Menu
Busca sexta, 28 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Médico da FUNASA diz que está sendo ameaçado de demissão

28 janeiro 2005 - 15h00

O médico do Programa da Saúde da Família que trabalha na FUNASA nas aldeias de Dourados, Zelik Trabager, disse há pouco que está sendo ameaçado de demissão por ter mostrado a real situação dos indígenas das aldeias de Dourados. Zelik disse que trabalha a quatro anos com os índios e que quando o programa foi instalado o número de mortes era de 140 para cada mil nascimentos e que em 2002 caiu para 46 por mil, em 2003 subiu para 53 crianças mortas por mil nascidas e que em 2004 este número voltou a subir atingindo 64 mortes para cada mil nascimentos. O médico disse que a cada ano que passa por falta de coordenação no núcleo da FUNASA em Dourados o trabalho vem sendo prejudicado e isso acarreta no aumento do número de crianças mortas.  Zelik aguarda com jornalistas a chegada da comissão de autoridades vindas de Brasília e de Campo Grande.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SÃO GABRIEL
Menino de 5 anos é internado em estado grave após ser atropelado
SAÚDE
Trote solidário: UEMS incentiva doação de sangue e cadastro de medula óssea
CAPITAL
Garçom lambe orelha de cliente em bar e é denunciado à polícia
SAÚDE
Disseminação de fake news sobre coronavírus preocupa especialistas
LÉO VERAS
Suspeito nega execução de jornalista e teme queima de arquivo
ESPORTE
GP Rochedo de Ciclismo abre inscrições para prova dia 15 de março
SÃO GABRIEL
Peão morre atingido por hélice ao consertar maquinário em fazenda
SANEAMENTO
Sanesul executa obras de esgotamento sanitário em Antônio João
TRÊS LAGOAS
Motorista fica preso nas ferragens após colisão entre caminhões na BR-262
MEIO AMBIENTE
Bachelet critica 'retrocessos significativos' na política ambiental no Brasil

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira