Menu
Busca domingo, 18 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
REGIÃO

Frentistas e consumidores de MS são orientados a não abastecer acima do limite

09 junho 2015 - 14h00

Da Redação

Para evitar a contaminação de frentistas, consumidores e demais funcionários de postos de combustíveis, com o benzeno, substância química presente nos combustíveis, considerado altamente tóxico e cancerígeno pela Organização Mundial de Saúde, o Sinpospetro/MS (Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Mato Grosso do Sul) está dando continuidade à campanha, que começou em outubro do ano passado, alertando a todos sobre os perigos do benzeno.

Essa campanha está alicerçada na Lei Estadual Nº 4.574, de 24/09/2014, que dispõe sobre a condição de abastecimento de veículos automotores, proibindo abastecimento após acionado a trava automática de segurança das bombas.

Hoje pela manhã, diretores do Sinpospetro/MS, acompanhados do presidente da entidade, Gilson da Silva Sá e do advogado do sindicato, César Palumbo Fernandes, percorreram vários postos de Campo Grande, distribuindo panfletos educativos sobe o assunto e conversando com consumidores e funcionários de postos sobre os perigos do benzeno e a necessidade de se obedecer à legislação.

“Nosso objetivo, com esse trabalho de campo, que intensificaremos nos demais municípios de Mato Grosso do Sul, é conscientizara todos que quando o tanque é abastecido apenas até o automático, a chance desse componente sair em forma de vapor é reduzida”, afirmou Gilson Sá.

Os diretores sindicais José Hélio da Silva, Pedro Martins Neves e Marins Antônio, que também estão percorrendo postos e conversando com consumidores e frentistas, afirmam que o derramamento do combustível, excedente no tanque, no solo e sua evaporação no ar também causam riscos ao meio ambiente com a contaminação do lençol freático. Além disso, prejudica a qualidade do ar e a saúde de quem o inala.

O Sinpospetro vai intensificar a campanha principalemente nas grandes cidades do Estado, como Dourados, Corumbá, Três Lagoas, Maracaju, Ponta Porã, São Gabriel do Oeste, Sonora e outras.

Campanha

A campanha “Não passe do limite – Complete o tanque só até o automático” para reduzir a exposição de frentistas e consumidores ao benzeno, foi lançada no ano passado Pelo Fórum de Saúde, Segurança e Higiene no Trabalho no Mato Grosso do Sul (FSSHT/MS) com apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT), do Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho (SRTE/MS), do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), da Fundação Jorge Duprat e Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro) e Sinpospetro/MS entre outras entidades integrantes do Fórum.

A Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul, entidade à qual o Sinpospetro/MS é filiado, também apoia essa campanha de saúde pública. “Iniciativas como essa, que visa a saúde e o bem estar dos nossos trabalhadores em geral, têm nosso total apoio. Esperamos mesmo que possamos mudar essa cultura de encher o tanque até à boca, como normalmente é feito nos postos. O consumidor também precisa se conscientizar e impedir isso, pelo bem da saúde de todos”, afirmou Idelmar da Mota Lima, coordenador da central em MS.

O objetivo da campanha, originalmente criada pela Secretaria de Saúde do Estado do Paraná, é discutir os perigos para a saúde dos trabalhadores que possuem contato com o benzeno, como os que laboram em postos de gasolina, em oficinas mecânicas, abastecedores de caminhões de combustíveis, e dos consumidores, cuja exposição, apesar de pequena, também é significativa, considerando que não há níveis seguros de exposição ao produto.

A intoxicação por benzeno, por inalação de gases ou aspiração de formas líquidas, pode causar bronquite, dificuldades respiratórias e até bronquiolites irritativas graves, com hemorragia, inflamação e edema pulmonar, podendo levar à morte. O cérebro e o fígado também podem ser atingidos. A Organização Mundial de Saúde (OMS) inclui o benzeno em sua lista de produtos cancerígenos.

Gilson Sá alerta também que abastecer o tanque “até a boca” também prejudica o automóvel. O combustível excedente é armazenado no canister, dispositivo feito para absorver vapores gerados durante o processo de abastecimento. Quando o canister entra em contato com combustível na forma líquida, ocasiona falhas no motor, risco de queima da bomba de combustível, danos à pintura e desperdício.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Comissão sobre Escola sem Partido faz nova tentativa de votar relatório
POLÍTICA
Em encontro com Maia e Bolsonaro, governadores defendem votação de projetos para enfrentar crise
ECONOMIA
União já pagou este ano R$ 3,5 bi em dívidas atrasadas dos estados
TRÊS LAGOAS
Homem cai em golpe ao tentar comprar carro na internet
MATO GROSSO DO SUL
Edital para inserção de jovens no mercado de trabalho está aberto até dezembro
Processo visa a seleção de entidades que possam atuar, em parceria com a SED, no acompanhamento de estudantes, matriculados no ensino médio, para a atuação profissional.
TV
Samantha Schmütz celebra papel dramático em 'Carcereiros': 'Porta para o público me ver de uma maneira diferente'
CAPITAL
Motorista sem CNH fura sinal, foge da polícia e acaba preso dentro de casa
BRASIL
Defensoria Pública pede à Justiça manutenção de regras do Mais Médicos
FAMOSA
Susana Vieira abre o jogo sobre luta contra a leucemia: “Perguntei ao médico quando vou morrer”
CAPITAL
Mais de 20 acidentes foram registrados nesta madrugada em Campo Grande

Mais Lidas

DOURADOS
Bandido armado faz arrastão do Flórida ao Centro durante a noite
DOURADOS
Dupla desobedece ordem de parada, é perseguida e acaba presa em flagrante por porte de arma
CAMPO GRANDE
Homem se joga do 9° andar de hotel luxuoso na Capital
NOVA ALVORADA DO SUL
Acidente entre dois veículos termina com dois feridos e BR-163 interditada