Menu
Busca domingo, 25 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221

Mais de 500 pessoas já trocaram armas pela cesta de natal

12 dezembro 2003 - 14h00

Em um mês da campanha Natal em Paz, 500 armas de fogo foram em quartéis da Polícia Militar e delegacias da Polícia Civil por cupons que entre os dias 15 e 18 darão direito acestas de natal que tem 42 quilos de alimentos. O balanço parcial da campanha foi divulgado hoje pela manhã pelo secretário de Justiça e Segurança Pública, Dagoberto Nogueira, durante a solenidade de formatura de 48 novos oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. “Com isso estamos tirando de circulação muitas armas de fogo. Algumas delas serão até aproveitados pelos nossos policiais, mas a grande maioria será destruída. E isso é muito importante, porque dá ainda mais credibilidade para o governo e mostra porque o Estado é o único do País que reduziu seus índices de criminalidade. Enquanto em todo o Brasil tivemos um aumento de cerca de 23% aqui no Estado esse índice caiu”, disse o secretário. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUU!!
Débora Oliver faz cliques quentes para o Diamond Brazil
ASSEMBLEIA
Seminário sobre regularização fundiária urbana é o destaque da semana
LOTERIA
Apostas para a Dupla de Páscoa já podem ser feitas
PM E BOMBEIROS
ACS elege novo presidente em MS
ESTADO
Começa em abril inventário de plantas e solo do Cerrado de Mato Grosso do Sul
Veículos roubados que seriam levados para o Paraguai são recuperados
BRASIL
Conta-salário poderá ser transferida para instituições não financeiras
RECOMENDAÇÃO
Prefeito vai revogar doação de área a Arquidiocese de Campo Grande
MS/PR
Assaltantes se escondem em pântano e acabam presos
ESTADUAL
Federação adia fim da primeira fase após ajuste de tabela

Mais Lidas

NOVO HORIZONTE
Foragido da Justiça é preso após trocar tiros com policiais em Dourados
WILLIAM DENTE PODRE
Ladrão baleado após atirar contra a polícia morre em hospital
DOURADOS
Idoso morre ao ser atropelado na Monte Alegre
FÁTIMA DO SUL
População faz protesto e pedem Justiça no caso Débora