Menu
Busca Segunda, 20 de Novembro de 2017
(67) 9860-3221
Corpal Novo site

Fórum do Pantanal comemora retirada de projeto das usinas

11 Dezembro 2003 - 15h43

O Fórum de Defesa do Pantanal considerou uma vitória a retirada do projeto do deputado Paulo Corrêa (PL), que autoriza a implantação de usinas de álcool na bacia do Rio Paraguai, da pauta de votação da Assembléia Legislativa. A entidade, formada por 15 organizações não governamentais, pretende, no entanto, continuar vigilante e trabalhando para que essa ameaça seja totalmente dissipada, ou seja, que o projeto não retorne à AL  ou, se voltar, que seja rejeitado. A informação é do empresário Astúrio Ferreira dos Santos, presidente do fórum, que está desenvolvendo um trabalho junto à opinião pública, para conscientiza-la da importância de somar forças contra essa e qualquer outra ameaça semelhante ao Pantanal. O presidente da ONG Rios Vivos, Alcides Faria, informou que “o momento não é de comemorar, e sim de continuar o trabalho pela preservação da região pantaneira”, comentou. Segundo ele, estão sendo coletadas assinaturas de pessoas da comunidade em várias cidades do Estado contrárias à implantação do projeto do deputado Paulo Corrêa, ou qualquer outro que implique na implantação de usinas de álcool no Pantanal. Na próxima semana, segundo ele, o fórum deverá se reunir para traçar metas a respeito da coleta e número de assinaturas que deverão ser, posteriormente, entregues às autoridades constituídas, inclusive ao governador Zeca do PT.Alcides Faria comentou sobre o perigo das usinas em contaminar o ‘Aquífero Guarani’, (maior reservatório de água potável subterrânea do mundo), que abrange boa parte dos municípios de Mato Grosso do Sul. Segundo ele, não se pode instalar usinas de álcool na região do alto Pantanal, sem antes se identificar as zonas de recargas desse potencial de água.O presidente da ‘Rios Vivos’ e membro do Fórum comentou também sobre os 300 metros acima do nível do mar, como regiões aptas, de acordo com o projeto de Paulo Corrêa, para a exploração com usinas de álcool. Alcides Faria citou que o município de Bonito, com seus 315 metros, “poderia tornar-se um grande canavial, de acordo com o projeto do parlamentar”, informou. Segundo ele, se isso viesse a ocorrer, seria o fim do turismo na região e, conseqüentemente, dos rios ali existentes.Os membros do Fórum de Defesa do Pantanal esperam que o deputado use do bom senso e retire de vez o projeto do legislativo. Eles acreditam também que não só os parlamentares da oposição ao governo, como da própria situação e das bancadas aliadas, estão se conscientizando do perigo que representa a instalação de usinas naquela região, que é considerada Patrimônio Ecológico da Humanidade. Porisso, se a matéria voltar, poderá ser rejeitada.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÃO
Prefeitura de Dourados contribui com função social da ressocialização
LITERATURA
Guimarães Rosa, recriador da linguagem literária brasileira, morria há 50 anos
ESPORTE
Maria Elisa e Carol Solberg faturam etapa de Itapema
POLÍCIA
Identificada travesti morta a facadas
EDUCAÇÃO
Prova para cursos técnicos integrados do IFMS reúne mais de 3,4 mil candidatos
Prova para cursos técnicos integrados do IFMS reúne mais de 3,4 mil candidatos
ENTRETENIMENTO
PSG terá que pagar mais de R$ 80 milhões para ter Mourinho
BRASIL
Dnit e Exército iniciam quarta etapa de pesquisa sobre rodovias brasileiras
Dnit e Exército iniciam quarta etapa de pesquisa sobre rodovias brasileiras
OPORTUNIDADE
Concurso de Fundação de Saúde com 191 vagas inscreve até dia 30
Concurso de Fundação de Saúde com 191 vagas inscreve até dia 30
POLÍTICA
MP pede anulação de sessão da Alerj que revogou prisão de deputados
MP pede anulação de sessão da Alerj que revogou prisão de deputados
PÚBLICO
Ação Cidadania encerra ano com 36,9 mil atendimentos

Mais Lidas

VIOLÊNCIA URBANA
Jovem é executado em emboscada no Estrela Porã
DOURADOS
Travesti é assassinada a golpes de faca em Dourados
POLÍCIA
Adolescente é baleado no Altos do Alvorada II
DOURADOS
Homem morre após fugir de veículo em alta velocidade