeitos de matar jornalista são presos em operação