Menu
Busca terça, 18 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

MEC deve agendar nova data para indígenas realizarem Enem

03 dezembro 2012 - 19h45

A OAB/MS cobrou providências aos MEC (Ministério da Educação) sobre o caso de sete indígenas do Estado que foram impedidos de realizar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) , nos dias 3 e 4 de novembro, por apresentar o Rani (Registro Administrativo Nacional Indígena) como documento de identidade. Até o momento, o Ministério não enviou resposta e caso os indígenas não tenham outra oportunidade, a Seccional pretende ingressar com ação judicial para garantir nova prova e até possível anulação.

“Foi muita incoerência, pois outros indígenas fizeram apresentando o documento sem problemas. Além disso, alguns destes indígenas que nos procuraram conseguiram fazer a prova no primeiro dia e só foram impedidos no domingo. Uma total incoerência e os indígenas não podem pagar por esse erro”, comentou a presidente da Comissão Permanente de Assuntos Indígenas (Copai) da OAB/MS, Samia Roges Jordy Barbieri.

De acordo com a presidente, o pedido foi encaminhado ao Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão do MEC responsável pela realização do Enem. A Procuradoria-Geral da Funai (Fundação Nacional do Índio) também pleiteia a nova oportunidade aos indígenas.

“Ainda não tivemos uma posição, isso significa que eles ainda podem ter a oportunidade. Caso contrário, teremos que entrar com uma ação judicial”, comentou Samia. A advogada explica que o Rani é expedido pelo Ministério da Justiça e, por esse motivo tem validade como documento oficial. “Essa justificativa do MEC não tem embasamento jurídico, dizendo que não estava no edital”, finalizou.

O advogado Luiz Henrique Eloy Amado ingressou com os pedidos junto ao MEC. Ele explica que muitos indígenas não possuem o documento civil, pois o Rani é documento oficial. “Houve um despreparo dos fiscais, pois faltou critério. O Inep pediu prazo até sexta-feira para dar uma resposta. Acreditamos que ainda conseguem fazer a prova este ano”, comentou.

A cobrança junto ao MEC era para que os indígenas que tiveram esse problema pudessem realizar as provas do Enem nesta terça e quarta-feira (4 e 5 de dezembro), mesma data que os aprisionados e a estudante de Sidrolândia que teve filho durante a prova vão realizar o exame. Porém, isso não ocorrerá.

“Esperamos que uma nova data seja agendada, caso contrário, vamos ingressar com ação judicial e pedir a anulação da prova, já que alguns puderam fazer a prova com o documento e outros não”, disse Eloy.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Sasha enfrenta calor forte do Rio em dia de praia com amigas
LADÁRIO
Antes da prisão, vereador procurou MP para “entregar” delator
CAARAPÓ
Juiz federal determina reintegração de área invadida por índios
TRÊS LAGOAS
Três dias após internação, professora morre com suspeita de dengue
RELIGIÃO
Imagens sacras serão mantidas no Planalto e Alvorada, diz Bolsonaro
AQUIDAUANA
Operador de máquina morre um dia após batida entre carro e caminhão
LIMINAR
Justiça de Goiás nega habeas corpus ao médium João de Deus
BATAGUASSU
Polícia apreende 115 quilos de cocaína em estepe de caminhão
MAIS CEDO
Globo oficializa que jogos de quarta-feira terão início às 21h30
TECNOLOGIA
Clientes do Banco do Brasil poderão usar WhatsApp para fazer saques

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem faz desabafo sobre a morte do pai em confronto: “lamento por você ter escolhido esse caminho”
DOURADOS
Délia exonera cinco secretários de uma só vez e inicia reforma administrativa
DOURADOS
“Batida” acaba com festa lotada de menores e regada a bebida alcoólica
POLÍCIA
Jovem é baleada em tentativa de assalto em Dourados