Menu
Busca terça, 18 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Lei do Livro gera polêmica antes da regulamentação

15 janeiro 2004 - 13h39

A diretora da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, Maria da Conceição Moreira Salles, disse que a Lei do Livro, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 30 de outubro de 2003, aguarda regulamentação e já levanta questões polêmicas como a própria definição do que é o livro. Em um dos artigos, são equiparados a livro fascículos e publicações de qualquer natureza que representam parte de um livro. “Acredito que essa nova definição pode ferir a Lei dos Direitos Autorais, que é muito séria e rigorosa”, comenta Conceição Salles. Para a diretora da Câmara do Livro do Distrito Federal, Íris Borges, a nova lei ajudará a conscientizar o cidadão sobre a importância da leitura, já que responsabiliza o Poder Executivo pela criação de projetos para aumentar o acesso ao livro. “Quando tiverem mais acesso aos livros, as pessoas vão entender o valor que a leitura tem em sua vida”, afirmou Íris.O projeto, de autoria do senador José Sarney, que institui a política nacional do livro, propõe a criação de parcerias públicas ou privadas para incentivar a leitura, com o desenvolvimento de programas como hora de leitura diária nas escolas. “É importante não apenas a leitura mas o dinamizador dela, que vai despertar o interesse das pessoas”, acrescenta Íris Borges. A Lei do Livro determina que a União, os estados e os municípios passem a destinar verbas anuais para construir novas e manter as atuais bibliotecas públicas do país. De acordo com a diretora da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, a lei vai permitir que as bibliotecas públicas tenham lançamentos em seus acervos. “Atualmente, a biblioteca toma a iniciativa de pedir livros às editoras para que o acervo seja renovado”, comenta a diretora. Segundo ela, a nova lei facilita a aquisição, além dos clássicos da literatura, de novos lançamentos do mercado.Outra boa notícia para as bibliotecas públicas é que pela lei, o livro deixa de ser considerado material permanente para ser material de consumo. Para as bibliotecas, essa mudança vai facilitar a aquisição de novos materiais. Atualmente, explica Conceição Salles, para um livro ser substituído deve passar por um processo de baixa. É criada uma comissão para analisar se cada livro deve ser substituído ou não. Segundo a diretora, o processo é muito burocrático e atrasa a substituição do material. “Não podemos comparar um livro a uma mesa ou cadeira em que o tempo de vida útil é muito maior”, comenta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Pai que matou filho afogado também responderá por tentativa de homicídio
NOVO PADRÃO
Termina prazo extra para placa do Mercosul entrar em vigor no Brasil
PARAGUAI
Justiça solta 4 agentes penitenciários presos após fuga de 76 detentos
BRASIL
PF encontra mensagens com ameaças a ministros do Supremo
CAPITAL
Polícia identifica marca em touro descontrolado e tenta rastrear dono
UFGD
Seminário de Literatura e Arte Contemporânea acontece em abril
PARANAÍBA
Carreta é encontrada em chamas e polícia investiga ação criminosa
POLÍTICA
Bolsonaro diz que espera enviar reforma administrativa esta semana
FRONTEIRA
Pistoleiros do PCC são suspeitos de envolvimento na execução de jornalista
EDUCAÇÃO
MEC busca alternativa para voltar a emitir carteira de estudante

Mais Lidas

DOURADOS
Ferido com tiro no peito, entregador chega pilotando moto na UPA
VILA SÃO BRÁS
Venezuelanos são flagrados consumindo maconha em bairro de Dourados
DOURADOS
Líderes de motim que causou estragos na Unei são levados à delegacia
DOURADOS
VÍDEO: Internos 'batem grade' e queimam colchões em princípio de rebelião na Unei