Menu
Busca Quinta, 23 de Novembro de 2017
(67) 9860-3221
Sertão - Novembro 2017
SISTEMA CARCERÁRIO

Ordem para rebelião no AM saiu de presídio da Capital

09 Janeiro 2017 - 14h50

A ordem para a rebelião que resultou no massacre de 56 detentos no Complexo Anísio Jobim, em Manaus (AM), na semana passada, foi dada a mais de 2 mil quilômetros de distância, no presídio federal de segurança máxima de Campo Grande. A informação divulgada pela TV Globo, é de autoridades federais e estaduais.

É no presídio em Mato Grosso do Sul que estão encarcerados os chefes da facção criminosa que controla o tráfico de drogas na região Norte do Brasil. O principal deles aparece em imagens obtidas pela Polícia Federal. O traficante José Roberto Fernandes Barbosa, de 44 anos, é conhecido no mundo do crime como Zé Roberto da Compensa.

Ele foi preso na Operação La Muralla, em 2015, com mais 16 chefes da facção. Eles foram mandados para para prisões federais fora do Amazonas, no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), em que o criminoso fica em isolamento.

Os chefes continuam presos, mas passaram a ter direito a visitas. Segundo as autoridades, a ordem que chegou a Manaus foi executada por bandidos do terceiro escalão da quadrilha, para matança de presos de uma facção rival, da região Sudeste, que estaria em disputa com a quadrilha amazonense pelo controle do tráfico na região Norte.

O presídio fica localizado em uma área estratégica: a rota do Solimões, por onde é escoada a droga produzida no Perue na Colômbia, maiores produtores mundiais de cocaína. A rota pelo rio é um dos principais corredores do tráfico no Brasil e funciona como um esconderijo.

"Basicamente o que a gente tem conhecimento é a utilização de saída da calha principal do rio, utilizando igarapés, furos e utilizando a navegação no período noturno", afirmou o capitão dos portos de Tabatinga (AM), Rogério Amorim. O Rio Solimões tem 1,6 mil quilômetros, entre a cidade na Tríplice Fronteira e Manaus.

A rebelião ocorreu no domingo (1º), dia de visita das famílias. Um policial que estava de plantão no presídio contou ao Fantástico que percebeu sinais de que algo estava errado quando os detentos pediram para os parentes deixarem o presídio.

"A gente começou a perceber porque os presos começaram a ordenar que as visitas saíssem mais breve possível. 'Acabou a visita, acabou a visita, vamo, bóra, bóra, bóra'", afirmou, sem querer ser identificado.
Segundo o policial militar, armas, celulares e drogas entram no presídio sem nenhum controle. Imagens de 2013 mostram os presos formando fila para consumir cocaína dentro do complexo.

As armas teriam entrado pelo mesmo caminho que as drogas: o regime semiaberto.

"O complexo Anísio Jobim tem um ponto vulnerável. Se você vê esse muro aqui, essa parte aqui é o semiaberto, tudo, até lá atrás, e é colado com o fechado. O semiaberto tem arma, tem munição, tem droga, o semiaberto tem tudo. O semiaberto é como se fosse um fornecedor para o regime fechado."

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUA DE MEL
Atleta do nado curte dia de sol nas Maldivas
DOURADOS
Prefeita recebe Udam e destaca trabalho conjunto com presidentes de bairros
ASSEMBLEIA
Executivo envia três projetos à Casa de Leis nesta quarta-feira
FUTSAL
Presidente Vargas é campeão do Estadual feminino
BRASIL
CCJ dá início à tramitação da PEC que acaba com foro privilegiado
SAÚDE
"Ônibus da Saúde" leva atendimento oncológico até Fátima do Sul no próximo sábado
EDUCAÇÃO FÍSICA
Participantes do Desafio 15 Dias do Jorjão perderam 332 quilos
ECONOMIA
Dólar cai e volta a R$ 3,23 com exterior e à espera de reforma da Previdência
DOURADOS
Délia recebe entidades conveniadas e garante manter parcerias
DOURADOS
Termina amanhã as inscrições para residências no HU

Mais Lidas

CANAÃ I
Homem é preso com mais de 100 porções de pasta base
DOURADOS
Jovem é preso em nova fase de operação contra pedofilia
IVINHEMA
Fim do casamento faz ex divulgar fotos íntimas por whatsapp
JARDIM CLÍMAX
Mulher é presa suspeita de vender catuaba a menores