Menu
Busca segunda, 10 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
INTERNACIONAL

Papa pede integração de imigrantes, apesar de temor "legítimo"

Papa pede integração de imigrantes, apesar de temor "legítimo"

14 janeiro 2018 - 15h30Por Agência Brasil

O papa Francisco classificou neste domingo (14) como pecado que imigrantes e moradores dos países que os recebem se recusem a conhecer-se e integrar-se por um medo que, ainda que “legítimo”, não deve alimentar o ódio e a rejeição. A informação é a da Agência EFE. 

“Não é fácil entrar na cultura que nos é alheia, pôr-nos no lugar de pessoas tão diferentes de nós, compreender seus pensamentos e suas experiências”, declarou o pontífice em uma missa com refugiados realizada durante a Jornada Mundial dos Imigrantes.

Francisco disse que, perante esta dificuldade, “frequentemente renunciamos ao encontro com o outro e levantamos barreiras para defender-nos”.

“As comunidades locais, às vezes, temem que os recém-chegados perturbem a ordem estabelecida, 'roubem' algo que se construiu com tanto esforço. Mesmo os recém-chegados têm medos: temem a confrontação, o julgamento, a discriminação, o fracasso”, destacou.

O papa reconheceu que estes medos “são legítimos” por estarem baseados em “dúvidas que são totalmente compreensíveis do ponto de vista humano”.

No entanto, sustentou que duvidar “não é um pecado”, mas sim permitir que “estes medos determinem nossas respostas, condicionem nossas escolhas, comprometam o respeito e a generosidade, alimentem o ódio e a rejeição”.

“O pecado é renunciar ao encontro com o outro, com aquele que é diferente, com o próximo”, completou.

Francisco pronunciou esta homilia durante uma missa na basílica de São Pedro na qual participaram imigrantes e refugiados de 49 países diferentes que levaram suas bandeiras, assim como 70 diplomatas credenciados na Santa Sé.

Perante eles, o papa insistiu na necessidade de entendimento entre os imigrantes e as sociedades que os recebem e ressaltou que ambas partes devem “acolher, conhecer e reconhecer”.

Para os primeiros isto implica em “conhecer e respeitar as leis, a cultura e as tradições dos países que os acolheram”, bem como “compreender os seus medos e as suas preocupações em relação ao futuro”.

Os segundos, por sua parte, deveriam “abrir-se à riqueza da diversidade sem ideias preconcebidas, compreender os potenciais, as esperanças dos recém-chegados, bem como a sua vulnerabilidade e os seus temores”.

Na opinião do papa, o “verdadeiro encontro com o outro não se limita à acolhida”, mas envolve as três ações que já destacou em agosto na sua mensagem prévia à jornada de hoje: “proteger, promover e integrar”.

Por último, Francisco pediu uma “oração recíproca” entre refugiados e as comunidades locais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TV
Travando batalha contra o câncer, Ana Furtado não comparece no É de Casa e entrega: “É uma despedida”
CARACOL
Pecuarista vai ter que pagar R$ 13,8 mil por desmatamento ilegal de 46 hectares de vegetação
CAMPO GRANDE
Motorista é preso por embriaguez e passageiro por quebrar janela de prédio público
POLÍTICA
Comissão se reúne na segunda para discutir e votar parecer sobre unificação das polícias
BANDEIRANTES
Veículo desgovernado invade canteiro de obras e mata trabalhador na BR-163
CONGRESSO
CPI dos Maus-tratos encerra trabalhos com propostas polêmicas
RORAIMA
Intervenção deverá valer a partir de amanhã até 31 de dezembro
Interventor prepara plano de ação a ser apresentado a Temer
CORUMBÁ
Mulher descobre traição e acaba agredida a pauladas pelo marido
SAÚDE
"Revolução sexual” contra impotência faz 20 anos em 2018
Médicos celebram disponibilidade de remédios para tratar disfunção
CAPITAL
Homem tem o carro incendiado após enteado pegar veículo sem autorização

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Idosa é espancada, esfaqueada e vai parar na UTI após assalto em Dourados
DOURADOS
Dupla é presa por tráfico de drogas na Vila Mariana
DOURADOS
Por força judicial, terceira sessão para definir Mesa Diretora da Câmara é cancelada
INVESTIGAÇÃO
Brasileira desaparecida na Austrália é encontrada morta em praia