Menu
Busca quinta, 18 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Fiscal do Ibama é preso em flagrante no MT

20 dezembro 2003 - 11h04

Policiais federais prenderam em flagrante o fiscal do Ibama Wilson Leite da Silva, 53 anos, por crime de concussão (tirar benefício para si de serviço público). O fiscal havia cobrado R$ 30 mil para não emitir uma multa no valor de R$ 300 mil contra um fazendeiro de Juara. A prisão aconteceu pouco depois do pagamento da propina, em um shopping center da Capital. Os policiais federais filmaram o pagamento e apreenderam os cheques que estavam no bolso do fiscal. Conforme o delegado Adriano Barboza, o fiscal iria multar a fazenda de Emerson Kasuo Guinosa, em virtude de uma queimada de mil alqueires, praticada fora da época permitida. A constatação da queimada aconteceu no mês de agosto desse ano. O proprietário da fazenda alegou que a queimada aconteceu acidentalmente. Porém, ao invés de emitir a multa o fiscal passou a assediar o advogado e procurador do proprietário, Vitor Toyana, para que aceitasse a sua proposta. O advogado procurou então a Promotoria da cidade de Juara que informou a polícia federal sobre o que estava acontecendo. A PF orientou o advogado a aceitar um encontro para que o dinheiro fosse entregue ao fiscal. Por coincidência Wilson tinha de comparecer a Superintendência da PF, em Cuiabá, para que fosse ouvido em um processo ontem à tarde, e marcou o encontro no shopping antes de sua audiência. A ação foi agrava por uma equipe da PF e também pelo circuito interno de vídeo do shopping. O advogado assina cinco folhas de cheque do Banco do Brasil e as entrega ao fiscal que as guarda no bolso esquerdo de sua bermuda. Conforme o delegado Adriano Barboza, não houve indução ao flagrante já que não foi forjada nenhuma situação. "O Código de Processo Penal prevê o flagrante esperado. Quando se espera a perpetração do crime", observou. Ao ser preso o fiscal, que trabalhava há 29 anos no Ibama, disse que não tinha conhecimento a respeito dos cheques encontrados em seu bolso esquerdo. Posteriormente a essa versão, ele alegou que o advogado do fazendeiro é quem o tinha procurado oferecendo o valor de R$ 30 mil para que a multa não fosse emitida. ¿Mesmo que o advogado o tivesse procurado ainda assim seria crime por corrupção passiva¿, analisou o delegado.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

COMBUSTÍVEIS
Petrobras reduz preço da gasolina em 2,14% e diesel em 2,15% amanhã
SAÚDE
A cada duas notificações por dengue, um caso foi confirmado em Dourados
ECONOMIA
Dólar fecha em queda e cai ao menor patamar em quase cinco meses
TRÁFICO
Polícias estaduais apreendem cerca uma tonelada de maconha por dia em MS
BRASIL
Mais de 11 mil famílias pediram desligamento do Bolsa Família em 2019
RECURSOS
Repasses do Estado para a saúde de Dourados atingem quase R$ 20 milhões em 2019
DONA DO PEDAÇO
Maria da Paz flagra conversa de Jô e Régis depois de se recusar a comprar mansão
COMER BEM
Bolo de Banana sem Farinha e sem Açúcar
MATO GROSSO DO SUL
Desembargadores negam recurso a homem condenado por estelionato
TACURU
Cocaína é apreendida dentro de ônibus na região Sul de MS

Mais Lidas

DOURADOS
Execução de comerciante douradense foi “comemorada” com tiros em bairro da periferia
DOURADOS
Indígenas invadem propriedade e atacam policiais com flechas e coquetel molotov
DINHEIRO NOVO
Governo deve anunciar ainda esta semana a liberação de saques do FGTS
POLÍCIA
Polícia prende ladrão de moto e descobre ‘boca de fumo’ no Dioclécio Artuzi