Menu
Busca sexta, 22 de junho de 2018
(67) 9860-3221
OPINIÃO

O fim do foro privilegiado

13 junho 2018 - 14h05Por Dirceu Cardoso

Foi preciso passar quase 30 anos da Constituição (promulgada em 5 de outubro de 1988) e muitos escândalos, para o Supremo Tribunal Federal decidir que não lhe cabe julgar crimes cometidos por parlamentares, ministros e outras autoridades fora de seus mandatos ou área de atribuições. Durante todo esse tempo, criminosos que tiveram a oportunidade de se eleger ou serem nomeados para altos postos deixaram de pagar pelo que cometeram na vida particular e, muitos deles, se beneficiaram da prescrição. Embora tardia, a medida é benéfica e, com certeza, também valerá para governadores, prefeitos e outros detentores de foro especial pois, antes de terem a proteção do cargo ocupado, todos são cidadãos, constitucionalmente iguais perante as leis.

O foro privilegiado deve ser focado no cargo. Dar ao ocupante condição de agir ou falar em nome e no interesse público sem o risco de ser processado e condenados como  cidadão comum. É a independência exigida pela função relevante. Mas, se qualquer detentor de foro, bater na mulher, grilar terras, matar ou ameaçar ou cometer corrupção, é problema de justiça comum, pois são atos de cidadão e não de agente público.

Outra coisa que precisa acabar é a contumaz judicialização. Nas últimas décadas, desde a saída dos militares do poder, membros do parlamento e setores radicais da política adotaram o procedimento de recorrer à Justiça sempre que não conseguem aprovar (ou rejeitar) projetos no parlamento. As mesas de juízes, promotores, procuradores, desembargadores e ministros passaram a receber grande número de processos onde são chamados a deslindar divergências de ordem político-parlamentar. Isso, além de abarrotar os canais judiciais, ainda produz a nefasta intromissão de um poder na área de atribuição dos outros. Por culpa de seus próprios membros, Legislativo e Executivo são hoje rotineiramente contestados pelo Judiciário. É preciso entender que o caminho judicial, embora legalmente possível, por uma questão de bom senso, deve ser o último recurso e não o primeiro, conforme se tornou hábito no Brasil redemocratizado.

Somos um país com boa infraestrutura e nível de desenvolvimento. Mas temos um Estado inteiramente inconsistente, mercê das práticas e mazelas do clientelismo político e ideológico. Precisamos de amplas reformas. A máquina pública, que hoje gasta mais do que arrecada, tem de emagrecer e ficar dentro dos seus limites financeiros. O custo das eleições tem de ser definido dentro da possibilidade de arrecadação lícita dos partidos e candidatos. É preciso encontrar um meio de impedir que milhares de privilegiados do serviço público ganhem mais do que os limites estabelecidos como teto. Criar mecanismos para que o Estado seja capaz de garantir aos cidadãos Saúde, Educação, Trabalho, Segurança e bem-estar, dentro daquilo que as leis estabelecem e hoje não é cumprido.

Temos um longo caminho a percorrer e, por isso, devemos pressionar por reformas, sem demora...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Vanessa Mesquita exibe corpo escultural e traça nova meta: "Motivada"
SOLTURA
Defesa de Lula busca concessão de prisão domiciliar junto ao STF
RURAL
Aprosoja realiza lançamento estadual da colheita do milho safrinha
FUTEBOL
Arbitral define detalhes da terceira fase da Copa Assomasul
CAMPANHA
“A vergonha é verde e amarela”, diz post do governo sobre assédio
UFGD
Inscrições para bolsa ao pesquisador ingressante terminam segunda-feira
BASE DE CÁLCULO
TST decide contra a Petrobras em causa trabalhista bilionária
COMÉRCIO ILEGAL
"Operação Alta Pressão" do Exército apreende 51 armas de fogo
CAMPO GRANDE
Doze anos após crime, homem é preso por estuprar criança de 5 anos
SELEÇÃO
Governo de MS abre processo seletivo para contratação de médicos

Mais Lidas

DOURADOS
Interno é encontrado morto em cela da PED
MS-164
Gaeco e PRF apreendem arsenal que seria levado até Minas
FURTOS
Moradores encontram casas furtadas em Dourados
FRONTEIRA
Homem é assassinado a tiros ao tentar defender filho