Menu
Busca domingo, 25 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221

MST quer reunir 150 famílias em acampamento na capital

14 dezembro 2003 - 09h49

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) espera reunir cerca de 150 famílias até amanhã à tarde em acampamento que começou a ser montado ontem em Campo Grande, no anel rodoviário, em trecho próximo à saída para São Paulo. Nesta manhã já estariam no local, com barracas montadas, 55 famílias e chegariam outras 10 ainda nesta manhã, segundo um dos coordenadores do MST, Olímpio Frares.A decisão de formar novo acampamento ocorreu depois que a prefeitura destruiu barracas que tinham sido armadas perto dali, em ação feita na madrugada de quinta-feira.Embora o prefeito André Puccinelli (PMDB) tivesse dito que se surgisse novo acampamento ele seria removido, ontem à tarde, o diretor-presidente da Emha (Empresa Municipal de Habitação), Carlos Xavier Marun, informou que vai esperar o desfecho de tentativa de negociação do ouvidor agrário Ulisses Duarte, que disse que tentará resolver o problema.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUU!!
Débora Oliver faz cliques quentes para o Diamond Brazil
ASSEMBLEIA
Seminário sobre regularização fundiária urbana é o destaque da semana
LOTERIA
Apostas para a Dupla de Páscoa já podem ser feitas
PM E BOMBEIROS
ACS elege novo presidente em MS
ESTADO
Começa em abril inventário de plantas e solo do Cerrado de Mato Grosso do Sul
Veículos roubados que seriam levados para o Paraguai são recuperados
BRASIL
Conta-salário poderá ser transferida para instituições não financeiras
RECOMENDAÇÃO
Prefeito vai revogar doação de área a Arquidiocese de Campo Grande
MS/PR
Assaltantes se escondem em pântano e acabam presos
ESTADUAL
Federação adia fim da primeira fase após ajuste de tabela

Mais Lidas

NOVO HORIZONTE
Foragido da Justiça é preso após trocar tiros com policiais em Dourados
WILLIAM DENTE PODRE
Ladrão baleado após atirar contra a polícia morre em hospital
DOURADOS
Idoso morre ao ser atropelado na Monte Alegre
FÁTIMA DO SUL
População faz protesto e pedem Justiça no caso Débora