Menu
Busca terça, 21 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Novo provão pode sair por meio de medida provisória

01 dezembro 2003 - 14h38

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, admitiu hoje que o novo modelo de provão das instituições de ensino superior poderá ser encaminhado ao Congresso por meio de medida provisória.Ele tem pressa para aprovar a medida para que a mesma possa ser aplicada já em 2004. Amanhã, Buarque apresentará sua proposta na Comissão de Educação do Senado.A intenção do ministro é ouvir as sugestões dos senadores, analisá-las e encaminhar a minuta de sua proposta à Casa Civil ainda nesta semana. Segundo Buarque, é o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quem decidirá se a proposta será enviada ao Congresso na forma de projeto de lei ou de uma medida provisória. Se for por MP, a tramitação será mais rápida e daria tempo para aprovar o novo modelo de avaliação dos cursos superiores no início do ano que vem, como diz esperar Cristovam."Vamos ouvir as sugestões. Refarei se for preciso e nesta semana ainda encaminharei a proposta à Casa Civil. Esse projeto de lei pode ser uma medida provisória, se o presidente decidir, para ser encaminhado ao Congresso, o que eu espero que aconteça ainda neste ano", disse o ministro.De acordo com Cristovam, se a MP ou projeto não for aprovado no começo do ano, o ministério terá que repetir o modelo atual do provão em 2004.Novo modeloA proposta de Cristovam prevê a classificação das instituições avaliadas por meio do Ides (Índice de Desenvolvimento do Ensino Superior).O Ides será uma média de quatro avaliações. Ainda não está definido o peso que cada avaliação terá na montagem do conceito final, porém, os pontos a serem considerados serão as avaliações da aprendizagem (como faz o provão) e do corpo docente, a capacidade institucional do curso e o envolvimento do mesmo com a realidade.No caso do provão, os cursos serão avaliados de três em três anos. No primeiro ano, serão avaliados todos os cursos das áreas de saúde, educação e ciências biológicas. Em seguida, será a vez das áreas de engenharia e ciências da terra. Depois, o restante das áreas será avaliado, para que os cursos de saúde, educação e ciências biológicas voltem a ser analisados.Os cursos com avaliação preocupante assinarão um termo de compromisso com o ministério e com os estudantes. O governo federal apontará os itens que deverão ser melhorados a partir do resultado da avaliação e a instituição terá três anos para cumprir essas metas. Caso não cumpra, ela poderá ser punida com a suspensão do vestibular ou até com o fechamento do curso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Terça-feira de sol com aumento de nebulsidade em Dourados
APARECIDA DO TABOADO
Homem escapa de sequestro durante abastecimento em posto de combustíveis
POLÍTICA
MPF defende anulação dos atos de Alvim na Secretaria de Cultura
CAMPO GRANDE
Após 17 dias, gêmeas siamesas ligadas pelo tórax morrem em hospital
JUSTIÇA
Jornalista britânica conhece em MS programas de proteção à mulher
ACIDENTE
Corpo de bióloga que morreu no Peru chega a MS na próxima 4ª-feira
POLÍTICA
MP 905 é tema reunião entre Reinaldo Azambuja e procurador-geral do MPT
CAPITAL
Laudo preliminar sobre morte de veterinária confirma cocaína em quarto
LINGUAGEM IMPRÓPRIA
Em decisão juiz ataca governo e diz que País vive "Merdocracia Neoliberal"
COSTA RICA
Homem fura pulmão de adolescente e foge, mas deixa documentos cair

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é flagrado correndo pelado na Presidente Vargas
PARAGUAI EM ALERTA
Membros do PCC fogem de prisão em Pedro Juan; ao todo já são considerado 75 foragidos
BELLA VISTA DO NORTE
Ex-prefeito de cidade paraguaia vizinha a MS é executado a tiros
POLÍCIA
Mulheres são presas com malas ‘recheadas’ de maconha no Jardim Santo André