Menu
Busca domingo, 09 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

Médicos são acusados de negligência

09 agosto 2002 - 07h12


A dona-de-casa Marlene Santana Carvalho, moradora na rua Clóvis Cersósimo de Sousa, 5.425, jardim Piratininga, denunciou ao Diário MS, quarta-feira passada, mau atendimento de dois médicos que atenderam seu neto M.G.S.A, de 4 anos, no Hospital Evangélico nesta semana. Tudo começou quando a criança precisou de atendimento médico no domingo passado porque reclamava de dor nas narinas. Segundo Marlene, M.G.S.A dizia que parecia ter um bicho dentro do seu nariz e que provocava dor e incômodo. Sem saber do que se tratava, a avó resolveu levar o neto ao Hospital da Mulher, onde foi atendido pelo pediatra Simbal Perroni que constatou que havia algo nas narinas do menino. Para retirar o corpo estranho, o médico precisaria de uma pinça fina, mas no momento não tinha em mãos e encaminhou a criança para o Pronto Socorro. Marlene seguiu a recomendação do médico e foi até o Hospital Evangélico. Desta vez quem atendeu M.G.S.A foi o pneumologista Antônio Carlos Monteiro. Ele examinou a criança e disse à avó que não havia encontrado nada no nariz do menino, informando que poderia ser uma carne esponjosa. Marlene voltou para casa revoltada, pois pensou que o médico deveria ter feito pelo menos uma radiografia. Segundo dona Marlene, seu neto reclamou de dor a noite toda e quase não dormiu. Na segunda-feira, levou a criança novamente ao Hospital Evangélico e com o plano de saúde que possui convênio pagou R$ 10,00 por uma consulta com o pediatra Mário Piccinini, que também examinou o menino e não encontrou nada no interior de suas narinas. Inconformada e muito preocupada com o neto, Marlene voltou para casa e resolveu examinar a criança ela mesma. Foi aí que viu que tinha alguma coisa na narina da criança. Cansada de procurar tantos médicos, pediu à vizinha que emprestasse uma pinça e resolveu tentar tirar o corpo estranho de dentro do nariz da criança. Com muito cuidado conseguiu retirar o objeto e constatou que era um lacre de lata de extrato de tomate. “Fiquei muito decepcionada com os médicos que atenderam meu neto, pois foi muita irresponsabilidade da parte deles. O Dr. Simbal foi o único que viu, mas achei estranho não ter uma pinça naquele hospital. O que mais me revoltou foi que os dois últimos médicos não se preocuparam em fazer um raio-x para examinar melhor meu neto. Nem pagando tive atendimento digno”, disse Marlene.


Deixe seu Comentário

Leia Também

BANDEIRANTES
Veículo desgovernado invade canteiro de obras e mata trabalhador na BR-163
DOURADOS
Por força judicial, terceira sessão para definir Mesa Diretora da Câmara é cancelada
CONGRESSO
CPI dos Maus-tratos encerra trabalhos com propostas polêmicas
RORAIMA
Intervenção deverá valer a partir de amanhã até 31 de dezembro
Interventor prepara plano de ação a ser apresentado a Temer
CORUMBÁ
Mulher descobre traição e acaba agredida a pauladas pelo marido
SAÚDE
"Revolução sexual” contra impotência faz 20 anos em 2018
Médicos celebram disponibilidade de remédios para tratar disfunção
CAPITAL
Homem tem o carro incendiado após enteado pegar veículo sem autorização
PRESIDENTE ELEITO
Bolsonaro afirma que irá propor mudanças no sistema eleitoral no 1º semestre de 2019
LEVANTAMENTO
Brasil tem 5,2 milhões de crianças na extrema pobreza e 18,2 milhões na pobreza
ECONOMIA
Inflação cai ao menor nível desde 1994
Indicador fechou novembro com queda de 0,21%. Produtos importantes, como combustíveis, ficaram mais baratos

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Idosa é espancada, esfaqueada e vai parar na UTI após assalto em Dourados
DOURADOS
Vereadores voltam a “sumir” e eleição da Mesa da Câmara é adiada mais uma vez
DOURADOS
Presos na Cifra Negra devem ser transferidos ainda hoje à PED e delação não é descartada
DOURADOS
Polícia cumpre todos os mandados de prisão em ação que investiga corrupção na Câmara