Menu
Busca quinta, 20 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Médica é acusada de tentar matar bebê doente na Argentina

23 março 2005 - 12h35

Um promotor argentino pediu a prisão de uma médica, acusada de ter tentado matar o sobrinho, um bebê que nasceu com uma grave doença que causa problemas respiratórios e cardíacos e o mantém em estado vegetativo, segundo a imprensa argentina.
Viviana Rodríguez, uma médica do Hospital Italiano da cidade de La Plata, tentou matar o sobrinho Felipe Turchi em quatro oportunidades, segundo o promotor Marcelo Romero. Em três delas, teria tapado as narinas do bebê e, na outra, teria dado a ele cloreto de potássio.
A médica, que não alcançou seu objetivo devido à ação de um médico e duas enfermeiras, está internada em uma clínica psiquiátrica e o bebê, que tem atualmente três meses e meio, continua em estado vegetativo.
No documento da acusação não é mencionada a palavra "eutanásia", figura que não existe nas leis argentinas. Se um médico aplica a eutanásia, que não é permitida no país, comete o crime de homicídio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Durante discussão, major da PM atira contra o ex-namorado
TENTATIVA
Petroleiros suspendem greve após 20 dias para negociar acordo
ANASTÁCIO
Motorista perde controle de direção e tomba carreta em ponte
EDUCAÇÃO
UFGD fará programação de recepção aos calouros no dia 03 de março
CAPITAL
Menina de três anos tem braços quebrados após ser espancada por garoto
CONCURSO
Exército abre inscrições para 1.100 vagas da Escola de Sargento
CORUMBÁ
Homem mata professor e foge após confessar crime para mãe
FUTEBOL
Maracaju terá que mandar jogos com portões fechados
NAVIRAÍ
Agente penitenciário é preso acusado de fornecer celular e drogas aos detentos
BENEFÍCIO
Fundect abre 50 vagas para bolsas de Agentes Locais de Inovação

Mais Lidas

APÓS 9 ANOS
Hipermercado fecha as portas em Dourados no final do mês
DOURADOS
Policial aposentado mata homem e diz ter sido ameaçado com faca
VIOLÊNCIA
Homem é assassinado em frente a padaria em Dourados
DOURADOS
Júri termina com réu condenado a 15 anos por matar desafeto em 2018