Menu
Busca sexta, 22 de junho de 2018
(67) 9860-3221
INTERNACIONAL

Papa pede integração de imigrantes, apesar de temor "legítimo"

Papa pede integração de imigrantes, apesar de temor "legítimo"

14 janeiro 2018 - 15h30Por Agência Brasil

O papa Francisco classificou neste domingo (14) como pecado que imigrantes e moradores dos países que os recebem se recusem a conhecer-se e integrar-se por um medo que, ainda que “legítimo”, não deve alimentar o ódio e a rejeição. A informação é a da Agência EFE. 

“Não é fácil entrar na cultura que nos é alheia, pôr-nos no lugar de pessoas tão diferentes de nós, compreender seus pensamentos e suas experiências”, declarou o pontífice em uma missa com refugiados realizada durante a Jornada Mundial dos Imigrantes.

Francisco disse que, perante esta dificuldade, “frequentemente renunciamos ao encontro com o outro e levantamos barreiras para defender-nos”.

“As comunidades locais, às vezes, temem que os recém-chegados perturbem a ordem estabelecida, 'roubem' algo que se construiu com tanto esforço. Mesmo os recém-chegados têm medos: temem a confrontação, o julgamento, a discriminação, o fracasso”, destacou.

O papa reconheceu que estes medos “são legítimos” por estarem baseados em “dúvidas que são totalmente compreensíveis do ponto de vista humano”.

No entanto, sustentou que duvidar “não é um pecado”, mas sim permitir que “estes medos determinem nossas respostas, condicionem nossas escolhas, comprometam o respeito e a generosidade, alimentem o ódio e a rejeição”.

“O pecado é renunciar ao encontro com o outro, com aquele que é diferente, com o próximo”, completou.

Francisco pronunciou esta homilia durante uma missa na basílica de São Pedro na qual participaram imigrantes e refugiados de 49 países diferentes que levaram suas bandeiras, assim como 70 diplomatas credenciados na Santa Sé.

Perante eles, o papa insistiu na necessidade de entendimento entre os imigrantes e as sociedades que os recebem e ressaltou que ambas partes devem “acolher, conhecer e reconhecer”.

Para os primeiros isto implica em “conhecer e respeitar as leis, a cultura e as tradições dos países que os acolheram”, bem como “compreender os seus medos e as suas preocupações em relação ao futuro”.

Os segundos, por sua parte, deveriam “abrir-se à riqueza da diversidade sem ideias preconcebidas, compreender os potenciais, as esperanças dos recém-chegados, bem como a sua vulnerabilidade e os seus temores”.

Na opinião do papa, o “verdadeiro encontro com o outro não se limita à acolhida”, mas envolve as três ações que já destacou em agosto na sua mensagem prévia à jornada de hoje: “proteger, promover e integrar”.

Por último, Francisco pediu uma “oração recíproca” entre refugiados e as comunidades locais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADINA
Motorista fica preso em ferragens após caminhão tombar na MS-470
UFGD
Programa de Monitoria recebe propostas a partir de segunda
JAPORÃ
Polícia Militar captura autor de estupro contra adolescente
EDUCAÇÃO
Aberta as matrículas para os convocados na 1° chamada do IFMS
PONTA PORÃ
Veículo roubado na Bahia é apreendido com 273 quilos de maconha
JUSTIÇA
Universidade deve indenizar formando por cobrar dívida inexistente
TERENOS
Dois são autuados por exploração de madeira e uso de motosserra
UFGD
Terminam no domingo as inscrições para seleção de estagiários
ITINERANTE
Carreta da Justiça atende 148 pessoas na comarca de Alcinópolis
FRONTEIRA
Polícia apreende 44 mil pacotes de cigarros em carreta abandonada

Mais Lidas

DOURADOS
Interno é encontrado morto em cela da PED
DOURADOS
Suspeito nega envolvimento, mas é autuado por latrocínio
DOURADOS
Assassinato de andarilho pode ter ocorrido dentro de barraco
DOURADOS
Corpo encontrado carbonizado seria de andarilho