Menu
Busca sexta, 17 de agosto de 2018
(67) 9860-3221
ARTIGO

Os crimes e necessidade da pena integral

30 outubro 2017 - 16h50Por Dirceu Cardoso Gonçalves – tenente - PM

Ainda sob o impacto da execução, por bandidos, do comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro, o presidente Michel Temer sancionou na última quinta-feira, dia 26, a lei que torna crime hediondo a comercialização, porte e uso de armas de aplicação exclusiva das Forças Armadas. Segundo o texto, todo indivíduo que tiver no seu poder ou utilizar fuzis, metralhadoras, carabinas, pistolas e até revólveres de calibres restritos ao Exército, Marinha, Aeronáutica, instituições de segurança e pessoas físicas e jurídicas habilitadas e autorizadas pelo Exército, receberão penas mais severas.

A pena por crime hediondo começa obrigatoriamente a ser cumprida em regime fechado. A progressão para o nível mais brando só é possível depois de passados dois quintos do tempo quando o réu é primário ou três quintos quando é reincidente. Para os crimes comuns, não hediondos, a progressão se dá a partir do cumprimento de um sexto da pena. Isso sem falar de outros benefícios que o apenado recebe e conta para o seu livramento antes de findo o período de recolhimento imposto judicialmente.

São muitas as válvulas à disposição do condenado, para antecipar sua libertação. Todas deveriam passar pela comprovada ressocialização mas, infelizmente, não é o que a prática demonstra. Acredita-se que, mais do que a recuperação do detento, o Estado vise com as medidas o esvaziar dos presídios por não ter como atender a toda a demanda por vagas. Com isso, cresce o sentimento de impunidade que estimula o crime e subjuga o cidadão, colocado à mercê da criminalidade.

Governo, legisladores e aplicadores das leis deveriam agir celeremente para responder às demandas da sociedade. O crime é dinâmico e as decisões de seu combate, especialmente a atualização das leis, são morosas. Isso leva a sociedade a viver no vácuo. Para o caso das armas restritas e de outras ações que levam a população ao sofrimento, como o tráfico de drogas e o assalto a bancos, a classificação como crime hediondo é pouco. Para acabar com esses delitos, que constituem a maior parte do crime organizado instalado no país, é necessário estabelecer o regime de cumprimento total da pena, onde o criminoso, ao ser preso, só sai da cadeia no último dia fixado em sua sentença. Pela excepcionalidade e gravidade do delito, ele também não deverá contar com o benefício da fuga da flagrância e de outras atenuantes disponíveis a praticantes de crimes comuns. Isso o desencorajaria se arriscar a passar encarcerado praticamente toda a sua vida útil. É o que ocorre nos países mais desenvolvidos do mundo mas não vigora no Brasil em razão da fraqueza do Estado, da demagogia dos políticos e da militância temerária de muitos que tratam a segurança pública como se fosse poesia ou obra de ficção.

Enquanto o criminoso não tiver a certeza de que, uma vez descoberto, passará anos atrás das grades, a segurança pública brasileira continuará mal. Só estarão bem os falsos que, com suas teses inexequíveis, ganham muito dinheiro ou até fazem carreira política ou profissional. Pobre Brasil...

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Gracyanne Barbosa ousa em posição e deixa bumbum em evidência
ASSEMBLEIA
Projeto aprovado eleva Comarca de Rio Verde à categoria de segunda entrância
TECNOLOGIA
Anatel abre consulta pública sobre uso de faixa de frequência para 5G
JUCEMS
MS abriu mais de 500 empresas em julho
FLAGRANTE
Polícia prende em Corumbá foragido da Justiça do Maranhão
ELEIÇÕES 2018
TSE nega participação de Lula em debate na TV amanhã
ESPECIALIZAÇÃO
IFMS abre matrícula para especialização em Docência para Educação Profissional
ENSINO SUPERIOR
Estudantes que vão concluir graduação já podem se cadastrar no Enade 2018
REAJUSTE SALARIAL
Frentistas de MS tentam reajuste salarial desde 1º de março
COTAÇÕES
Dólar tem leve alta e volta ao patamar de R$ 3,90 com incerteza eleitoral

Mais Lidas

DOURADOS
Madrasta de criança morta é autuada por homicídio
DOURADOS
Além da madrasta, delegado autua o pai e ambos responderão pela morte de criança
DOURADOS
Criança de 1 ano teve trauma no tórax e laceração hepática
DOURADOS
Criança possuía lesões na cabeça e pescoço e polícia investiga o caso