Menu
Busca quarta, 03 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Fiscal do Ibama é preso em flagrante no MT

20 dezembro 2003 - 11h04

Policiais federais prenderam em flagrante o fiscal do Ibama Wilson Leite da Silva, 53 anos, por crime de concussão (tirar benefício para si de serviço público). O fiscal havia cobrado R$ 30 mil para não emitir uma multa no valor de R$ 300 mil contra um fazendeiro de Juara. A prisão aconteceu pouco depois do pagamento da propina, em um shopping center da Capital. Os policiais federais filmaram o pagamento e apreenderam os cheques que estavam no bolso do fiscal. Conforme o delegado Adriano Barboza, o fiscal iria multar a fazenda de Emerson Kasuo Guinosa, em virtude de uma queimada de mil alqueires, praticada fora da época permitida. A constatação da queimada aconteceu no mês de agosto desse ano. O proprietário da fazenda alegou que a queimada aconteceu acidentalmente. Porém, ao invés de emitir a multa o fiscal passou a assediar o advogado e procurador do proprietário, Vitor Toyana, para que aceitasse a sua proposta. O advogado procurou então a Promotoria da cidade de Juara que informou a polícia federal sobre o que estava acontecendo. A PF orientou o advogado a aceitar um encontro para que o dinheiro fosse entregue ao fiscal. Por coincidência Wilson tinha de comparecer a Superintendência da PF, em Cuiabá, para que fosse ouvido em um processo ontem à tarde, e marcou o encontro no shopping antes de sua audiência. A ação foi agrava por uma equipe da PF e também pelo circuito interno de vídeo do shopping. O advogado assina cinco folhas de cheque do Banco do Brasil e as entrega ao fiscal que as guarda no bolso esquerdo de sua bermuda. Conforme o delegado Adriano Barboza, não houve indução ao flagrante já que não foi forjada nenhuma situação. "O Código de Processo Penal prevê o flagrante esperado. Quando se espera a perpetração do crime", observou. Ao ser preso o fiscal, que trabalhava há 29 anos no Ibama, disse que não tinha conhecimento a respeito dos cheques encontrados em seu bolso esquerdo. Posteriormente a essa versão, ele alegou que o advogado do fazendeiro é quem o tinha procurado oferecendo o valor de R$ 30 mil para que a multa não fosse emitida. ¿Mesmo que o advogado o tivesse procurado ainda assim seria crime por corrupção passiva¿, analisou o delegado.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Atividade econômica caiu 7% em abril, estima FGV
ALCINÓPOLIS
Drone flagra carvoaria e exploração irregular de madeira
DICA
Profissional de Educação Física fala sobre os cuidados necessários ao fazer exercícios em casa
LEGISLATIVO
LDO começa a tramitar estimando impactos da Covid-19 e receita de R$ 16 bilhões
MUNDO
Alívio da dívida para países pobres pode se estender até final do ano
MEIO AMBIENTE
Lei sancionada pelo Governo de MS define 12 de novembro como Dia do Pantanal
SAÚDE
OMS anuncia retomada de testes com hidroxicloroquina para Covid-19
TRÁFICO DE DROGAS
Caminhão com placas de Dourados é apreendido com mais de 700 kg de maconha em SP
HOME OFFICE
Menos de 25% das ocupações no Brasil têm potencial de teletrabalho
MATO GROSSO DO SUL
SES modifica apresentação de número de leitos e de taxa de ocupação

Mais Lidas

6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Novo epicentro, Dourados é a cidade com mais casos de coronavírus em MS
PED
Policiais penais frustram tentativa de fuga na Penitenciária de Dourados