Menu
Busca sábado, 08 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

O AGRONEG

09 agosto 2006 - 13h34

Por: Luiz Marques VieiraA sobrevivência das fazendas no Pantanal e entorno está muito relacionada com a sua localização geográfica, volume de negócios, produtividade, competitividade e potencial de diversificação da produção em bases ecossustentáveis. No passado recente, a grande extensão das unidades de produção, apesar da baixa produtividade, garantia a manutenção de um bom nível de renda aos proprietários rurais e a sobrevivência de famílias numerosas de empregados. É claro que, atualmente, a unidade de produção para ser competitiva deve, além de área suficiente e eficiência compatíveis com os produtos ofertados, deve ser capaz de gerar produtos de boa qualidade e de baixo custo. Para que isso se torne realidade, a unidade produção deve contemplar, preferencialmente, abundância e diversidade de recursos naturais, principalmente de fitofisionomias. Além da pecuária de corte, é preciso viabilizar alternativas econômicas para melhorar o fluxo de caixa e, se possível, atender as despesas correntes de custeio. Não estou me referindo à pecuária tradicional até então praticada na região, pois tudo indica que ela esteja com os dias contados. Além disso, a sobrevivência da atividade pecuária, mesmo a inovadora, com a oferta de produtos de qualidade, como por exemplo a produção do vitelo pantaneiro, está muito relacionada, a médio e longo prazos, com a sustentabilidade de seus recursos naturais, principalmente pastagens nativas de elevado valor nutritivo para atender às demandas dos bezerros em fase ativa de crescimento e que demandam dieta com teor mais elevado de proteína. Para que essas duas premissas se concretizem, torna-se necessário modernizar os conceitos e adotar modelos de gestão que sejam mais eficientes que os atualmente em uso pelos pecuaristas. Além disso, os sistemas de produção devem incorporar tecnologias que sejam de baixo impacto ambiental. E será isso possível? Com isso não estou dizendo que os atuais pecuaristas Pantaneiros são agressivos ao ambiente. Tudo indica que a adoção de tecnologias de produção compatíveis com a realidade regional deve constituir a base do agronegócio no Pantanal. Técnicas de administração e gerência geral, se aliadas às práticas simples de manejo nutricional, reprodutivo e sanitário, sem dúvida alguma, incrementarão os índices de produtividade do sistema sem grandes investimentos e sem onerar de maneira significativa o custo de produção. Entretanto, a implementação desse modelo depende da sensibilidade, vontade, criatividade e capacidade do pecuarista para eleger e ajustar as tecnologias que irão compor os novos agrosistemas. É preciso que elas sejam ecossustentáveis, esteja validada e disponível. Nessa etapa a Embrapa Pantanal poderá contribuir muito. É claro que a sustentabilidade dos novos sistemas de produção demanda técnicas de manejo dos recursos naturais sem perder de vista a sua dinâmica temporal produtiva. Para que a tecnologia esteja validada e disponível, implica, muitas vezes, em meticuloso processo de geração e transferência dos resultados da pesquisa para os produtores. Está implícita a necessidade de recursos humanos bem treinados e disponibilidade de recursos financeiros para custeio e investimentos. Será que as instituições responsáveis pela promoção do desenvolvimento harmonioso dessa região estão contando com a infra-estrutura indispensável para gerar e transferir os conhecimentos e tecnologias que a sociedade regional tanto demanda? Ou estamos adequando a demanda regional à nossa efetiva capacidade de fazer pesquisa e ajustando-a aos parcos recursos públicos que se dispõe atualmente? É preciso refletir e avaliar se o que estamos gerando está efetivamente atendendo aos anseios da comunidade. Se essa premissa não estiver sendo satisfeita, que sejamos humildes e corajosos para procedermos os ajustes na nossa agenda de pesquisa. O nosso foco não pode perder de vista que a pesquisa deve promover o desenvolvimento regional em bases ecossustentáveis. É esta a nossa grande e nobre missão enquanto intitulados pesquisadores atuando numa Empresa Pública como a Embrapa Pantanal. Entretanto, constatamos que algumas linhas de pesquisa não conseguem sair dos conhecimentos básicos. Esses, na verdade, são necessários para viabilizar aspectos relevantes que nortearão o funcionamento dos novos sistemas de produção e que por ocasião da demanda não se encontravam disponíveis na literatura. E isso também se aplica para área ambiental, pois não se pode excluí-la do enfoque de sistema de produção, pois também é parte integrante do ecossistema.Muito embora haja crescente demanda no mercado nacional e internacional para produtos naturais de qualidade comprovada, muito pouco ou quase nada tem sido efetivamente realizado no Pantanal. Esse é ainda um dos segmentos muito pouco explorados e que pode oferecer boas perspectivas no campo empresarial regional. As preferências desses mercados por produtos agropecuários com padrão de qualidade certificada, tanto em termos zootécnicos quanto sanitários, constitui-se numa das grandes alternativas sócio-econômicas para muitas propriedades rurais localizadas no Pantanal e entorno. A criação de animais silvestres, em cativeiro, talvez se constitua numa excelente fonte adicional de renda, pois existem solos de boa fertilidade com topografia adequada e com potencial para produzir grande parte dos alimentos necessários à alimentação dos animais. O potencial é ainda maior no caso de propriedades localizadas nas bordas do Pantanal, pois, atualmente, há maiores facilidades de transporte dos insumos e comercialização da produção. Há informações de que os restaurantes finos, frequentados pelas elites das metrópoles brasileiras e do exterior, privilegiam esses produtos, comercializando-os a preços bem mais elevados em relação a outros tipos de carnes como a bovina, suína, caprina, ovina e de aves Será que os pequenos fazendeiros, se organizados em cooperativas, não poderiam vislumbrar essa alternativa como factível? Entendo que essa é outra linha de investigação que a Embrapa Pantanal poderá contribuir muito. Entretanto, há necessidade de equipes multidisciplinares atuando com enfoque em sistema de produção, o que muitas vezes demanda treinamento específico.Uma outra alternativa que pode se tornar muito interessante no Pantanal é a produção de mel de abelhas, considerando que as dificuldades, detectadas inicialmente pela Embrapa Pantanal, sejam equacionadas. Entende-se que a organização de associações de classe regionais e cooperativas sejam algumas das formas de se organizar os produtores e viabilizar a comercialização dos produtos e subprodutos em bases mais econômicas.Tudo indica que a diversificação da produção nas propriedades rurais no Pantanal, constitui-se numa alternativa inteligente para viabilizar a sua sobrevivência, principalmente nos períodos críticos, quando o preço mínimo estabelecido para determinado produto agropecuário se posicionar abaixo do custo de produção. As políticas de preços mínimos, nem sempre ajustadas às realidades e peculiaridades regionais. Em regiões onde ainda predomina a pecuária de corte com baixo nível de tecnologia, de modo geral os produtores se encontram descapitalizados e desestimulados. Eles acabam abandonando o campo dirigindo-se para os grandes centros urbanos. E para que essa situação não se intensifique no Pantanal é preciso nos despertarmos. Estamos assim, passivamente assistindo o crescimento e a intensificação do êxodo rural em muitas regiões brasileiras e a descontrolado crescimento de enormes favelas nas periferias das grandes cidades. Os sem terras procedentes da zona rural, aliados aos desempregados das áreas urbanas invadindo as propriedades particulares e a reforma agrária, desintonizada da realidade sócio-econômica brasileira, continua proliferando sem resultados palpáveis em muitas regiões do pais, como por exemplo nos assentamentos rurais existentes nas bordas das cidades de Corumbá e Ladário, em Mato Grosso do Sul. Muito embora a pecuária bovina de corte, desenvolvida em sistemas de produção extensivos tenha se perpetuado por mais de 200 anos no Pantanal e adjacências e que ainda se mantém como a principal atividade econômica, há fortes indicativos de que o panorama terá que mudar nos próximos anos. Caso contrário, aqueles que insistirem, provavelmente serão obrigados a vender suas terras e provavelmente mudar de atividade. Talvez a criação de pequenos animais se constitua numa das alternativas econômicas para se incrementar a rentabilidade das pequenas propriedades e assentamentos rurais localizados nas bordas do Pantanal. Vários autores têm sugerido que a criação de capivaras em regime semi-intensivo, como alternativa econômica adicional interessante e rentável, se integrada às atividades de pecuária de corte nas bordas do Pantanal. Além disso, tudo indica a existência de boas condições ambientais na região e perspectivas de mercado favoráveis à implementação de sistemas de produção de ovinos e caprinos para carne de boa qualidade sanitária e nutricional. No entanto, há necessidade adaptação e validação de tecnologias de produção à realidade do Pantanal e adjacências. É provável que os pequenos produtores e assentados rurais possam se beneficiar de um programa com esse enfoque. Entende-se que as grandes propriedades também apresentam potencial para tal diversificação na produção pecuária. Acredita-se que com essas opções, pode-se visualizar melhores perspectivas na performance sócio-econômica das unidades de produção da região do Pantanal e periferia. Também nesse aspecto os resultados da pesquisa gerados pela Embrapa Pantanal poderão em muito contribuir.*Luiz Marques Vieira (lvieira@cpap.embrapa.br), Engenheiro Agrônomo, MSc. em Zootecnia e Doutor em Ecologia. É Pesquisador da Embrapa Pantanal na área de Qualidade Ambiental. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAN BADO
Polícia paraguaia apreende quase três toneladas de maconha na fronteira
OPORTUNIDADE
JBS oferece mais de 600 vagas em Dourados e mais cinco cidades
SÃO PAULO
Internautas arrecadam R$ 121 mil para entregador que sofreu ofensas racistas
SAÚDE
Dia nacional do combate ao colesterol chama atenção para o problema
CAPITAL
Macaco sagui morre eletrocutado e fica grudado em fiação elétrica
EDUCAÇÃO
IFMS abre processo seletivo para contratação de 16 professores substitutos
MATO GROSSO
Morre Dom Pedro Casaldáliga, o bispo das causas sociais e indígenas
FUTEBOL
Palmeiras bate Corinthians nos pênaltis e conquista o Paulistão após 12 anos
COMÉRCIO EXTERIOR
Exportação de soja de MS avança 129% em relação ao ano passado
COVARDIA
Homem agride moradora de rua na saída de supermercado e foge

Mais Lidas

INVESTIGAÇÕES
Polícia desarticula quadrilha responsável por furtos e tentativa de homicídio em Dourados
DOURADOS
Mãe e marido de adolescente de 12 anos são autuados por estupro de vulnerável
PANDEMIA
Com mais dois óbitos confirmados, Dourados chega a 61 mortes por coronavírus
DOURADOS
Equipe do Samu se desloca para atender vítima de facadas em bairro