Menu
Busca quinta, 20 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Paris-Dakar: Pilotos enfrentaram uma das etapas mais duras

07 janeiro 2004 - 18h16

Poucas horas de sono, largada no escuro, deslocamento de madrugada com muito frio e 1.055 quilômetros no total atravessando campos minados pelo deserto do Saara. Uma quarta-feira massacrante para pilotos de carros, motos e caminhões na sétima etapa do Rally Paris-Dakar 2004, entre Tan Tan, no Marrocos, e Atar, na Mauritânia.O dia foi o mais longo de toda a competição neste ano, incluindo deslocamentos e trecho cronometrado. Para cumprir o trajeto, o primeiro piloto de moto largou do acampamento na cidade marroquina faltando cinco minutos para a uma hora da madrugada. Depois os competidores rodaram 345 quilômetros até a fronteira da Mauritânia, de onde largaram pela manhã para o desafio: cruzar 701 quilômetros contra o relógio, com todo tipo de terreno: pista de terra, areia, dunas e pedras.O piloto brasileiro Jean Azevedo, da equipe Petrobras Lubrax, sofreu para completar a etapa em virtude das dores que vem sentido no ombro devido a uma cirurgia no úmero. “Estou correndo bem abaixo do meu limite e isso chega a ser estressante. No final do dia eu estava segurando a moto apenas com o braço esquerdo e só apoiava o direito no guidão”, contou Jean. “Nas minhas condições físicas, corro com o objetivo de terminar o rali, o que já será um grande resultado”, admitiu o piloto, que sofreu um acidente em julho durante o Rally dos Sertões.Jean chegou visivelmente cansado ao acampamento de Atar. “Dormi apenas três horas antes da largada. Quando cheguei na fronteira da Mauritânia até tentei descansar um pouco, mas estava frio demais e foi impossível relaxar”, contou.Mesmo com o rendimento prejudicado, Jean Azevedo terminou a etapa em 14º lugar na classificação geral e está conseguindo manter a 12ª posição nos resultados acumulados desde a largada, dia 1º de janeiro. “Não consigo acompanhar o ritmo dos primeiros colocados”, disse ele no acampamento em Atar mostrando o velocímetro da moto, que marcava 178 quilômetros por hora de velocidade máxima no trecho de terça-feira.O francês Richard Sainct, tricampeão do Dakar, venceu a etapa do dia, mas o compatriota dele, Cyril Despres, atual campeão do mundo de rali cross country, assumiu a liderança da competição em duas rodas, posição antes ocupada pelo espanhol Isidre Esteve, que teve problemas com a moto.O Rally Paris-Dakar tem fama de testar os limites de máquinas e pilotos. Como não bastasse uma etapa com 1.055 quilômetros, nesta quinta-feira será o dia “maratona”, quando os mecânicos não poderão ir para o próximo acampamento, em Tidjikja, seguindo direto para Nema. Ou seja, os próprios pilotos terão que fazer a manutenção dos veículos no final do dia.A oitava etapa será relativamente curta, com “apenas” 389 quilômetros no total (355 cronometrados), mas quem tiver problemas mecânicos sérios estará a um passo de abandonar o maior rali do mundo. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NAVIRAÍ
Por dinheiro, policial facilitava entrada de celulares e droga em presídio
POLÍTICA
Nelsinho Trad oficializa pedido para reativar Parlamento Amazônico
CAMPO GRANDE
Durante discussão, major da PM atira contra o ex-namorado
TENTATIVA
Petroleiros suspendem greve após 20 dias para negociar acordo
ANASTÁCIO
Motorista perde controle de direção e tomba carreta em ponte
EDUCAÇÃO
UFGD fará programação de recepção aos calouros no dia 03 de março
CAPITAL
Menina de três anos tem braços quebrados após ser espancada por garoto
CONCURSO
Exército abre inscrições para 1.100 vagas da Escola de Sargento
CORUMBÁ
Homem mata professor e foge após confessar crime para mãe
FUTEBOL
Maracaju terá que mandar jogos com portões fechados

Mais Lidas

APÓS 9 ANOS
Hipermercado fecha as portas em Dourados no final do mês
DOURADOS
Policial aposentado mata homem e diz ter sido ameaçado com faca
VIOLÊNCIA
Homem é assassinado em frente a padaria em Dourados
DOURADOS
Júri termina com réu condenado a 15 anos por matar desafeto em 2018