Menu
Busca segunda, 17 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Moka diz que orçamento 2004 será o mais magro dos últimos anos

16 dezembro 2003 - 14h40

O deputado federal Waldemir Moka (PMDB/MS) disse que o orçamento da União para 2004, que deve ser aprovado pelo senado na próxima semana, será o mais enxuto dos últimos anos. “Só para ter uma idéia, os recursos do Ministério da Integração Nacional teve uma liberação de recursos 40% inferior que no ano passado”, comparou. Segundo o deputado outras pastas também tiveram de se ajustar. O Ministério da Agricultura ficou com um recurso 20% menor que o mais baixo já executado.Apesar do corte na receita, Moka acredita que os Estados poderão continuar crescendo porque a verba, pela proposta do governo federal, não corre o risco de ser contingenciada, como aconteceu este ano. “Como o governo garantiu a liberação dos recursos o orçamento pode ficar mais apertado. Esse ano o orçamento era maior, mas como pouco foi liberado, foi uma desgraça”, argumenta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BENEFÍCIO
Saque do FGTS 100% digital é lançado pela Caixa
POLÍTICA
Em carta, 20 governadores reclamam de postura do presidente Bolsonaro
ATUALIZAÇÃO
Número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil continua em três
IGUATEMI
Após agredir esposa, policial mata sogro com tiro no peito em fazenda
JUSTIÇA
Sucessor de Minotauro é denunciado por posse de arma de fogo
QUEIMA
Polícia incinera mais de 3 toneladas de drogas
DOURADOS
Sensação térmica chega próximo a 40ºC em dia de temperatura mais alta do ano
CAMPO GRANDE
Estelionatário que vendia produtos falsificados pela internet é preso em flagrante
COTAÇÃO
Dólar abre a semana em alta e chega a R$ 4,32
MS-384
Ministério Público instaura inquérito para apurar condições de rodovia

Mais Lidas

DOURADOS
Ferido com tiro no peito, entregador chega pilotando moto na UPA
VILA SÃO BRÁS
Venezuelanos são flagrados consumindo maconha em bairro de Dourados
DOURADOS
Líderes de motim que causou estragos na Unei são levados à delegacia
DOURADOS
VÍDEO: Internos 'batem grade' e queimam colchões em princípio de rebelião na Unei