Menu
Busca segunda, 16 de julho de 2018
(67) 9860-3221
OPINIÃO

Leia o artigo "Tradição a céu aberto", por Rosildo Barcellos

13 julho 2018 - 09h09Por Rosildo Barcellos

Miranda cantada em versos, Miranda contada em prosa, de façanhas sem fronteiras, de área portentosa, pelo desenvolvimento, pela hospitalidade, pelo exemplo sulino, pelas personalidades, a ti cidade sorriso, baluarte da nação, hei de honrar a tua flâmula, hei de amar o teu brasão, assim conta um trecho do Hino da cidade de Miranda, berço da história do Estado e um dos municípios mais antigos do Mato Grosso do Sul.

Possui um patrimônio histórico que remonta a Guerra da Tríplice Aliança, sendo palco de muitos acontecimentos, que refletem hoje no que é o nosso Estado. Fundada a partir da construção do Presídio Nossa Senhora do Carmo do Rio Mondego, reduto construído pelo governador Caetano Pinto de Miranda a mando do Capitão das Conquistas João Lemes do Prado, que desbravou os rios Mbotetei (Miranda) e Arariani (Aquidauana), encontrando as ruínas de Xerez, cidade fundada em 1579 e destruída pelos índios Guaicurus, e, que, na ocasião, tinha o objetivo de defender a região contra possíveis ataques dos (Castelhanos de Assunção). A 16 de julho de 1778, era chamada de Mondego, e em 1835, o local passou a se chamar Nossa Senhora do Carmo de Miranda e sua comarca abrangeu todo o Planalto do Amambai.

Em 1857, Francisco Rodrigues do Prado (irmão do fundador do presídio) consegue por meio de lei provincial transformar a localidade em vila com o nome de Miranda, sendo uma homenagem ao ex-governador que iniciou a construção do presídio. Entretanto, os homens de Francisco Izidoro Resquim, num total de cinco mil soldados, invadiram Mato Grosso, com uma coluna chagando até Miranda. A invasão se deu em 28 de dezembro de 1.864, por Bela Vista, tendo as tropas paraguaias chegando à vila de Miranda em 12 de janeiro de 1.865, causando destruição e se apropriando a maioria do gado e cavalos existente na Fazenda Imperial do Betione.

Com seu povo batalhador que buscava o progresso, a cidade é reconstruída novamente. No primeiro censo nacional realizado 94 anos depois, Miranda era a cidade mais populosa do sul de Mato Grosso com 3852 habitantes. Atualmente a cidade possui cerca de 28 mil habitantes e comemora aniversário em 16 de julho. Nesta data também é celebrado o Dia de Nossa Senhora do Carmo, padroeira da cidade e nome da Igreja Matriz. Há duas importantes páginas da história, que foram escritas na região, a primeira em 1865 quando os paraguaios destruíram edificações na cidade, e depois quando, em 1885 (três anos antes da declaração da Princesa Izabel pela Abolição da Escravatura), o Clube Emancipador de Miranda, com o apoio da Câmara Municipal, alforriou seus escravos. Assim é Miranda, história e tradição a céu aberto.

 

*Articulista

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COTAÇÕES
Dólar fecha em queda nesta segunda-feira
MULHERES
Marina Ruy Barbosa e Abrahão acertam com camiseta e jeans; confira e inspire-se!
ESPAÇO VEST
Senai leva design gráfico e orientação sobre mídias sociais a evento
FAMOSOS
Grazi Massafera posa com a filha ao lado de elefante
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Frango com inhame é a dica desta segunda-feira do Comer Bem
ARQUITETURA
Constra entre madeira e concreto aparente criam personalidade a apê de 220m²
ECONOMIA
Governo antecipa primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas
FUTEBOL
Conmebol divulga logo e faz contagem regressiva para Copa América no Brasil
ÁREA NOBRE
Vândalos incendeiam quiosques em praça na região Norte de Dourados
JUDÔ
Douradense é convocada para disputa do Grand Prix da Croácia

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
RESIDENCIAL BONANZA
Homem atropela casal em Dourados após ser contrariado
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa
DOURADOS
Homem é atropelado após “roletar” avenida com bicicleta motorizada