Menu
Busca quarta, 20 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
MUNDO

No Ano Internacional da Luz, 1,5 bilhão de pessoas vivem no escuro pelo mundo

28 junho 2015 - 16h20

O Ano Internacional da Luz, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para sensibilizar os governos do mundo para um fato grave, será comemorado ao longo de 2015. De acordo com a ONU, apesar de todos os avanços científicos da humanidade, 1,5 bilhão de pessoas ainda vivem sem energia elétrica no mundo.

Os desdobramentos do problema são muitos, entre eles a impossibilidade de estudar à noite, dificuldade de acesso à informação, desperdício de comida por falta de geladeira e insegurança. Segundo a Unesco, a prática cultural no continente africano de usar querosene como combustível para lamparinas mata 1,5 milhões de pessoas por ano e é uma das principais causas de problemas respiratórios em milhões de moradores da região.

No Brasil, há 12 anos o governo tenta universalizar o acesso à energia elétrica por meio do programa Luz para Todos. Entretanto, boa parte da população continua sem luz. Segundo o diretor do programa, Aurélio Pavão, do Ministério de Minas e Energia, cerca de 190 mil famílias brasileiras ainda vivem sem energia, a maior parte na zona rural.

Para o diretor, o avanço foi significativo desde 2002, quando o ministério estimou que 10 milhões de pessoas, cerca de 2 milhões de moradias, não tinham luz no país. “Em maio de 2009, o programa cumpriu a meta dos 10 milhões. À medida que avançamos, identificamos novas famílias e novos domicílios no meio rural que também precisavam de energia. O programa já levou energia a 15,5 milhões de pessoas”, esclareceu Pavão.

Ele explicou que são três as razões para a construção de muitas novas casas no país nos últimos anos. “O crescimento econômico, que gerou mais construções nas propriedades familiares, retorno de muitas famílias ao campo e os programas de assistência social, como Bolsa Família, que incrementou a renda das famílias."

Segundo Aurélio Pavão, nas regiões Sul e Sudeste e parte do Nordeste o acesso à luz já está universalizado. “A partir de agora, nosso maior desafio são alguns estados do Nordeste, principalmente Bahia, Piauí, Maranhão e Alagoas, além de Goiás, no Centro-oeste, e toda a região Norte." O novo prazo para universalização de energia no país é 2018.

Além das 190 mil residências mapeadas pelo ministério, Aurélio Pavão destacou a existência de comunidades isoladas na Amazônia. Elas não estão contabilizadas, mas não têm energia. Pavão explicou que o problema de levar energia para a região são as dificuldades de logística e obstáculos naturais.

Para superar os problemas, o programa foi modernizado com o uso de novas tecnologias, como cabos subaquáticos, postes de fibra de vidro, que boiam facilitando transporte pelos rios, e uso de energia solar. “Em tese, ainda temos uma população grande para atender nessa região, mas a o ministério está conseguindo avançar bastante”, acrescentou.

Até maio de 2015, os investimentos no programa Luz para Todos chegavam a R$ 22,7 bilhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Pistoleiros atacam suboficial na fronteira
DOURADOS
Mulher que encomendou morte de marido é transferida para presídio
THETAHEALING
Capital sedia curso sobre cura energética no final de semana
EM BRASÍLIA
Reforma da Previdência deve incluir interesses de estados e municípios, diz Reinaldo Azambuja
SUSTO
Cascavel é capturada em cômodo de casa na Capital; veja vídeo
DARUK
PF prende homem em operação contra pedofilia em MS
BRASIL
MEC vai rever texto da base de formação de professores
ASSEMBLEIA
Cota zero volta a ser debatida com sugestão de autorização para captura de jacarés
CAMPO GRANDE
Veneno em carne crua mata cinco animais na Capital
BRASIL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep

Mais Lidas

CRIME EM 10 DE FEVEREIRO
Acusados de matar jovem a facadas em Dourados se apresentam à polícia
DOURADOS
"Lata de sardinha": universitários sofrem com ônibus lotados para chegar até Universidades
TRÁFICO
Trio é preso com mais de meia tonelada de cocaína
DOURADOS
Polícia busca imagens para chegar a motociclista que atropelou e matou criança