Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

MPF/PR quer garantir princípio de reciprocidade

22 agosto 2006 - 16h50

O Ministério Público Federal em Foz do Iguaçu (PR) propôs, hoje uma ação civil pública contra a União, com pedido de liminar, para que, enquanto durar a cobrança da taxa migratória que deve ser paga pelos turistas na saída da Argentina, os argentinos também paguem uma taxa, no mesmo valor, para sair do Brasil.Segundo descrito na ação, o MPF defende o respeito aos direitos fundamentais dos cidadãos brasileiros, onde quer que eles estejam. "Se as autoridades argentinas estão a exigir determinada obrigação (taxa de saída) de cidadãos brasileiros [...], é mister concluir que, em respeito ao princípio da reciprocidade, as autoridades brasileiras estão autorizadas, legitimamente, a exigir a mesma obrigação dos cidadãos argentinos quando saírem destas terras."O Departamento de Dirección Nacional de Migraciones, órgão descentralizado que atua no Ministério do Interior da República Argentina, editou atos normativos instituindo um novo sistema de Tránsito Vecinal Fronterizo. A partir de agosto, o país passou a exigir a cobrança de taxas de saída, também denominada pedágio na fronteira ou taxa migratória. O Decreto nº 1025 estabelece a cobrança de uma taxa de serviços migratórios a todos os visitantes, pela via terrestre e fluvial ou marítima. "Oportuno ressaltar que a medida atingirá brasileiros que residem nesta região fronteiriça, na medida em que só se compreendem turistas que residam dentro de uma faixa de 50 km da fronteira", diz o MPF na ação. A taxa cobrada é de P$ 5 (cerca de R$ 3,45) por pessoa que deixar o território argentino no período das 6h às 22h, e de P$ 7 (R$ 4,83), das 22h às 6h. Nos portos e aeroportos, a taxa sobe para P$ 30 (R$ 20,73).Reciprocidade - Os Estados, por serem independentes e soberanos, estão autorizados a estabelecer as normas que entenderem convenientes e necessárias a sua realidade histórica e social. No entanto, optando pela estratégia de incluir os países vizinhos no rol de países a serem taxados, os argentinos também devem assumir o ônus do desdobramento dessa decisão. Uma das conseqüências é a aplicação do princípio da reciprocidade das relações internacionais: cada Estado tem o direito de impor a outro o tratamento que seus nacionais vêm recebendo. É o princípio da igualdade entre os Estados. "Urge ressaltar, ademais, que a adoção de um mesmo procedimento seguido por outro país não equivale à retaliação, vingança ou xenofobia, mas simplesmente da aplicação de um princípio amplamente adotado no direito internacional", afirma o MPF na ação. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Florista ferida a tiros está em coma e ex segue internado sob escolta policial
EDUCAÇÃO
Após queixas de alunos, ministro admite erro na correção do Enem
TRÊS LAGOAS
Menina de 4 anos é internada em estado grave após ser picada por escorpião
MIRANDA
Motociclista morre ao bater de frente contra Fiat/Uno na BR-262
CULTURA
Regina Duarte quer uma conversa 'olho no olho' com Bolsonaro
ECONOMIA
Jucems registra abertura de mais de sete mil empresas em 2019
PONTA PORÃ
Do interior de veículo, homem atira contra namorada de 22 anos
PRÊMIOS
Nota Dourada terá primeiro sorteio na proxima segunda-feira
CRIME AMBIENTAL
Aposentado é autuado em R$ 6 mil por desmatamento em área protegida
PRAZO
IFMS encerra amanhã seleção para professores de educação especial

Mais Lidas

CAPITAL
Veterinária deixa motel em surto e morre embaixo de caminhão
DOURADOS
Homem é preso por destruir celular em operação deflagrada para esclarecer homicídio
DOURADOS
'Rua do medo' tem dois entregadores assaltados em 10 dias
TRÁFICO
Polícia flagra esquema de venda de droga no cartão em Dourados