Menu
Busca terça, 17 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Pai social pode ter direitos trabalhistas e previdenciários

15 maio 2011 - 09h52

A figura do pai social, que se dedica a cuidar, no sistema de casas-lares, de crianças e adolescentes em situação de risco, é regulamentada em proposta aprovada nesta quinta-feira (12) pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

De autoria do deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 98/09 recebeu parecer favorável na forma de substitutivo apresentado pelo relator, senador Cícero Lucena (PSDB-PB), e deverá receber decisão terminativaDecisão terminativa é aquela tomada por uma comissão, com valor de uma decisão do Senado.

Quando tramita terminativamente, o projeto não vai a Plenário: dependendo do tipo de matéria e do resultado da votação, ele é enviado diretamente à Câmara dos Deputados, encaminhado à sanção, promulgado ou arquivado.

Ele somente será votado pelo Plenário do Senado se recurso com esse objetivo, assinado por pelo menos nove senadores, for apresentado à Mesa.

Após a votação do parecer da comissão, o prazo para a interposição de recurso para a apreciação da matéria no Plenário do Senado é de cinco dias úteis. da Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

O pai social é equiparado à mãe social, cuja atividade é regulamentada pela Lei 7.644/87. Para propiciar ao menor ou adolescente em situação de risco as condições familiares ideais a seu desenvolvimento e reintegração social, as instituições de assistência poderão contratar pai ou mãe social.
Direitos

A exemplo da mãe social, o pai social terá direito a anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), salário mínimo , repouso semanal remunerado de 24 horas, férias de 30 dias, 13º salário e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS ). É também considerado segurado obrigatório da Previdência Social.

No relatório favorável ao projeto, o senador Cícero Lucena (PSDB-PB) destacou a importância de uma estrutura familiar substituta para a criança abandonada, na qual ela se sinta protegida e amparada.

O sistema de casas-lares possibilita, sim, que as crianças separadas precocemente de seus pais tenham uma convivência em famílias estruturadas, com melhores condições para o estabelecimento dos vínculos fundamentais ao seu desenvolvimento global - afirma o relatório lido pelo senador Sérgio Petecão.


Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASILEIRÃO/2018
Após fim da Copa, Brasileirão terá seis clássicos em quatro dias
SECURA
Sem chuva há quase 40 dias, umidade do ar fica abaixo de 30% em Dourados
JAPORÃ
Promotora faz visita surpresa e descobre que bioquímico de posto de saúde trabalha em outra cidade
DIÁRIO OFICIAL
Publicado edital para eleição complementar do Conselho de Alimentação
SEU BOLSO
Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas
REFUGIADOS
54% dos venezuelanos que entraram no Brasil por RR desde 2017 já deixaram o País
CRIME AMBIENTAL
PMA captura anta com ferimentos em rancho de Coxim
FURTO EM COMÉRCIO
Guarda Municipal prende autora de furto em mercado de Dourados
VOLTA AO JAPÃO
Zico é anunciado como diretor técnico do Kashima Antlers
ACIDENTES NO TRÂNSITO
Homens recebem 75% das indenizações do DPVAT

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
BUSCAS
Pai busca notícias sobre filho adolescente desaparecido em Dourados
DOURADOS
Polícia prende assassino de mecânico morto a pauladas
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa