Menu
Busca terça, 21 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

PIB do agronegócio deverá cair R$ 10,25 bilhões em 2006

23 agosto 2006 - 11h53

A queda projetada de quase 2% no PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio para 2006 causará um impacto negativo de 0,4% no PIB nacional. “A economia brasileira cresceu menos este ano devido à crise do setor rural”, diz o superintendente técnico da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), Ricardo Cotta. “Não fossem estes resultados negativos do agronegócio, o Brasil poderia ter um crescimento de 3,8% e não de 3,4%, como estima o Banco Central”, afirmou. As projeções da CNA/Cepea-USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo) indicam uma redução de 1,91% no PIB do agronegócio brasileiro, caindo de R$ 537,63 bilhões para R$ 527,38 bilhões, o que representa uma retração de R$ 10,25 bilhões na economia.  O PIB do agronegócio já representou mais de 30% do PIB nacional em 2003. Em 2006, esta participação deverá atingir 26,4%. As quedas verificadas no PIB da pecuária (1,84%), da agricultura (0,41%) e da agropecuária (0,83%), de janeiro a maio, refletem a redução generalizada nos preços pagos aos produtores rurais, o que desestimula a produção para a próxima safra. “Este desestímulo vai reverter a contribuição que a agricultura está proporcionando ao controle inflacionário”, completa o superintendente técnico da CNA. Cita o IPCA dos últimos 12 meses, que registrou alta de 4%, enquanto os preços dos alimentos tiveram queda de 2,77%. “Não fosse a queda nos preços dos alimentos, a inflação estaria próxima a 5%”, diz Cotta.Os números do VBP (Valor Bruto da Produção) confirmam a queda de 4,3% na estimativa de faturamento dos produtores, apesar do aumento de 5,1% da safra de grãos. Segundo as projeções da CNA, com base em 25 produtos, o VBP da agropecuária deverá cair 4,3% em 2006, atingindo R$ 166 bilhões, contra os R$ 174 bilhões de 2005. Os indicadores CNA/Cepea-USP mostram, também, que o impacto na queda do PIB das chamadas atividades antes da porteira já começam a atingir os demais segmentos da cadeia produtiva. O principal prejudicado é o setor de insumos agrícolas, que registrou queda no PIB de 2,68%, de janeiro a maio. Tais resultados refletem claramente a crise de renda do setor rural. As perdas sofridas pela agropecuária resultaram numa redução de 3,99% no montante de recursos gerados pela atividade rural, que equivale a R$ 6,1 bilhões a menos. Caso estas taxas permaneçam neste patamar até o final do ano, as projeções da CNA/Cepea-USP estimam que o PIB da agropecuária terá resultado negativo, caindo de R$ 153,04 bilhões, em 2005, para R$ 146,94 bilhões, em 2006. CNA.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CHAPADÃO DO SUL
Carreta carregada de adubo fica destruída após pegar fogo na MS-306
FUTEBOL
Inter vence Corinthians e está na final da Copa São Paulo
EDUCAÇÃO
Mec afirma que notas das redações do Enem não foram prejudicadas
LOTERIA
Confira as dezenas da Mega-Sena; prêmio é de R$ 32 milhões
CAMPO GRANDE
Família procura por pastor que desapareceu próximo a ginásio
MESTRADO
ProfLetras está com inscrições abertas para UEMS em Dourados e Campo Grande
BUSCAS
Cinco são presos, suspeitos de ajudar em fuga de presídio paraguaio
COTAÇÃO
Dólar comercial sobe 0,39% e fecha o dia valendo R$ 4,20
CAPITAL
Mãe e filha são presas em flagrante por furto durante velório
ECONOMIA
Seguro-desemprego em atraso deve ser liberado até amanhã

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é flagrado correndo pelado na Presidente Vargas
PARAGUAI EM ALERTA
Membros do PCC fogem de prisão em Pedro Juan; ao todo já são considerado 75 foragidos
BELLA VISTA DO NORTE
Ex-prefeito de cidade paraguaia vizinha a MS é executado a tiros
POLÍCIA
Mulheres são presas com malas ‘recheadas’ de maconha no Jardim Santo André